A A A C
email
Retornando 345 resultados para a tag '6ªcre'

Terça-feira, 04/10/2016

IV Semana de Alfabetização: Escritas e Histórias de Alunos e Professores

Tags: 6ªcre, semana de alfabetização.

 

 

 

A IV Semana de Alfabetização, intitulada “As escritas e as histórias de alunos e professores na cidade do Rio de Janeiro” aconteceu no período de 05 a 09 de setembro. A 6.ª Coordenadoria Regional de Educação ofereceu aos professores palestras e oficinas voltadas para práticas de leitura, escrita e raciocínio lógico.

 

Oficina "A sala de leitura como motivadora do processo de alfabetização"

 

As atividades aconteceram na E. M. Alexandre Farah – Ricardo de Albuquerque e tiveram como público-alvo professores de 1.º ao 3.º ano, de Sala de Leitura e Peja. Elas tiveram como objetivo principal promover um espaço de reflexão sobre o processo de alfabetização em nossas unidades escolares.

No dia 06 de setembro, os professores de 3.º ano trabalharam, durante todo o dia, com produção e revisão de texto. As reflexões foram conduzidas pela professora Lúcia Brizzio, da Gerência de Educação, e pela equipe da Escola de Formação do Professor Carioca Paulo Freire.

Na quinta-feira, dia 08 de setembro, os professores de 1.º ao 3.º ano tiveram a oportunidade de participar de uma palestra e três oficinas. A palestra “Jogos Digitais na Alfabetização: facilitadores da aprendizagem dos alunos incluídos e com dificuldade de aprendizagem” foi ministrada pela professora Mara Malheiros, da E. M. Grandjean de Montigny. A palestrante apresentou várias possibilidades de uso da tecnologia para facilitar a aquisição da leitura e da escrita das crianças.

 

Palestra "Jogos Digitais na Alfabetização: facilitadores da aprendizagem dos alunos incluídos e com dificuldade de aprendizagem"

 

Oficina "Construindo jogos de leitura através da neurociência"

 

A professora Patrusca, do Edi Hélia Lúcia Moreno, apresentou a oficina “Construindo jogos de leitura através da neurociência. Ela mostrou aos professores como utilizar os jogos para motivar a aprendizagem dos alunos. Os participantes saíram da oficina cheios de ideias para estimular a leitura e a criatividade dos alunos.

A oficina do período da tarde, ministrada pelos professores Gênesis e Rômulo, teve como título “Jogos Matemáticos: desenvolvimento do raciocínio lógico na alfabetização”. Este tema foi trabalhado através do jogo mancala e do material dourado. O primeiro é um jogo de estratégia, onde os jogadores devem capturar o maior número de sementes que conseguirem. Todo o material apresentado foi construído com material reciclável. Com o segundo, os docentes aprenderam a utilizar as placas, barras e cubinhos para compreender os algoritmos, desenvolver o raciocínio e ministrar um aprendizado mais agradável desta disciplina que assusta a tantas pessoas.

 

Oficina "Jogos Matemáticos: desenvolvimento do raciocínio lógico na alfabetização"

 

No terceiro e último dia de atividades, 09 de setembro, os professores participaram da palestra “Psicogênese da escrita dos jogos para a sala de aula”, ministrada pela professora Mariana, da E. M. Virgílio Francisco Monteiro. Depois construíram jogos de escrita na oficina oferecida pela professora Patrusca.

Realizaram várias atividades de diagnose da escrita dos alunos sob a orientação da Coordenadora Pedagógica do Ginásio Carioca Coelho Neto, Débora Beloni. Em seguida, a professora Cássia Cilene, da Gerência de Educação, ofereceu diversas atividades que podem ser desenvolvidas na sala de leitura para auxiliar no processo de alfabetização dos alunos, desde os anos iniciais. 

 

Palestra "Psicogênese da escrita dos jogos para sala de aula"

 

Para encerrar as atividades do dia, as professoras Solange Mota e Márcia Cazer, do Creja (Centro Municipal de Referência de Educação de Jovens e Adultos), ministraram uma oficina de produção textual para os docentes que atuam com os jovens e adultos. Foram momentos de muito trabalho e troca de experiências entre eles.

 

Oficina "Produção textual no Peja"

 

Aliar leitura e escrita, métodos e ambientes alfabetizadores a professores com formação e uma escuta sensível para a fala das crianças, jovens e adultos que estão nas escolas é receita fundamental para ajudar no processo de aprendizagem dos alunos. 

 

Quer saber um pouco mais sobre as atividades que aconteceram na IV Semana de Alfabetização da 6.ª Cre? Entre em contato com a Gerência de Educação!


Gerência de Educação – 6.ª Cre / (21) 2407-0017
E-mail: gedcre06@rioeduca.net

 

Não esqueça de deixar o seu comentário! Ele é muito importante para nós!

Até a próxima semana!

 


 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 06/09/2016

XXXIII Mostra de Dança da 6ª CRE

Tags: 6ªcre, mostradedança.

 

 

 

No dia 28 de julho a 6.ª Coordenadoria Regional de Educação do Rio de Janeiro realizou, na Arena Jovelina Pérola Negra, a XXXIII Mostra de Dança Regional. O evento foi organizado pela professora Denise Ribeiro e contou com a participação de alunos e professores de vinte nove unidades escolares.

 

Ciep Glauber Rocha

 

Os alunos da C. M. Sônia Maria de Moraes Angel Jones fizeram a abertura do evento no turno da manhã. Ao som de um popurri com as músicas do Passinho, Tempo de Alegria e Brasileirinho, as crianças apresentaram duas modalidades olímpicas: ginástica rítmica e natação. As meninas encantaram a todos com delicados movimentos utilizando bambolês e fitas e os meninos simularam os movimentos dos nadadores.

O Edi Frota Pessoa, ao som da música Pular Corda, do grupo Trem da Alegria, fez um resgate dessa brincadeira tão antiga e pouco utilizada pelas nossas crianças. O Edi Prof.ª Roseane Vasconcellos, pensando na diversidade brasileira e sua origem, mostrou em sua coreografia a nossa herança africana. O Edi Hélia Lúcia Moreno Ferreira exaltou a importância das brincadeiras e do brincar na infância.

 

Espaço de Desenvolvimento Infantil Frota Pessoa

 

A C. M. Luís Carlos Prestes foi a quinta escola a se apresentar e emocionou a todos ao representar os valores olímpicos: amizade, excelência e respeito. O Edi Prof.ª Regina Celi Rabelo de Almeida exibiu a coreografia Dança da Nações, onde mostrou um pouco da cultura brasileira. A E.M. Zilda Nunes, sétima escola a se apresentar, homenageou Euclides da Costa, um escritor brasileiro que participou da guerra de Canudos – Bahia.

 

Da Grécia ao Brasil, Oswald é mil, foi a coreografia apresentada pelo Ciep Oswald de Andrade. Já a da E. M. Grandjean de Montigny foi elaborada a partir do projeto Grandjean Olímpica. Os alunos do Ciep Poeta Fernando Pessoa dançaram ao som de Cidade Maravilhosa (Mc Sapão) e País /Tropical (Daniela Mercury). O Núcleo de Arte Grande Otelo celebrou, através de sua dança, os 130 anos do nascimento de Tarsila do Amaral.

 

Núcleo de Arte Grande Otelo

 

A E. M. Antônio Maceo voltou ao passado e fez uma linda homenagem ao berço do samba através das músicas “Pelo telefone”, de Donga e Mauro Almeida, e “Você chegou”, do grupo Barbatuques. A E. M. Alberto José Sampaio deu continuidade a este tema e exibiu “100 Samba não dá”, ao som de Esperanças Perdidas, música do grupo Sambô. O Ciep Glauber Rocha emocionou a plateia com a releitura do trágico romance de William Shakespeare: Romeu e Julieta.

 

O jazz apresentado pelo G. C. Coelho Neto foi deslumbrante, pois mostrou que devemos sempre correr atrás dos nossos sonhos para que eles se realizem. Em sua segunda apresentação, a E. M. Alberto José Sampaio mostrou que a dança tem o poder de unir as pessoas e expressar sentimentos. O Núcleo de Arte Grande Otelo encerrou as apresentações da manhã com o sapateado “Shakespeare: do amor às tragédias”.

 

Ciep Oswald de Andrade

 

As escolas do turno da manhã deram um show de criatividade, disciplina e alegria. Os alunos do turno da tarde não ficaram para trás e mostraram muita confiança e dedicação nas apresentações. A E. M. General Osório, abriu o espetáculo da tarde com a coreografia União da Cores, que transmitiu a harmonia entre as pessoas de todo o mundo. A E. M. Antenor Nascentes convidou a plateia a vislumbrar a atual luta do povo brasileiro através do olhar crítico e talentoso de Zé Ramalho através da música “Admirável Gado Novo”.

 

A E. M. Manoel de Abreu cativou alunos e professores ao exaltar o centenário de Manoel de Barros, poeta reconhecido nacionalmente e internacionalmente como um dos mais originais do século. A E. M. Octávio Taquínio agradou ao público ao apresentar o Brasil, país de diversidades, através das músicas “Aquarela” (Toquinho) e “Di Ladin” (Dream Team do Passinho). A E. M. Levy Miranda utilizou o movimento para mostrar a realidade urbana na dança de rua.

 

Escola Municipal Levy Miranda

 

O Clube Escolar Pavuna emocionou com o Ballet Clássico Sinfonia da Natureza. Os alunos da E.M. Érico Veríssimo interpretaram a paródia da música “Baile de Favela”, criada pela professora Meirecley e a turma 1302, que propôs conscientizar as pessoas sobre o combate ao mosquito da Aedes Aegypti. A E. M. Hilton Gama, ao som de Sweet Dreams (Beyonce Knowles), mostrou o conflito entre os sonhos e os pesadelos. 

 

A E. M. José Pedro Varela apresentou a coreografia “Alegria de ser brasileiro”, ao som de Ivete Sangalo e Jorge Bem Jor. Batuque Brasileiro foi a dança dos alunos da E. M. Thomas Jefferson. Ela sintetizou a efervescência do pulsar dos corações brasileiros, misturando ritmos que representam a enorme gama cultural do país. A E. M. Andréa Fontes Peixoto coreografou a música “Alma e Coração” (Thiaguinho e Projota), que traz em sua letra mensagens de vitória, perseverança e dedicação.

 

Clube Escolar Pavuna

 

O Clube Escolar Pavuna encerrou as apresentações da tarde da XXXIII Mostra de Dança Regional da 6.ª Cre com a coreografia Olimpíadas da Paz. Ao som de “Um Mundo bem Melhor” (versão de Walter Amanteá e Hudson Borges), os alunos pediram que as Olimpíadas de 2016 fosse um momento de reflexão e que o esporte dê um basta na violência e nos ensine a viver em paz.

 

O projeto Mostra de Dança das Escolas Públicas Municipais do Rio de Janeiro é uma ação da Extensividade em parceria com as Coordenadorias Regionais de Educação. Ele tem por objetivo principal oferecer um espaço para professores e alunos se expressarem através das composições corporais que foram produzidas durante o ano letivo. Com certeza ele alcançou a sua finalidade. Foi um dia inteiro de belas apresentações, lindas mensagens e muita alegria!

 

Espaço de Desenvolvimento Infantil Hélia Lúcia Moreno

 

A integração da dança nas atividades escolares possibilita uma melhora significativa no comportamento social dos alunos, além de desenvolver os aspectos cognitivos e motor, resultando na formação de um cidadão ético, formador de suas opiniões e ideias.

 

Parabéns a todos os professores e alunos que participaram da Mostra de Dança da 6.ª Cre, especialmente à professora Denise Ribeiro (Gerência de Educação), que organizou todo este maravilhoso espetáculo em parceira com as escolas. Buscar uma prática pedagógica mais coerente com a realidade e que leva o indivíduo a desenvolver sua capacidade criativa é uma tarefa de todos e vocês estão contribuindo, de forma significativa, para esta transformação social. É um orgulho ter vocês na 6ª Cre!

 

Quer saber um pouco mais sobre a Mostra de Dança da 6.ª Cre? Entre em contato com a nossa Coordenadoria de Educação ou visite nossa página do Facebook!

 

Gerência de Educação da 6.ª Cre
Contato: (21) 2457-0017 / (21) 24570023
E-mail: gedcre06@rioeduca.net
Facebook: https://www.facebook.com/sextacre.ged/

 

Não esqueça de deixar o seu comentário! Ele é muito importante para nós!

Até a próxima semana!

 

 

                               

 

 

 

 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 23/08/2016

6ªCRE no Dia I pela Inclusão

Tags: 6ªcre, dia i pela inclusão, educação especial.

 

 

 

No dia 27 de julho todas as escolas da 6.ª Coordenadoria Regional de Educação do Rio de Janeiro promoveram, em seus espaços, uma reflexão sobre o processo de inclusão dos alunos público-alvo da Educação Especial.

 

O Dia I – Dia da Conscientização da Inclusão do Aluno Público-Alvo da Educação Especial na Unidade Escolar foi uma iniciativa da Secretaria Municipal de Educação e teve por objetivo motivar reflexões, em todos os campos da comunidade escolar, sobre a como favorecer a aprendizagem em um ambiente que não exclui, que não estigmatiza e que não ignora novos desafios.

 

As discussões sobre o Dia I pela Inclusão aconteceram em todas as escolas municipais do Rio de Janeiro

 

A Creche Municipal Luíza Barros de Sá Freire, localizada em Costa Barros – Zona Norte / RJ, realizou as reflexões sobre a Inclusão simultaneamente com a VII Jornada de Educação Infantil, que aconteceu de 25 a 29 de julho. No Dia I pela Inclusão, todas as atividades da JPEI abordaram o tema em questão e culminou com a produção de um documento com as considerações dos professores, gestores, pais e funcionários acerca do tema inclusão.

 

Após as discussões, eles concluíram que o respeito ao tempo de cada um se faz necessário para que as ações inclusivas possam ocorrer de maneira que contribuam para a vida coletiva. Segundo a equipe da Creche Municipal, o pensamento que rege o trabalho de todos é “Ninguém é tão bom, quanto todos nós juntos”.

 

Professores e responsáveis da Creche Municipal Luíza Barros de Sá Freire vivenciam algumas situações enfrentadas pelos alunos que são público alvo da Educação Especial

 

“As limitações são o que caracterizam cada indivíduo enquanto ser humano e, principalmente, cidadão detentor não só de deveres, mas também de direitos. Chegamos à conclusão de que a base de uma sociedade igualitária e justa é o respeito. A individualidade deve ser especialmente considerada para a construção do “eu” no coletivo. Nós, enquanto cidadãos necessitamos olhar para o outro como gostaríamos que olhassem para nós, lutando e agindo em prol da participação de todos no dia a dia”, relatou a gestora da unidade escolar.

 

Professores  da Creche Municipal Luíza Barros de Sá Freire realizam reflexões sobre o processo de inclusão dos alunos da rede municipal de ensino

 

A Escola Municipal Rose Klabin, localizada em Guadalupe, atende alunos do 6.º ao 9.º e também promoveu este espaço de conversa sobre a inclusão com sua comunidade escolar. Este encontro aconteceu no auditório da escola e contou com a presença dos responsáveis, professores, equipe gestora, estagiários, funcionários, elementos do CEC (Conselho Escola Comunidade), da professora da Sala de Recursos e da representante do Instituto Helena Antipoff, professora Dayse.

 

A reunião teve início com a fala da Coordenadora Pedagógica e da professora de Sala de Recursos. Elas teceram várias considerações sobre a importância do processo de inclusão, como também do trabalho realizado pela Unidade Escolar com os alunos incluídos. Foi aberto um espaço de discussão para que os responsáveis fizessem suas considerações. Para alegria de todos, eles manifestaram a sua satisfação com o trabalho desenvolvido pela escola. 

 

Alunos e responsáveis da Escola Municipal Rose Klabin participam de várias atividades que nos remetem às situações enfrentadas pelos alunos da Educação Especial no dia a dia escolar

 

A professora Dayse, representante do IHA, falou sobre as políticas públicas da Secretaria Municipal de Educação para a promoção da inclusão na rede municipal de ensino e encerrou o encontro com a exibição do vídeo “Parcialmente Nublado”, de Peter Sohn. Um curta maravilhoso sobre amizade, diferenças e soluções de problemas.

 

"O Dia I pela Inclusão foi uma oportunidade ímpar de diálogo entre todos os profissionais da escola, uma vez que, para a construção de ações democráticas, não pode haver barreiras nem limitações, de qualquer ordem, que possam resultar no segregacionismo e na discriminação do indivíduo. Dessa forma, entendemos que, para haver unidade, é necessário que todos participem da construção do Projeto Político Pedagógico Inclusivo de sua escola" (trecho da Circular E/SUBE/CED n.º 55).

 

Professora Dayse, IHA - Instituto Helena antipoff,  reflete sobre o processo de inclusão na Escola Municipal Rose Klabin com os responsáveis, alunos e professores da instituição

 

Todos nós temos particularidades que devem ser compreendidas e respeitadas. A criança que aprende desde cedo o lidar com as diferenças dos amigos será, certamente, um adulto mais tolerante. Com a inclusão, portanto, estamos construindo não apenas uma escola melhor, mas um mundo mais justo.

 

Parabéns à Creche Municipal Luíza Barros de Sá Freire e à Escola Municipal Rose Klabin por discutirem este assunto de grande relevância para toda a sociedade com tamanha delicadeza e comprometimento. É um orgulho ter profissionais de tamanha competência na 6.ª Cre!

 

Quer saber um pouco mais sobre como foi o Dia I pela Inclusão nessas Unidades Escolares? Entre em contato com elas!

 

Creche Municipal Luíza Barros de Sá Freire
Telefone: 2407-6642

E-mails: cmlfreire@rioeduca.net

Escola Municipal Rose Klabin
Telefone: 3015-2675
E-mails: emrklabin@rioeduca.net

 

Não esqueça de deixar o seu comentário! Ele é muito importante para nós!

Até a próxima semana!


 

                               

 

 

 

 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 09/08/2016

VII Jornada de Educação Infantil na 6.ª Cre

Tags: 6ªcre, jornada de educaçãoinfantil, degusta, eideportasabertas.

 

 

 

A VII Jornada Pedagógica da Educação Infantil aconteceu no período de 25 a 29 de julho e teve como tema “A Base Nacional Comum Curricular da Educação Infantil”. Cada Coordenadoria de Educação ofereceu aos pais, alunos e professores vários momentos lúdicos de reflexão sobre esta importante fase da criança.

 

A VII JPEI aconteceu, exclusivamente, nas unidades escolares e teve momentos de formação de professores, atendimento aos alunos e participação efetiva da comunidade escolar nos módulos de estudo e no Degusta-ação, que faz parte da Semana EI de Portas Abertas.

 

A Jornada de Educação Infantil contou com a participação de todas as escolas, creches e edis da 6.ª Cre

 

Cada Unidade Escolar, Espaço de Desenvolvimento Infantil e Creche da 6.ª Coordenadoria Regional de Educação selecionou, entre os professores de sua instituição, um mediador. Este teve a função de conduzir as conversas, os períodos de estudo e as atividades com as crianças. Foram momentos valiosos de reflexão e demonstração de que se deseja construir uma educação pública de qualidade para a primeira infância.

No primeiro dia da VII JPEI, nas escolas da 6.ª Cre, todas as atividades desenvolvidas tiveram como foco o tema “Por que e para que uma Base Nacional Comum Curricular?”. Professores e comunidade escolar pensaram sobre quais objetivos de aprendizagem serão contemplados na elaboração do projeto pedagógico e currículo da instituição no ano de 2017. 

 

Cartaz confeccionado após as reflexões sobre a Base Nacional Comum Curricular

 

Formação de professores e agentes da educação infantil

 

Na dinâmica “Auxílio Mútuo”, professores e responsáveis foram colocados em pé, formando um círculo. Cada participante recebeu um alimento e teve que realizar os comandos que estavam sendo dados pelo mediador: segurar o alimento com a mão direita e com o braço estendido, não dobrar o cotovelo e mover somente o ombro e o pulso.

Sem sair do lugar eles tinham que comer o biscoito. O burburinho tomou conta do ambiente até que alguém percebeu que só iriam conseguir comer o que o outro tinha se oferecessem para a pessoa ao lado. As reflexões revelaram a importância do outro em nossas vidas e do trabalho em grupo para alcançarmos algum objetivo.

 

Dinâmica “Auxílio Mútuo”

 

No momento do estudo, pais e professores assistiram ao programa da série “Roda de Conversa”, que tratou sobre a Base Nacional Comum Curricular da Educação Infantil. Este e os outros módulos, que foram trabalhados durante os outros dias de Jornada, foram elaborados por profissionais da Educação Infantil da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro. Os participantes anotaram, ao longo da exibição, os pontos mais interessantes para serem discutidos com o grupo.

Após este momento, foi realizada a dinâmica “Dominó – Tempestade de Ideias”. O mediador solicitou que as pessoas escolhessem uma peça de dominó. O jogo foi iniciado por quem tinha o carroção com a palavra INFÂNCIA. A brincadeira seguiu com as peças sendo colocadas nos respectivos lugares e com as pessoas colocando suas opiniões sobre a palavra escrita, de acordo com o que tinha sido estudado na Roda de Conversa. Foi um momento de grande interação dos grupos e de diálogo sobre o tema estudado.

 

Dinâmica “Dominó – Tempestade de Ideias”

 

Na atividade “Educação Infantil de Portas Abertas”, a comunidade escolar foi convidada a vivenciar, junto com seus filhos, a rotina da unidade escolar. Foram realizadas várias atividades: Degusta, brincadeiras e o Desafio JPEI para as famílias. Estes momentos foram embalados pela música “O que é? O que é?”, de Gonzaguinha.

No Degusta-ação, os responsáveis puderam experimentar e avaliar a merenda que é feita para as crianças nas escolas da rede municipal de ensino. Este momento foi embalado pela música “O que é? O que é?”, de Gonzaguinha. O clima de descontração e fortalecimento de vínculos entre as famílias e a escola foram muito fortes.

 

Degusta-ação

 

Os responsáveis viraram crianças e participaram de um jogo de dominó. Nele, as peças estavam ilustradas com palavras que representavam os momentos da rotina de seus filhos na escola. Ao colocarem as peças nos lugares, foram estimulados a falar o entendem sobre aquele momento da rotina. Neste momento, os professores puderam esclarecer alguns pontos que, normalmente, causam polêmicas na rotina das crianças, desmistificar alguns conceitos, valorizar o trabalho da unidade e, principalmente, estabelecer um laço afetivo com os pais.

 

Interação das famílias com as atividades de rotina dos filhos

 

O Desafio JPEI para as famílias proporcionou um momento de interação entre o responsável e a criança no espaço educativo, que, muitas vezes, os responsáveis não tem a oportunidade de conhecer à fundo. Os professores definiram alguns lugares significativos para as crianças e convidou os pais a visitaram estes espaços, junto com seus filhos, e escolher um nome para eles. Os pequenos ficaram animadíssimos em batizar seus cantinhos preferidos: refeitório, parquinho, brinquedoteca e leitura.

Esta foi somente uma amostra do que aconteceu durante esta semana nas escolas, creches e edis da 6.ª Cre. Vários conhecimentos teóricos e práticos foram dialogados e vivenciados com entusiasmo, alegria e comprometimento junto aos profissionais e familiares desta coordenadoria.

 

#DigaXnaJPEI: C.M. Luíz Carlos Prestes nas redes sociais

 

Parabéns a todos os profissionais que se entregaram de corpo e alma para garantir à sua comunidade escolar um espaço de formação continuada pensado e planejado para atender as demandas existentes e, principalmente, por estabelecer parcerias com as famílias. A participação significativa dos pais na vida escolar dos seus filhos é um dos caminhos para uma educação de qualidade na primeira infância. É um orgulho tê-los na 6.ª Cre!!!

 

Quer saber o que aconteceu nos outros dias da JPEI na 6.ª Cre? Entre em contato com nossa Coordenadoria ou visite nossa página do Facebook!

Gerência de Educação da 6.ª Cre
Contato: (21) 2457-0017 / (21) 2457-0023
E-mail: gedcre06@rioeduca.net
Facebook: https://www.facebook.com/sextacre.ged/

 

Não esqueça de deixar o seu comentário! Ele é muito importante para nós!

Até a próxima semana!

 

 

 

                               

 

 

 

 


   
           



Yammer Share