A A A C
email

Terça-feira, 05/12/2017

África: História e Cultura

Tags: 11ªcre, consciência, negra.

 

A Escola Municipal Cândido Portinari, que atende alunos da Educação Infantil ao 6º ano, realizou diversos trabalhos de conscientização sobre a cultura Africana e seu legado no Brasil. CONFIRA!

 

A Lei Federal 10.639/03 determina que os conteúdos sobre história e cultura africana e afro-brasileira devem ser abordados em todos os níveis de ensino das redes privada e pública de todo o País. Pensando nisso a E. M. Cândido Portinari trabalhou com seus alunos o legado da cultura africana, sobre o que representa o Dia da consciência Negra e porque esse dia deve ser trabalhado.

 

 

Professor Rodrigo Franco conversando com os alunos sobre o percursos histórico dos negros no Brasil

 

Foi convidado, então, o professor, historiador Rodrigo Franco para "bater um papo" com os alunos sobre racismo, percurso histórico, sobre como os negros chegaram ao Brasil, trabalho escravo, resistência negra, o caso de Zumbi dos Palmares, lideranças negras mundiais e muito mais.

 

Desfile após a oficina de turbantes

 

A palestra foi para os alunos da Educação Infantil ao 6º ano experimental. Logo após, a agente de educação especial, Bárbara Espírito Santo, desenvolveu com alunos negros da Educação Infantil uma oficina de turbantes e o desfile.

 

Conscientização da cultura afro. Destaque para a agente de educação especial Bárbara.

 

A coordenadora Jacqueline da Costa relata que o objetivo maior foi aumentar a auto estima dos alunos negros da escola. 

 

Alunos: Desfile de cores e significados

 

 

Quer saber mais sobre?

Unidade Escolar: E.M. Cândido Portinari

Telefone: (021) 2462-8456 / 2462-8401

 

 

Contato para publicações:


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 05/12/2017

Maratona de Histórias na Escola França

Tags: 5ªcre, maratona de histórias, sala de leitura, escola frança.

 

 

O projeto Maratona de Histórias envolveu toda a rede no ano de 2017 e a Escola Muncipal França se  dedicou a desenvolver o projeto de acordo com as principais diretrizes da SME.

 

"É preciso que a leitura seja um ato de amor."
Paulo Freire

 

O evento, realizado no mês de outubro, foi da maior importância e alçou alguns alunos na arte de declamar poemas e contar histórias. Os professores da Sala de Leitura se dividiram por assuntos e se completaram na ampliação do conhecimento discente.

 

1º Dia: recebemos a visita da contadora de histórias Tia Dulce, que ensinou aos nossos pequenos da E. I. ao 3º ano a usarem as mãos para contar histórias.

 

 

Hora da leitura Livre:

 

2º Dia: Tivemos muitas atividades. Começamos com o professor Marcelo contando histórias da mitologia grega para o 4º e 5º anos.

 

 

 

Também tivemos a participação da turma 1101 da professora Elizabeth, interpretando "A casinha torta" de Maria Mazetti.

Quem mora?
~~~~~~~~~~~~~
Quem mora na casa torta?
Sem janelinha e sem porta

Um gato
que usa sapato
e tem retrato no quarto.
No quarto?

Uma florzinha
pequenininha
de sainha
Curtinha?

Um elefante com rabinho de barbante?
Um papel de óculos e chapéu?
Um botão que toca violão?
Um pente com dor de dente?

Quem mora na casa? Quem?
Invente depressa alguém.

 

 

A Clássica história do Patinho Feio de Hans Christian Andersen, lembrando o dia da inclusão. A professora Luciana e Ana Lúcia com os alunos surdos ensinaram algumas palavras da história em Libras.

Em suas histórias Andersen buscava sempre passar padrões de comportamento que deveriam ser adotados pela sociedade, mostrando inclusive os confrontos entre poderosos e desprotegidos, fortes e fracos. Ele buscava demonstrar que todos os homens deveriam ter direitos iguais... - Veja mais em https://educacao.uol.com.br/biografias/hans-christian-andersen.htm?cmpid=copiaecola

 

 

A professora Bernadete convidou os alunos para viverem os personagens de Romeu e Julieta, de Ruth Rocha.

Entre 1957 e 1972 foi orientadora educacional do Colégio Rio Branco. Nessa época começou a escrever sobre educação para a revista Cláudia. Sua visão moderna sobre o tema, bem como o estilo claro e próprio, chamaram a atenção de uma amiga, Sonia Robato, que dirigia a Recreio, revista voltada para o público infantil. Certo dia, Sonia fez um convite-desafio para Ruth: em tom de brincadeira, trancou a amiga numa sala, dizendo que só saísse de lá com uma história pronta. Assim nasceu Romeu e Julieta, a primeira de uma série de narrativas originais e divertidas, todas publicadas na Recreio, que mais tarde Ruth veio a dirigir.

Fonte: http://www.ruthrocha.com.br/biografia

 

 

Encerrando o 2º dia com a apresentação das alunas Ana Beatriz e Tayná da 1503, orientadas pela professora Katia, fizeram um convite a "Bruxa, Bruxa venha a minha festa" de Arden Druce.

 

 

Sobre a Escola:

Sala de Leitura Viriato Correa (professores Kátia, Marcelo e Bernadete).

Unidade Escolar: E/CRE(05.15.038) - Escola Municipal França

Diretor: MARILIA LEAL

Endereço: Rua Padre Manoel da Nóbrega 725

Bairro: Quintino Bocaiúva

Telefone: 3073-1614 | 3273-1587

E-mail: emfranca@rioeduca.net

 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 05/12/2017

Carta do Secretário - pesquisa de opinião

Tags: carta, secretário, pesquisa, opinião.

 

Carta aos professores


1. Chegou ao fim a primeira rodada de reuniões do fórum que debateu o estabelecimento pleno do direito ao 1/3 de planejamento para os professores da nossa rede. Dessa vez não houve consenso. O resultado, mesmo assim, foi positivo, pois conseguimos amadurecer bastante a questão. Participei de algumas sessões. Ouvi todas as partes. Li as atas e os documentos anexados a elas.

Não podemos adiar certas decisões que condicionam a maneira como organizaremos o funcionamento da rede em 2018. Eis o objeto desta carta.


2. A reivindicação de usar 1/3 da jornada de trabalho dos professores para atividades de planejamento e afins é justa, por critérios meramente pedagógicos. Além disso, existe uma lei que a ampara, confirmada por uma sentença judicial emitida em 2014. A sentença fixou janeiro de 2016 como prazo-limite para a SME realizar o ajuste, mas isso não foi cumprido em sua totalidade.

O que era uma situação desconfortável – o descumprimento de uma lei – tornou-se uma ameaça, pois a execução da sentença no meio do ano letivo desorganizaria as nossas atividades.

A tabela I, em anexo, mostra a situação atual dos nossos professores no que diz respeito a essa questão.


3. Tudo isso – a melhora pedagógica, o cumprimento da lei e a sentença judicial – reforça a ideia de que devemos iniciar 2018 com uma clara perspectiva de solucionar o problema.

Quatro aspectos precisam ser compatibilizados: o respeito à legalidade, a viabilidade orçamentária, o impacto pedagógico das nossas decisões e a busca de uma solução isonômica para todos os professores da rede. Na medida em que essa solução for obtida, a metade do tempo de planejamento poderá ser cumprida fora das unidades escolares, gradativamente, conforme regras a serem detalhadas em resolução específica.

 

4. A adoção plena do tempo de planejamento previsto em lei implica, por definição, que parte do nosso atual plantel de professores passará a oferecer um total de horas-aula menor do que o praticado até aqui. Isso nos remete à necessidade de realizar novas contratações, um tema extremamente sensível, diante da atual crise fiscal e orçamentária. Para avaliar o impacto, analisamos três cenários, com horas-aula de 45, 50 e 60 minutos. Varia, em cada caso, o número de professores adicionais necessários para garantir a oferta da matriz curricular.

Chegamos aos seguintes resultados: precisaremos contratar 6.929 PEFs anos finais se a hora-aula diminuir para 45 minutos, 4.103 se ela for mantida em 50 minutos e 1.616 se ela for expandida para 60 minutos.

Lidamos aqui, tão somente, com a demanda adicional provocada pela adoção plena do 1/3 de planejamento. A ela se somam outras demandas igualmente legítimas, como os provimentos necessários para suprir as faltas já existentes de PEF (anos iniciais e finais), as carências decorrentes de vacâncias de professores registradas a partir de agosto de 2017 e toda a demanda específica de provimento de professores de educação infantil (PEIs), seja para suprir carências a vacâncias, seja para garantir aos PEIs o mesmo direito ao 1/3 de planejamento. Também o projeto de alfabetização plena no tempo certo, que prevê turmas de até vinte alunos no primeiro ano do ensino fundamental em 2019, exigirá novas contratações.

Estamos, como se vê, diante de um problema difícil. Números tão vultosos de contratações são incompatíveis com a realidade orçamentária, fiscal e legal da nossa Prefeitura.


5. A LDB determina uma carga horária mínima anual (800 horas), um número mínimo de dias de trabalho escolar (200 dias) e jornadas diárias de pelo menos quatro horas de trabalho efetivo em salas de aula. Ela não especifica se cada aula deve ter 45, 50 ou 60 minutos, de modo que o critério da legalidade não diferencia nenhuma das três opções. Precisamos observar as demais condições.


6. A adoção da hora-aula de 45 minutos parece-me duplamente inadequada, seja por critérios pedagógicos, pois encurta demais o tempo de contato direto professor-aluno (todos sabemos que uma aula não começa no primeiro minuto), seja orçamentárias e legais, pois exige quase 7.000 novas contratações.

Não vejo impedimentos pedagógicos à matriz atual, de 50 minutos. Sua principal vulnerabilidade é também nos condenar ao imobilismo na questão do 1/3 que nos ocupa agora, pois não parece realista que possamos contratar mais de 4.000 professores em prazo visível. Se esta for a decisão adotada, as atuais diferenças nos tempos de planejamento dos professores tenderão a se perpetuar. Além disso, a rede permanecerá exposta ao risco de execução da sentença judicial durante o ano letivo, sem que tenha condições de se adaptar às exigências nela contidas.

 

7. A adoção da hora-aula de 60 minutos é a mais favorável do ponto de vista orçamentário, pois reduz substancialmente a necessidade de realizar novas contratações. Com ela, poderíamos avançar ao longo do primeiro semestre de 2018 para a adoção plena e isonômica do tempo de 1/3 de planejamento, garantindo menor jornada de trabalho para todos dentro das unidades escolares, como mostra a tabela II.

Contra essa solução há uma argumentação legítima, a de uma menor diversidade curricular em muitas escolas. Pois, neste caso, em escolas de horário parcial, onde estão 66% dos nossos alunos, teríamos 20 tempos semanais de 60 minutos, em vez dos atuais 25 tempos de 50 minutos, diminuindo em 50 minutos por semana o tempo total de aula.

Em escolas de horário integral, que concentram 34% dos alunos, ocorreria o contrário: a jornada diária de efetivo trabalho escolar seria ampliada em 10 minutos diários, com adição de 50 minutos semanais. A tabela III, que mostra as matrizes possíveis, apresenta essa distribuição.


8. A opção por horas-aula de 50 ou de 60 minutos não envolve questões de princípio. Ambas têm vantagens e desvantagens. Concluída a primeira fase de debates no fórum, creio que devemos consultar diretamente os nossos professores sobre o melhor caminho a tomar. Mas, como escrevi acima, temos pressa, pois essa decisão influencia a maneira como planejaremos o funcionamento da rede em 2018. Tal planejamento precisa ser feito agora.

Peço que entre os dias 1 e 5 de dezembro, ao longo do próximo COC, esse tema seja debatido em cada escola e submetido a votação, seguindo procedimentos que divulgaremos logo. Com base nessa votação, a SME tomará uma decisão democrática.


9. Faço, ainda, dois registros importantes:

(a) A harmonização plena do tempo de planejamento entre todos os grupos da educação fundamental não ocorrerá, em nenhuma hipótese, no início do ano letivo de 2018, pois até lá não teremos tempo para realizar as contratações necessárias. A eventual adoção da hora-aula de 60 minutos apenas abre uma perspectiva realista para resolver o problema ao longo do primeiro semestre.

(b) Seja qual for a decisão tomada pelos nossos professores, reabriremos um novo ciclo de debates sobre este tema em agosto de 2018, para dar um balanço da opção feita, a tempo de implantar eventuais aperfeiçoamentos e correções para o ano letivo de 2019.


11. Como todos sabem, a SME sofre a crise fiscal que atinge com muita força o governo estadual e todas as prefeituras do Rio de Janeiro. Estamos trabalhando com recursos insuficientes, muito menores do que os que estiveram disponíveis em anos anteriores. Mas não usamos essa situação nem para cortar direitos nem para justificar qualquer tipo de lamentação e paralisia. Em todos os fóruns, nossos debates buscam caminhos de avanço. Mesmo que não possamos implantá-los imediatamente, trabalharemos juntos ao longo tempo, sabendo onde queremos chegar.

Sou moderadamente otimista. Uma SME pacificada, imune a interferências espúrias e com clareza de seus objetivos conseguirá avançar, passo a passo, para corrigir as injustiças que ainda existem entre nós.

Para participar da consulta, use o link abaixo. Sua participação fortalecerá a nossa rede.

 


http://webapp.sme.rio.rj.gov.br/inscricao/


Atenciosamente,
Cesar Benjamin
Secretário

 

ACESSE AQUI O TEXTO NA ÍNTEGRA e SEUS ANEXOS

 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 05/12/2017

Basta

É nítida a escalada de confrontação promovida pelo Sepe. As provocações se sucedem. Posicionou-se abertamente contra a consulta aos professores, em curso, sobre a melhor forma de organizarmos o ano de 2018, pois reivindica para si o monopólio da representação dentro da SME.

 

Divulgou uma nota e um vídeo mentirosos e ofensivos à minha honra. Seus militantes postaram em redes sociais que a totalização dos votos poderá ser fraudada, como se o secretário de Educação pudesse montar algum esquema para deformar o resultado de uma consulta que ele mesmo achou por bem convocar, agindo livremente.

 

No térreo do prédio da Prefeitura, em protesto contra a consulta aos professores, o Sepe exibiu hoje cartazes contra o “secretário golpista”. Outro cartaz, difundido em redes sociais, me trata como “maldito Cesar Benjamin”.

 

No momento em que escrevo, um grupo acaba de tentar forçar a entrada em meu gabinete, sabe-se lá por quê. Eu estava em reunião com a Subsecretaria de Ensino, tratando de questões pedagógicas relevantes para a nossa rede. O grupo trouxe fotógrafo, pronto para registrar a confusão que esperava encenar.

 

É o jogo de sempre: desrespeito e, em seguida, vitimização. Sempre as mesmas pessoas.

 

* * *

 

O Sepe sempre pediu transparência, mas declara guerra à gestão mais transparente da história da SME. Nenhuma política, nenhuma decisão, nenhuma intenção da Secretaria é secreta ou inacessível. Nenhum número está escondido. Tudo está aberto.

 

Quem não é transparente é o Sepe, que mantém em segredo sua composição – uma salada de grupos que se consideram revolucionários – e esconde suas lealdades político-partidárias.

 

O Sepe sempre reivindicou diálogo. Hoje, despacha regularmente com o secretário, tem acesso diário ao Gabinete e participa de seis fóruns simultâneos de negociação. Mas quer-porque-quer uma greve.

 

Desde janeiro, quando assumi a chefia da SME, perdi a conta das vezes em que ouvi ameaças de greve, publicamente, vindas de militantes do Sepe. Ameaças genéricas, feitas sem motivo ou objeto específico.

 

Para o Sepe, a greve não é uma forma de luta a ser usada em determinados contextos, para abrir negociações. Ela é um objetivo permanente, a ser acionado por qualquer pretexto.

 

* * *

 

A SME não esconde as dificuldades, que são de todas as instâncias do Estado brasileiro. Mas está construindo processos negociais amplos e eficazes, em que todos podem ganhar.

 

O Sepe, mais uma vez, propõe um jogo em que todos só podem perder.

 

De impasse em impasse, de greve em greve, de denúncia em denúncia – a maior parte delas, simplesmente inventadas – atrapalha-se o ano letivo, difunde-se mal-estar, destroem-se os esforços pedagógicos, desmoraliza-se, diante da população, a rede pública de educação.

 

Nossas crianças e suas famílias são as primeiras prejudicadas por esse sindicalismo selvagem, negativista, inútil e desnecessário. Depois delas, como todos sabem, são prejudicados professores e funcionários.

 

É uma injustiça que os donos de escolas privadas ainda não tenham construído um monumento em homenagem ao Sepe, seu maior aliado.

 

* * *

 

Uma Secretaria de Educação pacificada, defendida de interesses espúrios e com projeto claro contraria muitos interesses, aparentemente contraditórios entre si. Perdem clientelas os políticos tradicionais, mas também perdem espaço de proselitismo os grupos extremistas que se alimentam da insatisfação permanente. São eles que controlam o Sepe, uma organização sem transparência e incapaz de dialogar.

 

* * *

 

Meu papel, como secretário, é defender a rede pública de educação. Ela é, de longe, o mais importante ativo social do povo do Rio de Janeiro.

 

Recebemos, acolhemos e protegemos 650 mil crianças e jovens em 1.537 unidades escolares. Além da grade curricular, temos importantes programas de esporte e cultura, que justamente agora estão se fortalecendo. Servimos mais de 1 milhão de refeições todos os dias – e é nas escolas, como todos sabem, que centenas de milhares crianças realizam sua única refeição completa.

 

Nada disso interessa ao Sepe. Ele quer desorganizar a nossa rede, a qualquer custo, porque quer preparar uma revolução imaginária. Eu quero educação pública de qualidade porque quero aprofundar a democracia.

 

Os profissionais da SME são livres para decidir de que lado estão.

 

Atenciosamente,
Cesar Benjamin
Secretário 


   
           



Yammer Share