A A A C
email

Quarta-feira, 16/08/2017

Curso de Formação Continuada em Educação Física no Instituto Municipal Helena Antipoff

Tags: iha, formação continuada.


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 16/08/2017

Educação e Segurança

 

A Secretaria de Segurança do Rio de Janeiro acaba de publicar no Diário Oficial uma instrução normativa que redefine os protocolos e procedimentos operacionais das forças policiais, civis e militares, do estado. O texto é longo, não sei reproduzi-lo aqui. A partir de amanhã ele será distribuído em todas as escolas da rede.

É um avanço importante. Além de enfatizar princípios gerais, como a preservação da vida e o respeito aos direitos humanos e às liberdades fundamentais, exigindo que cada comandante observe “a legalidade, a oportunidade e a conveniência” das operações, a instrução especifica que elas não serão realizadas nos horários de entrada e saída de escolas e creches, os aparatos policiais não serão estacionados nas entradas ou no interior desses estabelecimentos e assim por diante. Exige “a proteção de toda e qualquer pessoa que não represente ameaça de morte ou de lesão corporal grave a terceiros ou aos policiais”, “cautela em caso de proximidade de edificação ou logradouro onde haja aglomeração de pessoas”, coleta prévia de informações, existência de objetivos claros, presença de ambulância etc.

A instrução é explícita: “A proteção da integridade física de terceiros e dos próprios policiais se sobrepõe à prisão de um infrator da lei.” Exige, ainda, “atitudes não discriminatórias em relação às pessoas”, “utilização de instrumentos de menor potencial ofensivo” e “formas seguras de incursão e progressão em áreas sensíveis”. Cita, mais de uma vez, a necessidade de evitar impactos sobre a rede escolar.

As polícias Civil e Militar receberam o prazo de quinze dias para revisar suas regras, protocolos e procedimentos. O objetivo explícito é evitar a política de confronto, que tantas vítimas inocentes já causou.

Como todos sabem, a SME vem desenvolvendo uma grande campanha contra a violência e pela disseminação de uma cultura de paz. Ela continua. Realizaremos amanhã catorze Encontros de Escolas pela Paz, espalhados pela cidade.

Nos últimos meses insistimos na necessidade dessa revisão de procedimentos e recebemos muitas críticas por isso. Mais recentemente, fomos chamados a colaborar – e colaboramos – com o grupo de trabalho que formulou as novas regras.

Obtivemos um avanço. A nova instrução, certamente, não elimina os problemas, mas cria novas normas oficiais para a maneira como a polícia deve planejar e realizar suas operações. A partir de agora, todos – inclusive o Ministério Público – podemos cobrar o respeito a essas normas.

Agradeço especialmente ao dr. Antonio Roberto Cesário de Sá, secretário de Segurança, e ao coronel Wolney Dias, comandante geral da Polícia Militar, pelos diálogos francos e construtivos que mantivemos em defesa da população e da comunidade escolar. Sou testemunha do engajamento dos dois nessa causa.

Hoje, as áreas de educação e de segurança dialogam quase todos os dias, buscando se antecipar a problemas ou resolvê-los em tempo real, minimizando riscos. Estamos atuando assim, mesmo em situações de tensão, como as que se repetem atualmente em nossa cidade.

Por fim, deixo registrada a solidariedade da SME a todos os policiais mortos nos últimos meses no cumprimento de suas missões.


Cesar Benjamin
Secretário


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 15/08/2017

Projeto Identidade: Descobrindo quem Sou? Por que Sou? Com quem Sou?

Tags: 2ªcre, alfabetizacao, literatura.

Os alunos do terceiro ano da Escola Municipal Albert Schweitzer conheceram suas histórias através do projeto Identidade. Os educandos tiveram contato com a literatura e fizeram pesquisas.

 


A professora Viviane Lima, regente do terceiro ano da Escola Municipal Albert Schweitzer, enviou ao portal Rioeduca um relato contando sobre os objetivos e como o projeto Identidade foi realizado com os educandos.

O objetivo principal foi trabalhar a história dos alunos a partir do nome e da família, estabelecendo uma relação interdisciplinar com as estruturas curriculares e os descritores elencados para o 1º bimestre do ano de 2017 do 3º ano do Ensino Fundamental.

Na primeira atividade, cada aluno escreveu seu nome em uma folha de ofício. Logo após, a professora fez um bingo das letras do nome dos alunos. Esta atividade serviu para perceber a consciência fonológica e escrita do alfabeto, advinda do conhecimento de cada educando. Em seguida, a professora pediu para os alunos escreverem uma palavra iniciada por cada letra do nome, formando assim um acróstico. Depois, os alunos escolheram três das palavras escritas por eles para que produzissem frases.

Em um segundo instante, aconteceu a leitura do livro “A Família de Marcelo” de Ruth Rocha, pois o livro conta a história do menino e fala um pouco sobre sua família e amigos. A professora aproveitou para conversar sobre como era a família de cada um, onde eles expuseram os nomes de seus familiares e seus hábitos. Para casa, as crianças completaram a árvore genealógica, tendo como objetivo o estudo do substantivo, conforme foto abaixo.

 


 

Na mesma semana, a turma estudou a reta numérica marcando a idade de cada integrante da família, fazendo em seguida os exercícios, trabalhando o sistema de numeração, adição e subtração, par e impar e escrita por extenso.


 

Para trabalhar o relógio (definição de hora e minuto, ponteiros pequeno e grande, diferença de relógio digital e analógico), a professora contou a história “Julinha Relógio”, que fala de uma menina que adorava relógio e até mesmo suas brincadeiras eram direcionadas às horas. Terminada a história, cada criança construiu um relógio analógico, utilizando material reciclável. Para que eles conhecessem a diferença das horas antes e depois do meio dia, foi realizada uma prova prática, onde cada criança utilizava seu relógio para responder a distinção de hora e minuto, quando questionados: Qual a hora do início das aulas? Qual a hora do término da aula? Que horas você almoça? Que horas você acorda? Qual a hora do recreio? Qual a hora do lanche? Que horas você dorme? (As perguntas foram feitas individualmente)

 


 

Os alunos fizeram também, o autorretrato com o objetivo de trabalhar as características físicas de cada um e para que percebessem que temos diferenças. A professora aproveitou esta atividade para trabalhar o versos e estrofes e a diferenciação da estrutura de um texto simples e um poema (as atividades foram apoiadas na poesia “Diversidade” de Tatiana Belinky). Terminado o trabalho, as fotografias foram expostas no mural com o poema bem ao centro.

 


 

A partir do trabalho do autorretrato, a professora conversou com a turma sobre diversidade e respeito, onde debateu-se sobre o tema. As crianças relataram alguns casos vividos por elas ou por pessoas que conheciam.

Como culminância, os alunos levaram fotos de pessoas de diversas características físicas para exposição na sala.


 

Os educandos fizeram também a maquete do bairro onde moram ou de algum lugar que gostavam, percebendo e entendendo as transformações sociais, espaciais, culturais e históricas existentes no local escolhido. Em seguida, cada aluno identificou e contextualizou oralmente para os colegas o espaço social que tinha feito. Foi um momento muito prazeroso, pois as crianças sentiram a importância de mostrar sua casa ou seu lugar preferido, sentindo-se valorizados, pois quando terminavam de falar sobre a maquete eram aplaudidos.

 

 

Com o objetivo de trabalhar o tema da produção textual “Ai que Medo!”, indicado pela SME para o 1º bimestre de 2017, aconteceu um debate na sala, onde os alunos relatavam seus medos de forma lúdica. Muitos diziam que tinham medo de monstros, de barata, da polícia, do irmão mais velho e etc.

A professora Viviane aproveitou então, o projeto “Vai e Vem” oferecido pela escola, onde pôde distribuir os livros “Voa João”, “As Pintas do Júnior” e “Hugo, o Monstro”, uma coletânea oferecida pela Multirio para a biblioteca da escola.

Os alunos puderam levar os livros para casa e recontar a história na sala de aula para os colegas, utilizando fantoches e o cenário que compõem a coleção.

Conforme as fotos abaixo, os alunos escolhiam os personagens e contavam as histórias encenando com os fantoches. Foi uma proposta didática muito bem aceita pelos educandos, onde foi notório que estes ficavam com os olhos fitados na apresentação dos colegas e ansiosos para que chegasse a vez.

A professora Viviane diz ter certeza que as crianças além de conhecerem novas histórias, poderão desenvolver suas produções textuais de forma estrutural, coerente, coesa e fazendo de modo bem articulado o uso da nossa língua materna.

 


 

Podemos dizer que identidade é o conjunto de padrões diferenciados de comportamentos, pensamentos, atitudes e emoções. É a característica que nos torna únicos e diferentes de todos os outros.

Com este trabalho, as crianças conseguiram traçar seu histórico e descobrir muitos significados que ainda não conheciam. Foi possível trabalhar a identidade de cada criança associando o tema ao programa lançado pela SME para o 1º bimestre de 2017.

Pude observar que quando a criança via a si ou aos seus, nas atividades, estas se mostravam mais interessadas e dispostas para desenvolvê-las. Consegui com êxito alcançar os objetivos propostos para este trabalho fazendo a junção de “saber sobre si” (conhecimento de cada aluno) e “saber direcionado” (conteúdo disciplinar proposto).

Enfim, cada criança no seu vasto mundo de saber, quando direcionada e apresentada ao saber de forma diferenciada, torna-se ser pensante na busca da aprendizagem.” Professora Viviane Lima, regente da turma 1.302.

 

Agradecemos a professora Viviane Lima por compartilhar conosco estas ricas experiências pedagógicas e desejamos sucesso.

 

O contato da professora Viviane Lima é: vivianelima@rioeduca.net

 

 

Divulgue também o trabalho de sua escola no portal Rioeduca.

Entre em contato com o representante de sua CRE.

 

 

Renata Carvalho - Professora da Rede e representante do portal Rioeduca na 2ª CRE

renata.carvalho@rioeduca.net


 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 15/08/2017

Protagonismo na Escola: Dia da Matemática

Tags: 11ªcre, matemática, feira, protagonismo.

 

Escola em movimento! Essa frase define bem o Dia da Matemática realizado na E. M. Conjunto Praia da Bandeira, localizada na Ilha do Governador. De oficinas de pipas, Origamis e Sudoku à desafios matemáticos envolvendo balões, o protagonismo dos alunos prevaleceu. CONFIRA!

 

O Dia da Matemática já virou tradição na E. M. Conjunto Praia da Bandeira, sendo realizado anualmente. O projeto foi idealizado pela professora Ana Cristina Vieira e desde então tem se desenvolvido em conjunto com os demais professores de matemática em parceria com os professores das outras disciplinas.

 

 

Protagonismo em foco: Alunos responsáveis por todo o processo criativo

 

O objetivo do projeto é estimular a participação consciente e ativa dos alunos nas atividades, interagindo com os demais, explicando a atividade e realizando desafios envolvendo cálculos e lógica. Fixando conteúdos e colocando-os em prática!

 

Atividades matemáticas divididas em tema: Oficinas de pipas, origamis, Sudoku,Tangran, jogos, etc

 

O projeto teve a exposição dos trabalhos, aberta a todos os alunos, na quadra da unidade escolar. Entre os desafios matemáticos e oficinas estava o Sudoku, que com esse nome estranho causou estranhamento no início, mas nada mais é que um quebra-cabeça criado a partir da ordenação dos números, onde seu objetivo é colocar um número (de 1 a 9) em cada quadradinho vazio do jogo, de maneira que não se repita nenhum algarismo nas colunas ou linhas.

 

Alunos interagindo: Desafios matemáticos e jogos

 

Os alunos se organizaram pela quadra, onde em cada barraca improvisada havia um tema: Tangran, Oficina de Pipa, Origami, blocos lógicos, quebra cabeça, batalha naval, balões com desafios de cálculos dentro, etc. Os alunos circulavam pela exposição e participavam de tudo. E a cada acerto nos desafios impostos, os próprios alunos faziam questão de premiar com balas ou brinquedos, arrecadados por eles mesmos.

 

Professores parceiros do projeto. Destaque para o aluno que após confeccionar sua própria pipa colocou no ar.

 

 

Os professores responsáveis pelo desenvolvimento do Dia da Matemática 2017, na ordem, foram: Mario Keniichi (matemática), Alexandre (Ed. física), Ana Cristina (Matemática) e Mario Fermer (Matemática).

 

 

Quer saber mais sobre?

Unidade Escolar: E. M. Conjunto Praia da Bandeira

Telefone: 2465-1736

 

Contato para publicações:


   
           



Yammer Share