A A A C
email
Dicas, prática pedagógica, troca de experiências.
Retornando 13 resultados para o mês de 'Julho de 2018'

Segunda-feira, 30/07/2018

Curso Professores em Formação: A Educação Ambiental em uma abordagem Transdisciplinar

Tags: gpec, curso, formação.

 

 

 

INSCRIÇÕES: www.igeo.ufrj.br

 

25 de ABRIL (4a feira), 9-17h: AULA INAUGURAL - Local: CAp/UFRJ. Manhã - Mesa Redonda Um Olhar sobre a Escola e o Currículo: dialogando com as realidades existentes no Estado do Rio de Janeiro com Ana Angelita Rocha (FE/UFRJ) e Rita de Cássia Frangella (ProPEd/Uerj); Tarde - Discussão de propostas curriculares municipais com ênfase na Educação Ambiental.


Módulo 1 - Caminhando pela Cidade: Percepções, Memórias e Patrimônio - I

 

Aula 1: 9 de maio (4a feira); 9-17h. Local: CAp/UFRJ (Rua J.J. Seabra, s/n, Lagoa, Rio de Janeiro) Manhã - Mesa Redonda Cidade e rupturas do cotidiano: memórias, territórios e ação com Cátia Antônia da Silva (FFP/Uerj) e Luciano Ximenes Aragão (FEBF/Uerj e PUC/Rio); Tarde: Olhares sobre a cidade: pesquisas sobre o Rio de Janeiro com os professores Antônio Lopes Ferreira Vinhas (Grupo LABORES-PUC-Rio), Vânia Morgado (CAp/UFRJ) e Paulo Henrique Barbosa de Andrade (FIOCRUZ).

Aula 2: 6 de junho (4a feira); 9-17h. Trabalho de Campo: Caminhando pela Cidade. Saída às 9h do IGEO/UFRJ (Ilha do Fundão, Prédio do CCMN, Rio de Janeiro).

 

Partimos da proposta de caminhar pela cidade na busca da conexão entre memórias, territórios, ação, ressignificando as noções e conceitos que envolvem a Educação Ambiental e que possibilitam novas compreensões acerca dos diferentes ambientes e paisagens. Caminhar pela cidade permite vivenciar os seus diversos espaços, produzindo um material didático que possibilita conhecer e compreender o habitar das comunidades escolares.

 

Módulo 2 – Escola Como Lugar da Experimentação – I: Vivências e Possibilidades em Educação Ambiental

 

Aula 1: 30 de agosto (5a feira); 9-17h. Local: CAp/UFRJ (Rua J.J. Seabra, s/n, Lagoa). Manhã: Diálogos com Walter Kohan (ProPEd/UERJ). Tarde: Histórias e Narrativas, com Cristiano Brasil (UFRJ/ Escola Municipal de Magé).

Aula 2: 20 de setembro (5a feira); 9-17h. Local: Escola Municipal Professor Teófilo Moreira da Costa (R. Esperança, 387 - Vargem Grande, Rio de Janeiro - RJ). Saída da Cidade Universitária, Ilha do Fundão (IGEO/UFRJ), às 7:45h. Diálogos com Rafael Straforini (UNICAMP) e construção coletiva de atividades na Escola Municipal Professor Teófilo Moreira da Costa.

 

Neste módulo teremos a oportunidade de dialogar com os professores Walter Kohan, Cristiano Brasil e Rafael Straforini sobre as múltiplas relações sociais, culturais, políticas e ambientais que construímos através das nossas práticas pedagógicas. O contexto escolar será a base empírica de estudo e ação. Vivenciar e refletir sobre essas práticas potencializa a produção de um vasto material didático para se trabalhar com a Educação Ambiental.

 

Módulo 3 - Escola Como Lugar da Experimentação – II: Vivências e Possibilidades em Educação Ambiental

 

Aula 1: 02 de outubro (3a feira); 9-17h. Local: IGEO/UFRJ (Ilha do Fundão, Rio de Janeiro). Manhã: Entendendo a construção da “caixa de areia” com Manoel Fernandes e equipe do GeoCart (Departamento de Geografia, IGEO/UFRJ); Tarde: Preparação de atividades inter e transdisciplinares com a “caixa de areia”.

Aula 2: 06 de novembro (3a feira); 9-17h. Local: Escola Municipal Professor Teófilo Moreira da Costa (R. Esperança, 387 - Vargem Grande, Rio de Janeiro - RJ). Saída da Cidade Universitária, Ilha do Fundão (IGEO/UFRJ), às 7:45h. Construção da “caixa de areia”: conceitos, metodologias e práticas de trabalho.

 

A busca de abordagens metodológicas amplia a produção de um acervo de material didático transdisciplinar. A possibilidade de fazer a “caixa de areia” nas escolas facilita transitar por diferentes áreas do conhecimento, bem como obter múltiplas leituras em diferentes contextos escolares, e “ir além” do objeto criado, elaborando coletivamente propostas de inserção local.

 

INFORMAÇÕES: cursoprofessoresemformacao@gmail.com

 

Tels: 21-3938-9461 (Direção Adjunta de Extensão do IGEO/UFRJ: falar com Damiane ou Adriana) e 21-25614585 (NEQUAT) 

 

CLIQUE AQUI - Facebook Curso de Extensão Professores em Formação

 

 

Enviado por:

Waleria de Carvalho

E/SUBE/GPEC


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 30/07/2018

Excelentes colocações na 21ª edição do Prêmio Educador Nota 10

Tags: prêmio educador nota 10.

 

 Diário Oficial nº : 90
 Data de publicação: 30/07/2018
 Matéria nº : 506654



COMUNICADO

 

Com ideias inovadoras e sensíveis, mestres da rede municipal de educação se destacam na 21º edição do Prêmio Educador Nota 10

 

Quatro professores do Município do Rio de Janeiro conseguiram excelentes colocações na 21ª edição do Prêmio Educador Nota 10, uma das mais importantes premiações do país que reconhece o trabalho de professores, gestores e coordenadores da Educação Infantil ao Ensino Médio. Nossos mestres conseguiram figurar entre os 50 melhores do ranking de mais de quatro mil profissionais que apresentaram seus projetos neste ano. O professor de História José Marcos Couto Júnior foi mais adiante é um dos dez finalistas.

O vencedor do Prêmio Educador Nota 10 será conhecido em outubro. A premiação é uma realização de fundações e empresas que apoiam a Educação, como as Fundações Lemann, Victor Civita, Roberto Marinho, Somos Educação e a Revista Nova Escola.

Conheça abaixo os projetos desenvolvidos pelos quatro professores selecionados nas 50 melhores classificações – um deles, o finalista José Marcos Couto Júnior.

 

Limites da visibilidade

 

 

José Marcos Couto Jr. leciona História da Escola Municipal Fernando Rodrigues da Silveira, no Bairro Barros filho. Fã da Música Popular Brasileira, ele decidiu inserir música em suas aulas e mostrar como muitas canções fazem um percurso pela realidade social.

“Percebemos alguns pontos nevrálgicos com relação à falta de autopercepção dos alunos negros e dos que se declaram homossexuais na escola. Em 2017 trabalhamos a questão da invisibilidade social”, conta o professor. A canção inicial escolhida para trabalho em sala foi “As Caravanas”, de Chico Buarque, que trata da chegada de um jovem da periferia na Zona Sul carioca e o preconceito sentido por ele.

A ideia foi compartilhada com a professora Ana Beatriz Ramos, colega de escola e vizinha de sala, e eles propuseram aos alunos das duas classes que reescrevessem a canção conforme suas visões do mundo ao redor.

“Nós perguntamos os alunos, por exemplo, qual era o nome dos funcionários da Comlurb que trabalham na escola. Percebemos que eles não conheciam essas pessoas. Sugerimos que eles se incomodassem e se colocassem no lugar do outro”, revela.

Inspirados em outras canções, os estudantes desenvolveram 34 textos editado, em forma de livro, com o título “Que sejam lidos, que sejam vistos”. O trabalho revela a nova visão dos estudantes: um mundo muito além da escola e do bairro.

“Uma aluna chegou pra mim e disse: ‘Professor, a gente está parecendo até gente importante’. Aquilo me emocionou. Eles não sabem, mas são”, acredita o professor premiado.

 

Memórias da infância na alfabetização de jovens e adultos

 

 

Com 19 anos de trabalho na rede pública municipal, a professora Pammella Lobo Oliveira não esconde o orgulho do feito de ter ficado entre os 50 melhores. A Educadora Nota 10 leciona no CIEP Nação Rubro Negra, no Leblon, para estudantes jovens e adultos em processo de alfabetização.

Conhecedora das histórias de vida de seus alunos, ela decidiu trabalhar as memórias dos integrantes do grupo a partir de textos autorais. “Muitos vieram de outros estados para tentar a vida no Rio e perderam seus laços, família, tudo. A questão do fracasso era recorrente na fala deles, mas muitos tinham dificuldades de falar da própria vida”, contou.

Após o trabalho, Pammella chegou a um resultado inédito: tinha construído com seus alunos uma espécie de retrato do país. E como muitos revelaram não ter tido tiveram direito à infância, ela levou os Direitos da Criança e do Adolescente para debates em sala, seguidos de produção de textos. “Ao receber embasamento e conhecimento aliado à escrita, o repertório dos alunos cresceu”, comemora.

 

Escola conectada e multimídia

 

 

Preocupado em como inserir as tecnologias da informação na escola para facilitar a vida dos estudantes, professores e funcionários, Cássio Pereira, diretor e professor de inglês da Escola Municipal Fernando Rodrigues da Silveira, em Realengo, mudou a vida da comunidade escolar com medidas simples, porém fundamentais. Liberar o Wi-Fi da unidade para democratizar o uso de netbooks em espaço apropriado foi uma das ideias.

Outra iniciativa aplaudida pelos alunos foi a de dar novo uso aos monitores de computadores obsoletos. “Instalamos os monitores pelos corredores e adaptamos para serem usados como telas informativas. Datas comemorativas, horários de aulas, avisos de provas e tudo que seja relacionado com a rotina da escola fica rodando lá”, explica o gestor, que brinca com a mudança: “Parece que a gente trabalha no futuro”.

 

Quem é esse artista?

 

 

Professora de espanhol na Escola Municipal José Veríssimo, no Rocha, Desirée Climent, percebeu como os elementos culturais de outros países estão globalizados e chegando às pessoas sem que elas notem.

“Eu vi algumas alunas usando material escolar da Frida Khalo e elas não sabiam dizer quem era aquela mulher. Senti que esse era o ponto de partida para uma discussão muito maior”, relata.

Desirée pediu ao colega que leciona arte na unidade para conversar com os alunos sobre artistas hispânicos e oferecer atividades extracurriculares, como um jogo de quebra-cabeças com a obra de cada autor. Outros estudantes de turmas diferentes pediram que o projeto fosse repetido. Assim, os alunos passaram a conhecer a história de importantes personagens de países que adotam a língua espanhola como idioma oficial. “Ganhar o prêmio faz a gente ver que o que nós produzimos tem importância.”

 

 

 

Fonte: Ascom SME


   
           



Yammer Share

Sábado, 28/07/2018

FLIP: FLUP Encontro das Festas Literárias

Tags: flip flup, gla, literatura.

 

 

Prezados Colegas

A FLIP: FLUP Encontro das Festas Literárias acontecerá em 30 de julho na Biblioteca Parque Estadual. Mistura quase heterodoxa de autoras como a alemã Nina Reusch, a paulista Djamila Ribeiro e a italiana Igiaba Scego nos quatro painéis programados para a segunda-feira imediatamente posterior à festa de Paraty, que debaterão temas como o feminismo, o racismo e a literatura pós-colonial.
Todas as atividades serão gratuitas. As 300 primeiras pessoas a chegar poderão levar, gratuitamente, o Dicionário da Escravidão e Liberdade, de Flávio Gomes e Lilia Schwarcz.

 

Inscrições para participar das mesas: 

 

CLIQUE AQUI E SE INSCREVA

 

Programação das mesas:

14h
A tragédia que jamais admitimos
Flávio Gomes, Jaime Lauriano e Lilia Schwarcz
Tão falaciosa quanto a tese de que somos uma generosa democracia racial é a lenda de que não podemos revirar nosso passado escravocrata por causa do incêndio com que Ruy Barbosa teria destruído todos os registros da tragédia que jamais admitimos. Só vamos interromper o extermínio de nossa juventude negra quando entendermos as conexões entre o maior porto escravagista da história e o assassinato da vereadora Marielle Franco.

16h
O eterno tabu
Djamila Ribeiro, Izabela Figueiredo e Nina Reusch
A sexualidade feminina tem sido reprimida desde tempos imemoriais. Apesar de todas as conquistas de 1968, o corpo das mulheres continua sendo perseguido e mutilado pelas teocracias obscurantistas do Oriente Médio. A ascensão da direita e os grandes ciclos migratórios tornaram-se uma ameaça para as conquistas do movimento feminista.

18h
A revolução como peça de museu
Lutz Taufer e Michael Goldfarb
Os 50 anos de Maio de 68 recolocaram a revolução na ordem do dia. No entanto, o desejo pelas grandes mudanças, que pulsava nas ruas, parece ter sido catalogado como reminiscências de uma geração excepcional nos sóbrios corredores do museus. Nunca se falou tanto de revolução e no entanto as multidões nunca estiveram tão sonolentas e apáticas.

20h
Nunca nos sonharam
Alain Mabanckou e Igeaba Scego
As grandes migrações pós-coloniais não estão apenas redesenhando demograficamente as megacidades ocidentais, como Nova York, Paris e Roma. Um inesperado ocidente menos branco, menos católico e menos cartesiano está se deslocando das caóticas ruas de Londres, Barcelona e Lisboa para as páginas dos melhores e mais pungentes romances da atualidade.

 

Enviado por:

Gerência de Leitura e Audiovisual


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 26/07/2018

Edital - Inscrições de Professores Interessados em Ampliar a Carga Horária

Tags: inscrições, migração, ampliação, carga horária.

 

 

Diário Oficial nº : 88
Data de publicação: 26/07/2018
Matéria nº : 505928


SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

SUBSECRETARIA DE GESTÃO

COORDENADORIA GERAL DE RECURSOS HUMANOS

 

 

EDITAL E/SUBG/CGRH Nº 01, DE 25 DE JULHO DE 2018

        A Coordenadora Geral de Recursos Humanos da Secretaria Municipal de Educação, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor, em conformidade com o disposto na Lei nº 5.623, de 01 de outubro de 2013 e no Artigo 4º do Decreto Rio nº 44.683, de 28 de junho de 2018, torna pública a abertura de inscrições para cadastramento e recadastramento de professores interessados em ampliar a jornada de trabalho para quarenta horas semanais, na forma do presente edital:

1. As inscrições destinam-se aos servidores ocupantes de cargos efetivos de Professor I, Professor II e Professor de Educação Infantil, em efetivo exercício na Secretaria Municipal de Educação, interessados em ampliar a jornada de trabalho.

 

2. O (re)cadastramento tem a finalidade de atualizar o banco de professores interessados em ampliar a jornada de trabalho, mediante preenchimento de formulário próprio, disponibilizado na Internet, através do sítio www.rio.rj.gov.br/sme, e na Intranet, através do sítio http://sme .

 

3. As inscrições serão recebidas a partir das 8 horas do dia 10 de agosto até às 18 horas do dia 10 de setembro de 2018, incluindo sábados e domingos, mediante preenchimento de requerimento específico, disponível nos sítios supracitados.

 

4. O professor será inscrito uma única vez no Plano de Ampliação de Jornada de Trabalho. Desta forma, os professores já constantes do banco de professores constituído por ocasião das inscrições propostas no Edital E/SUBG/CRH nº 02, de 21 de fevereiro de 2014, deverão, no momento desta nova inscrição, preencher campo correspondente à intencionalidade de ratificar o cadastramento efetivado no ano de 2014 (recadastramento).

 

5. A inscrição far-se-á mediante acesso pela Internet, através do sítio www.rio.rj.gov.br/sme, ou mediante acesso pela Intranet, através do sítio http://sme, obedecidas as etapas a seguir:

 

I – acessar o sítio onde estará disponível o requerimento para inscrição;

 

II – preencher corretamente o requerimento de inscrição on-line;

 

III – enviar o formulário de inscrição, via Internet ou Intranet, no período citado;

 

IV – imprimir a ficha de inscrição preenchida, exclusivamente em papel A4;

 

V – caso ocorra problema na impressão, o professor poderá emitir 2ª via, opção disponível na Internet, no site da inscrição;

 

VI – a Coordenadoria Geral de Recursos Humanos da Secretaria Municipal de Educação não se responsabiliza por solicitação de inscrição não recebida, via Internet ou Intranet, por qualquer motivo, seja de ordem técnica dos equipamentos, falhas de comunicação, congestionamento das linhas de comunicação, ou ainda, outros fatores de ordem técnica que impossibilitem a transferência de dados por procedimento indevido do usuário;

 

VII – não serão aceitas inscrições por fax, condicional ou extemporâneas;

 

VIII – são de inteira responsabilidade do professor os dados informados no ato da inscrição.

 

6. A convocação de professores elegíveis à ampliação de jornada dar-se-á de acordo com a necessidade de serviço, critérios que venham a ser definidos no relatório final a ser elaborado pelo Grupo de Trabalho instituído através da Resolução CVL nº 102, de 29 de junho de 2018, e disponibilidade orçamentária anual, respeitados os limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

 

7. A ordem de inscrição não será critério de seleção.

 

DANIELE MOREIRA PEREIRA

Coordenadora Geral da E/SUBG/CGRH

 

 

Acesse o Edital no link abaixo:

https://bit.ly/2uQAZxC


   
           



Yammer Share