A A A C
email
Retornando 68 resultados para o mês de 'Janeiro de 2014'

Quinta-feira, 16/01/2014

Mostra Folclórica na E. M. Edmundo Lins

Tags: 4ªcre, projetos.

Trabalhar com o Folclore está em total conformidade com a proposta dos PCNs, uma vez que incluí-lo nas atividades de leitura é resgatar a cultura de povos que habitaram a nossa terra. Essa ação valoriza a Língua e leva o aluno a respeitar a diferença, a diversidade étnico-cultural e o outro, em sua alteridade.  

 

“(...) a grande lição da escola deve ser que ela possui funções comunicativas, é forma de dizer, é meio para que a palavra de cada um tenha lugar no debate social letrado. Dessa aprendizagem social deriva, em última análise, a constituição da autoria: enquanto o aluno não reconhecer funções para a escrita em sua vida, a escrita não será sua.”  

Referenciais, 2009.

 

O recurso do trabalho folclórico deixa o Professor com um cenário muito amplo de opcões, pois falar sobre mitos e lendas é na verdade falar sobre todos os assuntos: religiosos, histó-ricos, geográficos, da natureza e do homem. Sua principal função é explicar aquilo que a razão não conseguiria esclarecer. O folclore está inserido num contexto sócio-histórico e faz parte da construção de identidade de um povo.  

 

Levando em consideração que o tema vai muito além das lendas e cantigas de rodas, a Escola Municipal Edmundo Lins abordou o assunto através de  elementos que fazem parte do cotidiano dos alunos e da comunidade escolar como um todo.

 

Folcloreando na Edmundo Lins

 

 

"Nossa escola preparou A I Mostra Folclórica EMEL com muita criatividade e entusiasmo, pois foi um tema bem trabalhado em sala com os alunos e no qual eles participaram ativamente. Tentamos resgatar as culturas dos povos, mostrando que o folclore faz parte do patrimônio cultural da humanidade. As tradições, crenças populares, as lendas, as cantigas de roda, provérbios, superstições, as brincadeiras de criança, parlendas, etc. fazem parte da cultura e da memória do povo, mostrando-nos o que é o FOLCLORE. Folcloreando com a EMEL, nossos alunos puderam resgatar tudo isso e muito mais.

 

 

Tivemos brinquedos cantados feitos por eles, como “A BONECA DE LATA”, da turma 1.101, “CARANGUEJO NÃO É PEIXE”, da turma 1.102, a apresentação teatral da turma 1.103 com “A LENDA DO BRILHO DA LUA”, o brinquedo cantado “AS CAVEIRAS”, da turma 1.104, a veia artística da turma 1.201 em pintar a tela “LENDAS FOLCLÓRICAS”, a criatividade de 1.202 em escrever o livro “FESTA FOLCLÓRICA” e a turma 1.301 com sua “EMÍLIA, A BONECA GENTE”. Resgatando o folclore de Monteiro Lobato, a turma 1.302 apresentou a dança do SACI e lendo a história do NEGRINHO DO PASTOREIO, o jogral da 1.401 explicou tudo sobre os PERSONAGENS FOLCLÓRICOS, além da alegria da 1.402, mostrando-nos as BRINCADEIRAS DE CRIANÇA. O folclore faz parte do patrimônio cultural da humanidade, pois cada povo tem um próprio jeito de compreender os fatos que estão ao redor. Os textos folclóricos são lidos e falados por populares de todas as raças e religiões e criam mitos, lendas, danças, músicas, hábitos e tradições."

 

Texto enviado pela Professora Juliana Lotufo, Coordenadora Pedagógica.

 

O trabalho realizado dessa forma deve ajudar os alunos a se sentirem sujeitos atuantes da cultura local, em que Professores e Coordenadores Pedagógicos passam a reconhecer os mesmos como participantes da cultura e que têm muito a contribuir para a construção da aprendizagem, do desenvolvimento cognitivo e emocional do grupo como um todo. 

 

Parabéns para a equipe Edmundo Lins, por promover a exploração dos componentes estruturais da nossa sociedade através do estudo e do uso da Língua nos seus mais variados estilos.

 

 Professor, queremos conhecer e divulgar o blog e os projetos desenvolvidos por sua escola. Aproveite este espaço que é feito para nós!

 

Entre em contato com o representante do Rioeduca em sua Coordenadoria e participe

 

Ana Accioly é Professora da Rede Municipal e

Representante Rioeduca da 4ª Coordenadoria Regional de Educação

E-mail: anaaccioly@rioeduca.net

Twitter: @Ana_Accioly

 

 

COMPARTILHE E COMENTE!

 

 

                              

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 16/01/2014

Projeto A Arca De Noé

Tags: 9ªcre.

Na E. M. Professora Sonia Maria Maltez Fernandez, da 9ª CRE, a professora Elza Helena Belinger e sua turminha de E.I. trabalharam com muito entusiasmo e alegria o Projeto Arca de Noé em comemoração ao centenário de Vinicius de Moraes.

 

Quem nos conta os detalhes dessa atividade é a professora Elza, que tive a alegria de conhecer na própria U.E. Pude, também, ver de perto o grande carinho que ela demonstra com seus alunos, além de ficar encantada com o espaço em que trabalha.


 

Tudo começou quando eu e a turma E.I. 16 chegamos em sala pela manhã e a professora do turno da tarde havia feito com a sua turma um pato em mosaico que tinha como título "Centenário de Vinicius de Moraes". A minha turma ficou muito interessada no desenho, acharam lindo!


Prometi para eles que eu iria pesquisar sobre o assunto. Conversamos sobre quem foi Vinicius de Moraes, falamos das poesias, músicas e do livro "A Arca de Noé".



Depois de pesquisa feita, vi que seria muito bom trabalhar com os meus alunos algumas músicas e poesias da obra do Vinicius "A Arca de Noé", acompanhado do lúdico.




Pintamos, recortamos, fizemos dobraduras, viseiras, dedoches, marionetes, carimbo das mãos, plantamos sementes de girassol, produzimos um livro sobre a germinação do girassol e trabalhamos sobre os animais da Arca de Noé e suas características.




Ao longo do nosso projeto fomos construindo a escrita e incentivando o prazer pela leitura através das músicas, poesias, vídeos do YouTube, brincadeiras, danças e muitas atividades lúdicas.


Links do YouTube:

A Casa – Vinicius de Moraes (Ronei Risso)
http://www.youtube.com/watch?v=yvBCfNdsILY

 

O Pato – Lá vem o pato (Decidério)
http://www.youtube.com/watch?v=V6KAVIjzolg

 

A Foca – Vinicius de Moraes (Eliana César)
http://www.youtube.com/watch?v=-YuYhuF7oUw

 

Estamos fechando o nosso trabalho com um portfólio de todas as atividades construídas com A Arca de Noé.


Posso salientar que foi dinâmico e prazeroso poder apresentar algo diferente para meus alunos e eles gostaram muito!



Já estão começando a ler e a construir a escrita com o projeto elaborado por mim: "Vinicius de Moraes e a Arca de Noé".


Elza Helena Belinger


 

Parabéns, professora Elza! Por sua dedicação e por compartilhar conosco seu projeto.

 

Profª Márcia Cristina Alves, Representante da 9ª CRE
E-mail: marciacerqueira@rioeduca.net
Twitter: @marciacrisalves


 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 15/01/2014

Acolhimento e Inclusão: de Mãos Dadas Rumo ao Sucesso!

Tags: 8ªcre, acolhimento.

 

 

Uma sala de aula que segue a proposta da Inclusão não é só um espaço onde todas as crianças são bem-vindas. Inclusão significa entender, conviver e compartilhar!

Hoje, o Rioeduca apresenta uma professora que entende que o Acolhimento deve durar o ano todo, e a Inclusão, por toda a vida!

 

Inclusão: dever e direito!

 

A Inclusão é um movimento mundial de luta das pessoas com deficiências e seus familiares na busca dos seus direitos e lugar na sociedade.

 

Essa busca por direitos e espaços na sociedade começa bem cedo e tem seus primeiros passos na escola! 

 

A ideia de uma Escola Inclusiva se fundamenta numa filosofia que reconhece e valoriza a diversidade, como característica inerente à constituição de qualquer sociedade.

 

Uma escola para ser realmente Inclusiva precisa garantir o acesso e a participação de todos, a todas as oportunidades, independentemente das peculiaridades de cada individuo.

 

Incluir não é tarefa fácil, mas constitui-se um dever da sociedade e um direito do indivíduo.

 

 

"O princípio fundamental da Educação Inclusiva é a valorização da diversidade e da comunidade humana. Quando a Educação Inclusiva é totalmente abraçada, nós abandonamos a ideia de que as crianças devem se tornar normais para contribuir para o mundo".

                                                                                              Kunc , 1992 

 

 

Alunos da turma 1201 da E.M. Getúlio Vargas jogando "Na Trilha do Alfabeto".

 

Na Escola Municipal Getúlio Vargas, o Acolhimento teve como princípio a Inclusão de todas as crianças no espaço, nas ações e nos projetos que serão desenvolvidos posteriormente.

 

Na turma 1201, do 2º ano, o aluno Henzo Miguel é uma das crianças com Necessidades Educacionais Especiais.

 

Diagnosticado como tendo TGD (Transtorno Global do Desenvolvimento), Henzo Miguel é um aluno que encontrou nesta turminha a oportunidade de desenvolver todas as suas habilidades e vencer, a cada dia, os desafios que lhe são propostos.

 

Henzo Miguel conta com a professora Maria Cristina como sua principal aliada neste processo. A professora acompanha a turma desde o ano passado, o que facilita muito sua comunicação com o aluno e o acompanhamento da evolução da aprendizagem.

 

 

Alunos da turma 1201 da E. M. Getúlio Vargas participando da dinâmica de Boas-Vindas!

 

Quando o professor inicia sua busca por respostas para atender à diversidade, o processo pedagógico certamente se torna mais rico e proporciona uma melhor qualidade de educação para todos!

 

É desta forma que todos podem se beneficiar da Educação Inclusiva, pois os envolvidos se enriquecem: alunos, professores, família e comunidade.

 

Para a primeira semana de aula, a professora Maria Cristina planejou atividades de revisão usando jogos e brincadeiras como estratégia.

 

Para o aluno Henzo Miguel, foi muito importante participar das atividades em grupo e, para seus colegas, não foi diferente: todos gostaram muito das brincadeiras!

 

 

 

 

Henzo Miguel, aluno da turma 1201 da E.M. Getúlio Vargas demonstrando seu conhecimento sobre ordem numérica.

 

 

 

A Semana de Acolhimento, tão comum na Educação Infantil, se estabelece como parte integrante das ações que visam estreitar os laços entre o aluno, o professor, os colegas da turma e o espaço escolar, independente do grupamento ou faixa etária.

 

É importante saber que tanto os alunos iniciantes, quanto aqueles que retornam às aulas, merecem ser recebidos com carinho e com atividades planejadas especialmente para estes dias.

 

Sendo o Acolhimento um momento tão importante, certamente ele pode contribuir positivamente para o sucesso do processo pedagógico!

O sorriso do aluno Henzo Miguel demonstra que ele se sente acolhido todos os dias do ano!

 

 

 

Professora Maria Cristina recebendo flores do aluno Henzo Miguel

 

 

Acolhimento e Inclusão são princípios de uma escola que vislumbra oferecer Educação de Qualidade como um direito de todos!

 

A professora Maria Cristina diz que Henzo Miguel é a criança mais surpreendente e amorosa que ela conheceu em 2012!

 

Nesta relação que valoriza a aproximação, professores acolhem alunos e alunos também acolhem seus professores!

 

 

Professores, queremos conhecer e divulgar o Blog e os projetos de sua escola.

Entre em contato com o representante da sua CRE.

 

 

 

Neilda Silva

Professora e Representante do Rioeduca na 8ª CRE

neildasilva@rioeduca.net

Twitter: @Prof_Neilda

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 15/01/2014

Professor, Como Vai a Sua Voz?

Tags: professor.

 

Entre os profissionais que utilizam a voz como instrumento de trabalho, são os professores que mais sofrem. Infelizmente, na maioria das vezes, a voz só recebe a atenção merecida quando começa a dar os primeiros sinais de que algo não vai bem.

 


Muitos professores começam a perceber uma rouquidão (disfonia) que permanece por mais de 15 dias, cansaço vocal, além de outros sintomas como sensação de garganta “arranhando”, dores na região do pescoço e cervical. Esses sintomas ocorrem, muito provavelmente, devido ao mau uso da voz e por falta de um tratamento preventivo.

 http://ctimmadureira.blogspot.com.br/2013/04/doencas-da-voz-rouquidao.html


Nestes casos, é indicada a visita ao médico otorrinolaringologista para uma avaliação. Depois do problema diagnosticado, somente um fonoaudiólogo poderá auxiliá-lo através de tratamento específico.

 

 

 

Utilizada todo o tempo, e não somente no ambiente de trabalho, a voz, invisível, também merece descanso. Porém, quando o tempo para descanso se torna escasso, podemos ter atitudes diárias que permitem promover saúde, qualidade de vida e um melhor rendimento vocal.

 

Algumas dicas importantes:

 

 

 

  • beba bastante água, principalmente pequenos goles enquanto estiver falando;
  • respire corretamente;
  • fale pausadamente, articulando bem as palavras;
  • evite competir com ruídos externos e até mesmo do próprio local em que estiver falando;
  • procure utilizar amplificadores de voz;
  • boceje e espreguice várias vezes ao dia, pois ajuda a aliviar a tensão na região do pescoço;
  • utilize roupas que não apertem a região do abdômen e pescoço;
  • coma maçã, considerada adstringente; ela ajuda a limpar a cavidade da boca e reduz o muco da faringe;
  • preocupe-se em manter uma alimentação equilibrada, sem grande número de horas em jejum, mastigando bem cada alimento a ser ingerido;
  • após uso intenso da voz, procure manter repouso vocal, mesmo que por alguns minutos;
  • faça exercícios físicos.

 

 

Alguns hábitos devem ser incorporados ao dia a dia do professor.

 

 

  • evite gritar e pigarrear;
  • nos intervalos, evite falar muito o telefone;
  • fumaça, cigarro e automedicação causam irritação à mucosa do trato vocal;
  • alergias respiratórias influenciam na qualidade vocal;
  • sprays, pastilhas e balas têm efeito anestesiante e somente aliviam a sensação de irritação ou dor, podendo mascarar e inclusive contribuir para um maior abuso vocal;
  • alimentos gordurosos e condimentados, bebidas à base de cafeína e refrigerantes, dificultam a digestão, podem provocar refluxo gastroesofágico (azia) e essa sensação de “queimação” pode chegar às pregas vocais, ocasionando irritação;
  • evite ao máximo uma jornada sedentária.
     

Não espere ocorrer o “problema”. Antes, invista em pequenas atitudes que trarão uma boa qualidade vocal e de vida.


Procure sempre orientação de um fonoaudiólogo, que irá ensinar estratégias vocais para conservação e maximização da voz durante o uso profissional.

 


"A voz do professor chama, acalma, contém, transmite, dirige, alerta, orienta e acolhe.

A voz do professor ensina.” (Behlau)

 

 

 

Taís Ferraz Duarte é Professora da Rede Municipal
e colaboradora do Portal Rioeduca
E-mail: taisduarte@rioeduca.net

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share