A A A C
email

Segunda-feira, 09/07/2018

I Seminário de Adolescências, Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos

Tags: pse, adolescência.

“Vocês querem entender a gravidez na adolescência? Então é preciso olhar para além da nossa barriga, ouvir também nossa cabeça e nosso coração.”
(Depoimento de uma adolescente da Oficina sobre Gravidez na Adolescência: Voz de Adolescentes e Especialistas)

 

O PSE convida para o I Seminário de Adolescências, Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos 

Dia: 12 de julho de 2018.
Horário: das 8h às 13h
Local: Espaços Asas Rio (Ambientes de Saberes e Aprendizagens em Saúde)
Público alvo: Profissionais da Assistência Social e
Direitos Humanos, Educação, Saúde, representantes do Conselho Escola Comunidade e demais parceiros.

 

PROGRAMAÇÃO


8h - Credenciamento e café da manhã


9h - Abertura 
Cesar de Queiroz Benjamin – Secretário Municipal de Educação
João Mendes de Jesus – Secretário Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos
Marco Antonio de Mattos – Secretário Municipal de Saúde


9h30min - “MÃES MUITO JOVENS E DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS”
Moderadora: Soraya Oliveira (Instituto Pereira Passos)


9h50min – Conferência “DIREITOS SEXUAIS E REPRODUTIVOS” - Dra. Miriam Ventura da Silva


11h - “AQUELA CONVERSA” Moderadora: Viviane Manso Castelo Branco (Asas Rio)
Convidados: Katia Regina de Oliveira Rios Pereira dos Santos – Núcleo Interdisciplinar de Apoio às Escolas (NIAP/SME)
Flavia Souza Barcelos – Gerência de Área Técnica de Saúde da Criança e do Adolescente (SMS)
RAP da Saúde – Rede de Adolescentes e Jovens Promotores da Saúde (SMS)


12h30min – Discussão nos espaços dos Ambientes de Saberes e Aprendizagens em Saúde (Asas Rio)


13h - Encerramento

A participação, nos diferentes espaços, estará condicionada à inscrição prévia, através do link abaixo:

 

Espaços ASAS

AP 1.0 (Asas Centro) - 120 vagas - Auditório Bárbara Starfield da CAP 1.0, Rua Evaristo da Veiga, nº 16, 4º andar – Cinelândia, Rio de Janeiro, RJ
AP 2.1 (Asas Copacabana) - 40 vagas - Auditório do CMS João Barros Barreto - Rua Tenreiro Aranha, s/nº, 4° andar, Copacabana, Rio de Janeiro, RJ
AP 2.1 (Asas Rocinha) - 43 vagas - Auditório da Clínica da Família Rinaldo de Lamare - Avenida Niemeyer, nº 776, sala 1506/1507, 15º andar, São Conrado, Rio de Janeiro – RJ
AP 2.2 (Asas Tijuca) - 35 vagas - Auditório da CAP 2.2 - Rua Conde de Bonfim nº 764, Fundos, Tijuca, Rio de Janeiro – RJ
AP 3.1 (Asas Penha) - 60 vagas - Auditório da Clínica da Família Felippe Cardoso - Avenida Nossa Senhora da Penha, nº 42, 3° andar, Penha, Rio de Janeiro, RJ
AP 3.2 (Asas Lins) - 48 vagas - Auditório da CAP 3.2 - Rua Aquidabã, nº 1037, 2° andar, Lins, Rio de Janeiro, RJ
AP 3.3 (Asas Madureira) - 50 vagas - Auditório da CAP 3.3 - Rua Manuel Martins, nº 53, térreo, Madureira, Rio de Janeiro, RJ
AP 4.0 (Asas Barra) - 40 vagas - Auditório da CAP 4.0 - Avenida Ayrton Senna, nº 2001, térreo, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, RJ
AP 5.1 (Asas Bangu) - 40 vagas - Auditório da Policlínica Manoel Guilherme da Silveira Filho - Avenida Ribeiro Dantas, nº 571, 2º andar, Bangu, Rio de Janeiro – RJ
AP 5.2 (Asas Campo Grande) - 40 vagas - Auditório da Clínica da Família Antônio Gonçalves Villa Filho - Estrada do Campinho, nº 2899, Campo Grande, Rio de Janeiro, RJ
AP 5.3 (Asas Santa Cruz) - 60 vagas - Auditório da Policlínica Lincoln de Frutas Filho - Rua Álvaro Alberto, nº 601, 2º andar, Santa Cruz, Rio de Janeiro - RJ
 
Transmissão simultânea :
Auditório Barbara Starfield – CAP 1.0 para ESPAÇOS ASAS descentralizados
Público-alvo: Assistência Social e Direitos Humanos, Educação, Saúde, representantes dos Conselhos Escola Comunidade e demais parceiros.
 

 

Inscrição
 


 Inscrições até o dia 06/07/2018.


Vagas limitadas!

Telefones para contato:

Assistência Social - 2976-1517

Educação - 2976-2315

Saúde - 2293-4956


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 05/07/2018

Fica a Dica: ZOOando no Parque da Alegria

Tags: blogrioeducadores, educopédia, mídias, especialistas, educação infantil, creches, edis, professores de educação infantil.

 

ZOOando no Parque da Alegria

 

 

Hoje temos mais um dia de #DICAS para educadores de Educação Infantil! 


O relato de hoje foi realizado no Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Parque da Alegria, localizado no Caju e que atende em tempo integral e parcial, crianças do Berçário, Maternal I e Maternal II.

Para quem ainda não conhece, o Caju é um bairro da Zona Portuária da cidade do Rio de Janeiro e tem um significado especial na história brasileira. Ele foi cenário constante dos banhos medicinais de Dom João VI e se tornou um glamoroso e nobre balneário frequentado pela elite portuguesa. Nos dias de hoje, quem passa pelo bairro não imagina que as águas das praias do Caju eram tão límpidas e que uma delas era conhecida como Praia Formosa. Atualmente,  as adversidades presentes no bairro transformaram-se em idéias para modificar o ambiente e encantar os pequenos e  grandes das famílias do EDI Parque da Alegria. 


No primeiro semestre, as educadoras e crianças dedicaram-se a temática "Eu e o Mundo Animal", no qual foi abordado o Reino Animal. As crianças conviveram com diversas manifestações artísticas, experiências diversificadas e vivenciaram formas de expressão e linguagens, como pinturas, modelagens, colagens, teatro e música. Tudo devidamente registrado em fotos e portfólios das turmas.


Para cada história de um bichinho, as educadoras ouviam indagações sobre o que eles faziam, comiam e onde viviam. Os pequenos traduziam em palavras, movimentos e expressões o interesse provocado pelo tema. Os responsáveis, por sua vez, materializavam a satisfação, revelando-se inspirados e participativos. As educadoras orgulhosas dos resultados se empenhavam ainda mais no planejamento e nos detalhes.

 

Bicho pra Cá, Bicho pra Lá, O EDI Parque da Alegria está em todo lugar!

 

 

O sucesso do projeto superou as expectativas. A meninada brincou com as fantasias, explorou novos conhecimentos e participou ativamente das propostas apresentadas. No prosseguimento desta jornada encantadora, os alunos perceberam as diferenças e riquezas das espécies que compõem o Reino Animal e suas peculiaridades. Os educadores investiram tempo e cuidado no estímulo à pesquisa dos miudinhos e os encorajaram a apreciar um pouco do ciclo de vida de alguns animais.

As crianças caminharam pela unidade à procura de seres vivos. Encontraram insetos e  bichinhos diferentes. Seguiram o caminho feito pelas formiguinhas e imaginaram mil e uma histórias para a vida de cada uma delas.


O EDI instigou ainda mais, pois juntos construíram terrários e aquários dentro das salas. Experiência para morar na memória de cada criança por toda a vida! Todas as manhãs ao entrar nas salas, queriam observar, perguntar e olhar com aqueles olhinhos de quem reconhece as coisas mais doces dessa vida. Como é bom ser criança e descobrir as mais singelas belezas que os adultos esquecem de admirar!


A comunidade apoiou o projeto e o Zoo do Parque até mesmo subdividiu os espaços da Unidade em três ambientes: "Animais que voam, animais que habitam na água e animais que vivem na terra". Cada espaço recriou para a comunidade escolar o habitat dos animais. As crianças curtiram e os pais se emocionaram com tanta dedicação, afinal, a cada dia, seus filhos contavam uma aventura diferente que haviam descoberto sobre o reino animal.

 


 

A professora de Educação Infantil Rosangela Chagas relatou: “Simplesmente perfeito! Imagine seu aluno narrando o fantástico mundo marinho para os adultos e falando das intervenções que o homem faz na natureza. Simplesmente maravilhoso!"


O diretor adjunto,  professor Bento, também deixou registrada a honra de participar de um projeto tão significativo: “Quem é que já viu, tocou, imitou ou até mesmo cuidou de um jabuti? As crianças vivenciaram e experimentaram todas essas alegrias! Foram dias de grandes aprendizados!”

 

Fica a #DICA para projeto sobre o Reino Animal para crianças pequenas:


 > Utilizar materiais recicláveis, revelando a importância do meio ambiente e conservação da natureza;
> Contação de Histórias envolvendo fantoches e teatro;
> Fantasias de animais;
> Construção de terrários;
> Observação dos animais do ambiente da instituição.

 

Curtiu as #DICAS do Projeto do EDI PARQUE DA ALEGRIA? 

 

Envie também sua #DICA sobre suas atividades e projetos! 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 04/07/2018

PRÊMIO ANÍSIO TEIXEIRA – 2018

Tags: prêmio, anísio teixeira, 2018.

 

 

PRÊMIO ANÍSIO TEIXEIRA – 2018

 

CAPÍTULO I

 

DO PRÊMIO ANÍSIO TEIXEIRA
 

Art.1º O Prêmio Anísio Teixeira, organizado pela Escola Paulo Freire por intermédio do Centro de Referência da Educação Pública da Cidade do Rio de Janeiro – Anísio Teixeira, da Secretaria Municipal de Educação, tem como objetivo homenagear o grande educador brasileiro, que teve atuação expressiva à frente da educação pública em nossa cidade.
 

Art.2º O Prêmio Anísio Teixeira tem como finalidade promover a reflexão e o debate sobre a Educação Básica, entre os Servidores da Educação Municipal da Cidade do Rio de Janeiro, estimulando a produção escrita e procurando ressignificar a ação teórico-prática do profissional nesse nível de educação.
 

Art.3º O Prêmio será concedido anualmente, através da realização de um concurso de monografias sobre temas ligados à Educação Pública do Município do Rio de Janeiro.
 

Parágrafo Único. Compete à Escola Paulo Freire e à Gerência do Centro de Referência da Educação Pública da Cidade do Rio de Janeiro – Anísio Teixeira a definição, a cada ano, do tema do concurso.
 

CAPÍTULO II
 

DOS CANDIDATOS, DOS TRABALHOS E INSCRIÇÃO DOS CANDIDATOS
 

Art.4º Poderão participar do concurso monográfico todos os Servidores Municipais da Educação lotados nas Unidades Escolares, Creches e EDIs e nas Coordenadorias Regionais de Educação, sem que haja prejuízo de suas funções.

 Não poderão concorrer ao Prêmio os Servidores Municipais da Educação lotados na Escola Paulo Freire ou no Nível Central da Secretaria Municipal de Educação (SME).

 

Art.5º O tema a ser desenvolvido no ano de 2018 será “O problema da reprovação escolar”. Dentro do tema, serão aceitas monografias:
 

a) de caráter acadêmico;

b) de caráter literário.

 

Parágrafo Único. Cada concorrente deverá apresentar somente um trabalho monográfico.

 

DOS TRABALHOS
 

Art.6º Para serem aceitos, os trabalhos inscritos apresentados, deverão cumprir os seguintes requisitos:
 

I – possuírem caráter acadêmico ou literário;

 

II – forem redigidos em língua portuguesa;

 

III – forem de autoria de Servidores da Educação Municipal;

 

IV - não tiverem sido publicados anteriormente;

 

V - abordarem estudos ou experiências dentro da Rede Pública Municipal de Educação da Cidade do Rio de Janeiro, de acordo com o tema proposto;

 

VI – forem compostos de, no máximo, 85.500 caracteres (cerca de 35 páginas), não sendo consideradas nesse total, se for o caso, referências bibliográficas e imagens de qualquer tipo;

 

VII – apresentarem texto redigido em fonte “Times Roman”, corpo12 e espaçamento 1,5 entrelinhas, com margens 3.0 superior e inferior; 2.0 à direita e à esquerda;

 

VIII – forem encaminhados em duas vias, sendo uma cópia impressa e uma em CD com arquivo em formato PDF;

 

IX - contiverem, em todas as cópias, o pseudônimo;

 

X – contiverem nas referências bibliográficas, se for o caso, somente, os trabalhos explicitamente citados no texto e de acordo com as normas da ABNT, de edição mais recente.

 

 Parágrafo Único. O texto do trabalho monográfico enviado, assim como os eventuais anexos, não deverão apresentar formas de identificação tais como fotografias, cartazes, menção ao nome da escola, que possam identificar o autor do trabalho. O texto fora dessas especificações será eliminado pelo não cumprimento das normas estabelecidas neste regulamento.
 

DAS INSCRIÇÕES
 

Art.7º O cronograma de trabalho deste Concurso está explicitado no Anexo I.
 

Art.8º Os documentos deverão ser encaminhados em dois envelopes, um grande (310 x 410) e um pequeno (176x250).
 

§ 1º As fichas de inscrição, a declaração e a autorização de publicação da obra, a serem preenchidas, encontram-se nos anexos II, III, e IV deste Regulamento. Estes documentos deverão ser colocados no envelope pequeno, lacrado e identificado conforme o anexo VI.
 

§ 2º Dentro do envelope grande, devem ser postadas uma cópia impressa do trabalho monográfico e o CD, em formato PDF, que não devem ter quaisquer indicações da autoria do trabalho, exceto o pseudônimo do autor, identificado conforme o anexo V. Dentro deste envelope grande, deverá ser postado, também, o envelope pequeno citado no parágrafo anterior, contendo apenas os anexos II, III e IV deste Regulamento.
 

Art. 9º O trabalho monográfico deverá ser encaminhado pelos Correios, via SEDEX, com aviso de recebimento, à Escola Paulo Freire/Gerência do Centro de Referência da Educação Pública da Cidade do Rio de Janeiro – Anísio Teixeira, situado na Av. Presidente Vargas, nº 1314 - Centro - CEP: 20210-031, com data de postagem máxima de 24 de agosto de 2018.
 

§ 1º O campo remetente do SEDEX deverá ser preenchido com o pseudônimo do concorrente, a fim de resguardar o anonimato. O endereço preenchido deverá ser o residencial para que seja evitado o extravio do trabalho.
 

§ 2º Caberá à Gerência do Centro de Referência da Educação Pública da Cidade do Rio de Janeiro – Anísio Teixeira verificar o prazo de postagem nos Correios e a garantia do anonimato, além da análise das adequações técnicas às regras do concurso. O não cumprimento deste parágrafo acarretará no cancelamento da inscrição.
 

CAPÍTULO III
 

DA AVALIAÇÃO DOS TRABALHOS
 

Art.10º A Comissão de Avaliação será formada por, no mínimo, três profissionais indicados pela Escola Paulo Freire.
 

Parágrafo único. O número total de examinadores da Comissão de Avaliação será proporcional à quantidade de trabalhos inscritos no certame.
 

Art.11º Caberá à Comissão de Avaliação analisar a pertinência do conteúdo do texto e o cumprimento das normas estabelecidas no Art. 6º e no parágrafo único.
 

Art.12º A Comissão de Avaliação será constituída por profissionais de áreas afins ao tema proposto.
 

Art.13º Cada trabalho será submetido a, pelo menos, 03 (três) profissionais da Comissão de Avaliação.
 

Art.14º Caberá à Comissão de Avaliação apresentar o resultado da análise dos trabalhos monográficos e a indicação dos mesmos a serem contemplados, à Gerência do Centro de Referência da Educação Pública da Cidade do Rio de Janeiro – Anísio Teixeira.
 

CAPÍTULO IV
 

DA PREMIAÇÃO
 

Art.15º Os autores dos cinco melhores trabalhos monográficos, escolhidos pela Comissão de Avaliação receberão, individualmente, um prêmio no valor de R$ 5.000,00 (cinco mil reais).
 

Art.16º Caberá à Escola Paulo Freire a homologação do resultado e a publicação dos trabalhos premiados.
 

Art.17º A revisão do texto dos trabalhos monográficos selecionados para publicação caberá aos seus autores.
 

Art.18º Os autores dos trabalhos monográficos premiados na forma do art.16º deverão ceder os direitos autorais da obra à Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.
 

Art.19º O Prêmio Anísio Teixeira será entregue em cerimônia pública.
 

Art.20º Os participantes que não tiverem sido premiados poderão retirar os documentos entregues no ato de inscrição, no prazo de até 30 dias, a contar da publicação do resultado final do concurso. Findo o prazo, os documentos serão descartados.
 

CAPÍTULO V
 

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS
 

Art.21º A participação no Prêmio Anísio Teixeira implica no conhecimento das disposições deste Regulamento e em sua aceitação.
 

Art.22º Os casos omissos ou imprevistos serão resolvidos pela Comissão Organizadora do Prêmio Anísio Teixeira – 2018.

 

 

Clique no link abaixo com a publicação do Diário Oficial (incluindo os anexos)

http://doweb.rio.rj.gov.br/do/navegadorhtml/mostrar.htm?id=488903&edi_id=3750 

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 04/07/2018

Novas parcerias: ciências

Estamos terminando de formatar parcerias muito promissoras da SME com o Museu do Amanhã e o Jardim Botânico. Não tenho espaço para detalhá-las aqui. Faço, abaixo, uma pequena síntese.

 

Prevemos levar 800 alunos por semana ao Museu do Amanhã, entre agosto e dezembro, para receberem aulas de ciências. No mesmo período, o Museu oferecerá aos nossos professores de ciências cursos compactos, de cinco dias de duração, em torno de cinco temas: universo, Terra, biosfera, humanidade e cultura.

 

Um tema será tratado por dia. Nossos professores serão dispensados durante uma semana, em grupos, para realizarem uma imersão na aventura do conhecimento. Planejamos propiciar esse curso para todos os professores de ciências ao longo do segundo semestre.

 

O convênio com o Jardim Botânico será semelhante: 320 alunos por semana, também entre agosto e dezembro, farão visitas guiadas pelo arboreto, com assistência dos pesquisadores do Jardim. Os professores terão cursos de extensão em botânica, genética e biologias em geral, com ênfase em práticas de experimentação que possam ser levadas às escolas.

 

Cerca de 18 mil alunos e pelo menos 2 mil professores da rede participarão dessas experiências ao longo do segundo semestre.

 

Como contrapartida, nossos grupos de música, incluindo a Orquestra Sinfônica, tocarão regularmente no Museu e no Jardim.

 

São instituições públicas de excelência se unindo pela educação, a cultura e a beleza.

 

Atenciosamente,

 

Cesar Benjamin

 

Secretário


   
           



Yammer Share