A A A C
email

Quarta-feira, 04/07/2018

Escolha de coordenadores de três CREs

Foi publicada no Diário Oficial a resolução da SME que abre o processo de escolha dos(as) coordenadores(as) da segunda, da quinta e da sétima CREs. Neste momento, elas estão sendo conduzidas por responsáveis pelo expediente.

 

A escolha será feita de forma muito parecida com a anterior, com pequenos ajustes. Na reta final, os(as) diretores(as) das escolas situadas nessas CREs participarão de uma votação, que resultará em uma lista tríplice para a escolha do secretário.

 

As inscrições de candidatos ocorrerão em 2 e 3 de agosto. A apresentação dos planos gestão ocorrerá entre 7 e 9 de agosto. As plenárias dos(as) diretores(as) para ouvir os(as) candidatos(as) e realizar as votações ocorrerão em 17 de agosto.

 

A resolução publicada no Diário Oficial detalha todas as fases do processo.

 

Atenciosamente,

 

Cesar Benjamin

 

Secretário
  


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 03/07/2018

CSI Bandeirão: Trabalhando técnicas de ciência forense

Tags: 11ªcre, forense, ciências.

 

No dia 25 de junho os alunos estimularam bastante o senso investigativo, trabalhando com técnicas da ciência forense, através de uma cena fictícia no laboratório de ciências da E.M. Conjunto Praia da Bandeira, juntamente com a professora Carine e as estagiárias. Confira!

 

 

A atividade foi realizada pelos alunos do projeto Iniciação científica Jr. (7º, 8º e 9º ano) que acontece semanalmente, no contraturno, no laboratório de Ciências. O projeto visa o desenvolvimento do pensamento crítico e da autonomia através do conhecimento científico experimental, inicialmente intitulada “trabalhando técnicas de ciência forense” foi carinhosamente apelidada de “C.S.I Bandeirão”.

 

 

Para a atividade foi montada a cena de um crime fictício no laboratório de ciências. Quando os alunos entraram, ouviram a história do ocorrido:

 

 

A professora entrou no laboratório e encontrou o corpo estirado no chão, um copo quebrado ao lado do corpo e as quatro estagiárias próximas a ele (Larissa, Nathália, Carolina e Rafaela). Todas as quatro se declararam inocentes.

 

 

Os alunos, divididos em grupos, foram instruídos a indicar com plaquinhas as evidências na cena do crime, sem contaminá-la. Foi esclarecido à eles o papel de um perito criminal e os cuidados necessários na análise da cena do crime. Após esse primeiro momento, as evidências foram coletadas nos envelopes de evidências e encaminhados para as bancadas para a realização da análise. Em cada bancada foi realizado um experimento forense.

 

Bancada 1 – Amostras de sangue.

Os peritos encontraram no local do crime três manchas de fluidos avermelhados. Neste experimento o objetivo era verificar se as manchas eram de sangue.

Estagiária responsável: Carolina

 

 

Metodologia: As amostras na cena do crime foram coletadas com um cotonete e indicadas com o número da evidência. Duas das amostras foram feitas com NaOH (substância básica) e uma com vinagre (ácido) com corante vermeho. Foi dito aos alunos que o sangue é levemente básico e que usaríamos um indicador de pH (Fenolftaleína) que reage com substâncias básicas mudando de cor. As amostras de sangue (substâncias básicas) reagiram e a amostra que estava dentro do copo (ácida) não reagiu. Os alunos do grupo levantaram a hipótese de que o líquido ácido seria vinho e as amostras básicas de sangue. As duas amostras de sangue foram encaminhadas para o teste de DNA (Bancada 4).

 

Bancada 2- Análise dos fios de cabelo e pegadas.

Nesta bancada os alunos deveriam formar um possível perfil da assassina.

 

2.1 Fios de cabelo

Os fios de cabelo foram coletados com uma pinça e colocados no saco de evidência. Posteriormente os fios foram analisados na lupa para serem analisados os padrões de cor e forma. Nesta etapa os alunos eliminaram duas suspeitas pelo padrão do cabelo (Carol e Larissa).

 

2.2 Pegadas

As pegadas foram comparadas com os padrões de pegadas das estagiárias. Nesta etapa os alunos concluíram que a pegada correspondia ao sapato da Rafaela.

Responsável: Nathália

 

 

Bancada 3 – Impressão digital.

Nesta bancada os alunos deveriam coletar as impressões digitais na arma do crime (copo) e comparar com o banco de dados da polícia (digitais das suspeitas)

Metodologia: Com um pincel de maquiagem os alunos depositaram pó de carvão delicadamente sobre a evidência, a fim de revelar as impressões digitais. Após reveladas as digitais, foram removidas com uma fita durex e colocadas sobre um papel branco para a comparação com o banco de dados.

Pela comparação os alunos chegaram a conclusão de que as digitais pertenciam à Carolina.

Responsável: Larissa

 

Bancada 4 – Análise do material genético.

Objetivo: comparar as amostras de DNA do cabelo e do sangue na cena do crime e compará-las com o DNA das suspeitas.

Metodologia: Foi encaminhado para a análise as amostras de sangue da bancada 1 e os fios de cabelo da bancada 2. Para esta análise foi feita uma simulação de extração de DNA utilizando morangos e padrões de bases nitrogenadas sequenciadas que foram supostamente extraídas das quatro suspeitas, do corpo da vítima, das duas amostras de sangue e do bulbo do fio de cabelo. Para analisar, os alunos compararam as bases nitrogenadas e chegaram a conclusão que uma das amostras de sangue era da vítima, a outra amostra de sangue batia com o teste de DNA da Carolina e o bulbo do cabelo pertencia à Rafaela.

Para extrair DNA do morango foi utilizado álcool, detergente, sal e água. A mistura foi colocada em um tubo de ensaio e os alunos observaram o DNA no sobrenadante.

Responsável: Rafaela

 

Conclusão:

No fim das análises, todos os alunos se reuniram a fim de formular a hipótese da perícia. Anotamos no quadro os resultados das análises e as hipóteses levantadas por cada grupo:

Evidência 1 (gotículas vermelhas)– Sangue da Carolina

Evidência 2 (Mancha vermelha no chão) – Sangue da vítima

Evidência 3 (Copo quebrado) – Digitais da Carolina

Evidência 4 (Líquido vermelho no copo) – Alunos supuseram ser vinho

Evidência 5 (Fios de cabelo) – Pertenciam à Rafaela

Evidência 6 (pegada) – Pertencia à Rafaela

 

Juntos, os alunos levantaram a hipótese de que a Carolina seria a assassina por conta de suas digitais na arma do crime e as gotas de sangue encontradas no chão e a Rafaela, dona dos fios de cabelo e das pegadas, fora sua cúmplice. A história contada por eles dizia que a vítima estava bebendo vinho quando entrou em uma briga com a Rafaela arrancando alguns fios do seu cabelo. Neste momento, Carolina pegou o copo da mão da vítima e o quebrou cortando seu dedo  e matando a vítima com o copo cortado.

 

Depois da hipótese levantada foi aberto o envelope com a descrição do ocorrido:

 

“A vítima estava no laboratório quando viu Carolina trocando mensagens no celular. A vítima arrancou o celular da mão de carolina para ver com quem ela trocava mensagens, gerando uma discussão acalorada entre as duas. Rafaela quando vê a cena entra na briga e acaba sendo agredida pela vítima tendo seus cabelos arrancados. No calor do momento, Carolina pega um copo que havia caído no chão e corta o pescoço da vítima . O ato resultou em sua morte porém, no processo, Carolina cortou seu dedo derramando sangue na cena do crime.”

 

Quer saber mais sobre?

E.M. Conjunto Praia da Bandeira

Telefone:  2465-1736 / 2465-0158

 

Contato para divulgação:


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 03/07/2018

A Matemática e a Copa do Mundo

Tags: 1ªcre, projetos, eventos, copadomundo.

 

Copa do Mundo na  Rússia foi  motivação da atividade de matemática no Geo de Santa Teresa.

 

A Copa do Mundo é uma competição internacional organizada pela Federação Internacional de Futebol (FIFA) a cada quatro anos. Consiste em um dos maiores eventos esportivos do planeta e bilhões de pessoas assistem aos jogos. Ela passou a ser realizada a partir de 1930, com a primeira competição sediada pelo Uruguai.

 


A Copa do Mundo foi utilizada como tema para a realização de uma atividade na Turma 1703 do Ginásio Olímpico de Santa Teresa, na disciplina de Matemática.


Um dos conteúdos pedagógicos do 2º Bimestre, no 7º Ano, na disciplina Matemática, de acordo com as Orientações Curriculares de nossa Rede, é o “Tratamento de informações”. Com a aplicação desse conteúdo espera-se que o aluno possa organizar e representar dados em gráficos ou tabelas. A Professora Lucineia Alves resolveu propor aos seus alunos da Turma 1703 que elaborassem, cada um, uma pergunta sobre qualquer assunto relacionado à Copa do Mundo 2018, elaborassem 4 ou 5 opções de respostas e realizassem uma pesquisa de opinião com, no mínimo 20 alunos da própria turma.

 

Alunos realizando a pesquisa na turma.

 

Após a realização da pesquisa, os alunos utilizando papel A4, régua, lápis de cor e canetinhas, seguiram as orientações dadas pela professora e elaboraram seus respectivos gráficos.

 

“Os alunos ficaram muito entusiasmados. Eles incorporaram o papel de “pesquisadores” e os objetivos propostos para as atividades foram superados. Foram observados momentos de integração, compartilhamento e, sobretudo, de aprendizagem sobre respeito à opinião do próximo.” – Afirma a Professora.

 

Alunos elaborando seus respectivos gráficos.

 

As perguntas elaboradas pelos alunos foram as mais variadas possíveis, contemplando os mais diversos assuntos e visões destes sobre o tema Copa do Mundo. Algumas perguntas:

 

“Quem vai ganhar a Copa do Mundo?”
“Qual é o seu jogador favorito na Copa do Mundo?” 
“Qual cor do uniforme você gostaria que o Brasil usasse?” 
“Qual é o corte de cabelo mais bonito da Copa?” 
“Qual jogador está com ótimo desempenho?” 
“Quem é o melhor jogador da seleção brasileira?” 

Os trabalhos foram expostos aos demais alunos da escola em um lindo mural, montado por alguns alunos da turma e pela professora.

 

Montagem do mural pelos alunos e pela professora

 

Após a montagem do mural, todos os alunos foram participar das fotos coletivas ao lado deste. A alegria de todos, por verem seus trabalhos expostos no mural, era contagiante, mesmo os que, por questão de espaço no mural, não tiveram seus trabalhos expostos, pois esses entenderam que contribuíram como participantes das pesquisas e, assim, mostraram-se também alegres com o mural da turma.

 

Nas fotos acima e abaixo, alunos da  1703 junto ao mural finalizado.

 

O interesse dos alunos pela atual Copa do Mundo foi usado estrategicamente como fator motivador para a aprendizagem do conteúdo curricular na disciplina de Matemática. A atividade de elaboração de gráficos realizada por eles foi bastante animada e pôde-se perceber o quanto eles adoraram utilizar o evento mundial para elaborarem seus próprios trabalhos.

 

Para Saber Mais:

E.M. Juan Antônio Samaranch

Diretora: Ana Christina Quintella

Diretora-Adjunta: Vera Regina Pacheco

Coordenadora Pedagógica: Mariane Fernandes de Catanzano

Professora Responsável: Lucineia Alves

Telefone: 3972-0916

E-mail: geo@rioeduca.net

 


 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 02/07/2018

Fica a Dica: É época de Copa! Atividades com o Hino Nacional Brasileiro

Tags: copa do mundo, dicas, hino nacional brasileiro.

 

Fica a Dica:

É época de Copa! Atividades com o Hino Nacional Brasileiro

 

 

Estamos ainda em época de Copa do Mundo. Acho que nossos alunos já devem ter se perguntado sobre todos aqueles hinos cantados no início de cada jogo. São 32 seleções disputando até chegar à final.

Nesse período, podemos aproveitar e fazer várias atividades com o Hino Nacional. Que tal aproveitarmos pra trabalhar o nosso?

Podemos explorar com eles todas aquelas palavras um pouco desconhecidas do nosso vocabulário cotidiano. Fazê-los compreender e ter orgulho de ser brasileiro, despertar o civismo e a cidadania

Hoje, então, trago aqui no “Fica a Dica” sugestão de atividade com o Hino Nacional. Antes de começar o trabalho musical propriamente dito, podemos começar por trabalhar o significado dessas palavras.

Aquilo em que detemos mais conhecimento, sempre desperta a vontade de fazer o melhor. Nossos alunos precisam saber sobre esses significados e se sentir reconhecidos e estimulados ao cantar o hino corretamente.

Sugiro, então, a atividade da professora Elaine Cristine Gonzaga, aula retirada do portal do MEC e consultada em 28/06/2018 (https://bit.ly/2lCEG4S).

Nesta aula, a professora sugere o trabalho de exploração dos significados da letra do Hino Nacional, a reflexão acerca do sentido da letra, o reconhecimento dos contextos sociais nos quais o mesmo é utilizado e, finalmente, o cantar do hino.

É uma sugestão de aula que mescla atividades de música com atividades de língua portuguesa, ampliação do vocabulário e produção de trabalhos para serem expostos na sala e compartilhado com os colegas.

 

Roteiro da aula sugerido pela professora Elaine Cristine:

 

Atividade 1- Ouvindo o Hino Nacional Brasileiro

• Inicie a aula conversando com os alunos sobre o Hino Nacional Brasileiro. Pergunte: Vocês conhecem o hino nacional? Vocês sabem cantar o hino nacional? Vocês entendem o hino? Em quais situações é tocado o hino? Peça aos alunos que façam uma pesquisa sobre a origem do hino para a próxima aula;

• Apresente aos alunos o Hino Nacional, distribua a letra para os mesmos e toque-o novamente, para que eles acompanhem a letra.

 

Atividade 2 – Mural com as pesquisas sobre o hino

• Organize a sala em círculo para discussão sobre as pesquisas trazidas pelos alunos. É importante que os alunos falem o resultado da pesquisa. O que eles aprenderam? Por que a linguagem é formal? Quando foi escrito o hino?

• Monte um mural e afixe as pesquisas. Sugira aos alunos que façam a leitura das pesquisas dos colegas.

 

Atividade 3- Dicionário: Procurando o significado das palavras desconhecidas

• Organize a sala em duplas. Antes de iniciar o trabalho com o dicionário, explique o significado das palavras “Ipiranga” (Rio onde às margens D. Pedro I proclamou a Independência do Brasil) e Cruzeiro (Constelação do Cruzeiro do Sul), depois realize as seguintes etapas:

• Peça aos alunos que circulem as palavras que eles não conhecem e que estão presentes no Hino Nacional;

• Finalizada esta etapa, vá ao quadro/lousa e escreva as palavras circuladas pelos alunos. Peça a eles que escrevam as palavras no caderno e depois as organize em ordem alfabética, pois facilitará o encontro das palavras no dicionário;

• Avalie com seus alunos o significado do uso do dicionário. Vocês já utilizaram o dicionário? Quando o utilizamos? Como está organizado o dicionário? No final da conversa, a turma deve concluir que o dicionário possui o significado das palavras e que as mesmas estão dispostas em ordem alfabética;

• Entregue um dicionário para cada dupla e oriente-os a procurarem as palavras circuladas. Explique que as palavras encontradas no dicionário são chamadas de sinônimos (de acordo com o dicionário Aurélio a definição de sinônimo é: Diz-se de, ou palavra que tem a mesma ou quase a mesma significação de outra).

 

Atividade 4 – Vocabulário

• Registre os sinônimos no quadro/lousa e faça a leitura dos trechos do Hino junto aos alunos com os vários significados encontrados. Escolham o melhor sinônimo para o contexto;

• Encontrados os significados das palavras, explique a eles o significado e a importância do vocabulário. Nele encontramos um conjunto de palavras desconhecidas sobre determinado texto;

• Novamente no quadro/lousa, monte o vocabulário com a turma, inicie a escrita das primeiras palavras para maior compreensão dos alunos.

 

Atividade 5 – Ilustrando o Hino Nacional

• Estimule a compreensão das estrofes do Hino. Para isso, promova uma exploração oral de cada trecho: Vocês entenderam a estrofe? Ficou mais fácil compreender depois de trabalharmos o sentido de algumas palavras?

• Distribua trechos da letra do Hino Nacional para que os alunos ilustrem o que entenderam. Dica: Faça as cópias em folha A3 e deixe um espaço abaixo para ilustração;

• Finalizado o trabalho, fixe as ilustrações no mural da sala para que os alunos apreciem;

• Peça aos alunos que cantem o Hino Nacional, acompanhando a letra que foi entregue anteriormente.


Trabalhadas essas etapas, podemos focar no canto do Hino, nas nuances de interpretação, nos significados trabalhados anteriormente. Podemos salientar a importância do canto coletivo, a afinação, o trabalho em conjunto, tal qual uma seleção realiza na Copa, onde o coletivo é mais importante do que o individualismo. Nessa atividade, podemos trabalhar diversos valores.

 

Para ilustrar o que hoje falamos, deixo esse vídeo para refletirmos o quanto é importante para a criança ter conhecimento daquilo que ela está querendo representar. E a sensação de pertencimento vem combinada nesses momentos!

 

Acesse vivo.com.br/cantejunto

 

Fica a dica!!! 

Gostou da dica da semana? Escreva pra gente, sugira! Estamos esperando a sua sugestão!! smiley

 

 

 


   
           



Yammer Share