A A A C
email
Dicas, prática pedagógica, troca de experiências.
Retornando 18 resultados para o mês de 'Outubro de 2016'

Quinta-feira, 27/10/2016

RESOLUÇÃO SME 1427 - Estrutura de Atendimento, Organização de Turmas, Horário e Matriz

Tags: do, resolução, sme, enturmação, matrícula.

 

 


SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
Atos da Secretária (*)

RESOLUÇÃO SME N.º 1427, DE 24 DE OUTUBRO DE 2016



Dispõe sobre a estrutura de atendimento, organização de turmas, horário de funcionamento e Matriz Curricular das Unidades Escolares da Rede Pública de Ensino da Cidade do Rio de Janeiro, e dá outras providências.
A Secretária Municipal de Educação, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor e

 

       CONSIDERANDO a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com as alterações introduzidas pela Lei nº 12.796, de 4 de abril de 2013, que estabelece diretrizes e bases da educação nacional, conferindo aos sistemas de ensino competência para organização e elaboração da matriz curricular adequadas às características regionais e locais, desde que preservada a base nacional comum;

       CONSIDERANDO a Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009, que torna obrigatório ao município assegurar atendimento gratuito para a faixa etária de 4 e 5 anos até 2016;

       CONSIDERANDO a Resolução CNE/CEB nº 07, de 14 de dezembro de 2010, que fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos;

       CONSIDERANDO a Lei Municipal nº 5.225, de 5 de novembro de 2010, que institui o Turno Único na Rede Municipal de Ensino;

       CONSIDERANDO o Decreto-Lei nº 1.044, de 21 de outubro de 1969, e a Lei nº 6.202, de 17 de abril de 1975, que dispõem sobre atendimento diferenciado aos alunos que, comprovadamente, estejam incapacitados de comparecerem às Unidades Escolares por acometimento de enfermidades, bem como amparo à aluna com gestação de risco; e

       CONSIDERANDO as Orientações Curriculares que definem as bases do trabalho pedagógico para toda a Rede Pública Municipal de Ensino;

       RESOLVE:

DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Art. 1º À Rede Pública do Sistema Municipal de Ensino compete o atendimento da Educação Básica nos seguintes níveis e modalidades:

I. Educação Infantil - EI;
II. Ensino Fundamental - EF;
III. Educação de Jovens e Adultos - EJA; e
IV. Educação Especial - EE.

Art. 2º As Unidades Escolares da Rede Pública do Sistema Municipal de Ensino organizar-se-ão, de acordo com sua finalidade específica, em:

I. Espaço de Desenvolvimento Infantil - EDI;
II. Primário Carioca;
III. Ginásio Carioca;
IV. Unidade de EJA;
V. Unidade de EE; e
VI. Unidade experimental, que terá regulamentação própria.

 § 1º As turmas de Educação Infantil, Primário e Ginásio poderão eventualmente compartilhar o mesmo espaço físico desde que seja comprovada a real necessidade pela Coordenadoria Regional de Educação (E/CRE) e validada pelo Nível Central da Secretaria Municipal de Educação (SME).

§ 2º Nas unidades a que se reportam os incisos I, II, III e IV poderá ser oferecido atendimento de EE.

§ 3º O atendimento de EJA poderá ser oferecido nas unidades citadas no inciso III e, excepcionalmente, nas citadas no inciso II.

Art. 3º O horário de funcionamento das unidades escolares da Rede Pública Municipal será das 7h30min às 17h30min ou, nas unidades que atendam à EJA no período noturno, das 7h30min às 22h.

§ 1º O horário de entrada das crianças da Educação Infantil – modalidade Creche nas unidades de horário integral - turno único poderá ser flexibilizada até o limite de 8h30min.

§ 2º Quaisquer alterações nos horários estabelecidos neste artigo deverão ser autorizadas pela Coordenadoria Regional de Educação - E/CRE e pelo Nível Central da Secretaria Municipal de Educação - SME.

 

DA EDUCAÇÃO INFANTIL

Art. 4º Serão consideradas Espaço de Desenvolvimento Infantil as unidades que oferecerem atendimento exclusivo de Educação Infantil nas modalidades Creche e/ou Pré-escola.

 Art. 5º A Educação Infantil tem como público-alvo:

a) na modalidade Creche: crianças de 6 (seis) meses a 3 (três) anos e 11 (onze) meses;
b) na modalidade Pré-escola: crianças de 4 (quatro) anos a 5 (cinco) anos e 11 (onze) meses.

Art. 6º As turmas de Educação Infantil nas modalidades Creche e Pré-escola serão atendidas em horário integral - turno único ou em horário parcial, de acordo com o planejamento anual realizado pelas Coordenadorias Regionais de Educação – E/CRE em conjunto com os diretores das Unidades Escolares e validado pelo Nível Central da SME.

Art. 7º A jornada escolar dos alunos matriculados na Educação Infantil – modalidades Creche e Pré-escola - obedecerá à seguinte carga horária diária:

I. horário integral - turno único: 7 (sete) horas de trabalho escolar, das 7h30min às 14h30min, ou 9 (nove) horas de trabalho escolar, das 7h30min às 16h30min;
II. horário parcial: 4 (quatro) horas e 30 (trinta) minutos de trabalho escolar, sendo o 1º turno das 7h30min às 12h e o 2º turno, das 13h às 17h30min.

§ 1º As turmas da modalidade Pré-escola que estiverem alocadas em escolas do Ensino Fundamental com funcionamento em horário integral - turno único seguirão o horário da unidade escolar.

§ 2º A carga horária diária será distribuída de acordo com as Rotinas estabelecidas no Anexo I.

 

DO ENSINO FUNDAMENTAL

 I. PRIMÁRIO CARIOCA

 Art. 8º Primário Carioca é a denominação utilizada para o atendimento aos primeiros seis anos (1º ao 6º ano) do Ensino Fundamental da Rede Pública Municipal de Ensino.

 Parágrafo único. Durante o período de transição do 6º ano para o Primário Carioca, haverá duas matrizes curriculares para esse grupamento, de acordo com o modelo pedagógico da unidade escolar em que está inserido: Primário Carioca ou Ginásio Carioca.

 Art. 9º As turmas do Primário Carioca serão atendidas em horário integral - turno único ou em horário parcial, de acordo com o planejamento anual realizado pelas Coordenadorias Regionais de Educação - E/CRE em conjunto com os diretores das Unidades Escolares e validado pelo Nível Central da SME.

 Art. 10º A jornada escolar dos alunos matriculados nas Unidades Escolares de Ensino Fundamental da Rede Pública Municipal de Ensino com atendimento de Primário obedecerá à seguinte carga horária diária:

 I. horário integral - turno único: das 7h30min às 14h30min, sendo 7 (sete) horas de trabalho escolar, com 7 (sete) tempos diários de 50 (cinquenta) minutos de aula e 70 (setenta) minutos destinados a recreio e refeições;

II. horário parcial: no 1º turno, das 7h30min às 12h, e, no 2º turno, das 13h às 17h30min, sendo 4 (quatro) horas e 30 (trinta) minutos de trabalho escolar, com 5 (cinco) tempos diários de 50 (cinquenta) minutos de aula e 20 (vinte) minutos destinados a recreio e refeição.

§ 1º As unidades de horário integral - turno único poderão oferecer pós-turno opcional aos alunos, desde que, para a realização das atividades, não utilizem professores da Rede e sim estagiários, voluntários ou outras parcerias, sob a supervisão da Equipe Pedagógica.

§ 2º As unidades de horário parcial poderão oferecer atividades opcionais aos alunos, em contraturno, a serem realizadas por estagiários, voluntários ou outras parcerias, sob a supervisão da Equipe Pedagógica.

§ 3º A carga horária semanal será distribuída de acordo com a Matriz Curricular estabelecida no Anexo II.

 

II. GINÁSIO CARIOCA

Art.11º Ginásio Carioca é a denominação utilizada para o atendimento aos três últimos anos (7º ao 9º ano) do Ensino Fundamental da Rede Pública Municipal de Ensino.

Parágrafo único. Durante o período de transição do 6º ano para o Primário Carioca, deverá ser observado o disposto no parágrafo único do Artigo 8º.

 Art. 12º As turmas do Ginásio Carioca serão atendidas em horário integral - turno único ou em horário parcial, de acordo com o planejamento anual realizado pelas Coordenadorias Regionais de Educação - E/CRE em conjunto com os diretores das Unidades Escolares e validado pelo Nível Central da SME.

 Art. 13º A jornada escolar dos alunos matriculados nas Unidades Escolares de Ensino Fundamental da Rede Pública Municipal de Ensino com atendimento de Ginásio obedecerá à seguinte carga horária diária:

 I. horário integral - turno único: das 7h30min às 14h30min, sendo 7 (sete) horas de trabalho escolar, com 7 (sete) tempos diários de 50 (cinquenta) minutos de aula e 70 (setenta) minutos destinados a recreio e refeições;

II. horário parcial: no 1º turno, das 7h30min às 12h, e, no 2º turno, das 13h às 17h30min, sendo 4 (quatro) horas e 30 (trinta) minutos de trabalho escolar, com 5 (cinco) tempos diários de 50 (cinquenta) minutos de aula e 20 (vinte) minutos destinados a recreio e refeição.

§ 1º As unidades de horário integral - turno único poderão oferecer pós-turno opcional aos alunos, desde que, para a realização das atividades, não utilizem professores da Rede e sim estagiários, voluntários ou outras parcerias, sob a supervisão da Equipe Pedagógica.

§ 2º As unidades de horário parcial poderão oferecer atividades opcionais aos alunos, em contraturno, a serem realizadas por estagiários, voluntários ou outras parcerias, sob a supervisão da Equipe Pedagógica.

§ 3º A carga horária semanal será distribuída de acordo com a Matriz Curricular estabelecida no Anexo II.

 

DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

Art. 14º A Educação de Jovens e Adultos – EJA atende a alunos a partir de 15 (quinze) anos completos, interessados nesta modalidade de ensino, considerando-se os conhecimentos já adquiridos.

§ 1º Os alunos de 15 e 16 anos somente poderão ser matriculados na EJA mediante autorização dos responsáveis e avaliação da E/CRE, garantindo a adequação curricular a esta faixa etária.

§ 2º Os alunos já matriculados no Ensino Fundamental regular da Rede Pública Municipal de Ensino da Cidade do Rio de Janeiro e os transferidos de outras redes, com idade igual ou superior a 15 (quinze) anos, poderão ser encaminhados à EJA, observando-se o descrito no § 1º.

§ 3º Os novos alunos que forem matriculados no Ensino Fundamental regular da Rede Pública Municipal de Ensino da Cidade do Rio de Janeiro e os transferidos de outras redes, com idade igual ou superior a 17 (dezessete) anos, deverão, obrigatoriamente, ser encaminhados à EJA.

§ 4º Os alunos com deficiência ou transtornos globais do desenvolvimento serão avaliados pela Gerência de Educação da Coordenadoria Regional de Educação – E/CRE/GED, em ação conjunta com o Instituto Municipal Helena Antipoff – E/SUBE/IHA, e deverão apresentar a sua manifestação expressa ou de seu responsável legal para o procedimento de matrícula na EJA, considerando o caráter acelerativo de aprendizagem da modalidade.

§ 5º Por se tratar de mudança de modalidade, todo aluno que ingressar na EJA será enturmado, após avaliação, no grupamento mais adequado ao seu processo de aprendizagem.

Art. 15º As turmas de EJA funcionarão em horário parcial de acordo com o planejamento realizado pelas E/CRE em conjunto com os diretores das Unidades Escolares e validado pelo Nível Central da SME.

Art. 16º Nas unidades exclusivas de EJA (CEJA – Centro de Educação de Jovens e Adultos e CREJA – Centro Municipal de Referência de Educação de Jovens e Adultos), a EJA terá abordagem de ensino semipresencial e de educação a distância. Tais Unidades funcionarão em 6 (seis) turnos de 2 (duas) horas cada, sendo 2 (dois) no horário da manhã, 2 (dois) no horário da tarde e 2 (dois) no horário da noite, com atendimento ininterrupto e atividades variadas.

Art. 17º A jornada escolar dos alunos matriculados na EJA obedecerá à seguinte carga horária diária:

I. horário parcial em unidades escolares que atendem a outro segmento: das 18h às 22h, sendo 4 (quatro) horas de trabalho escolar diário, incluído o período destinado à refeição.

II. horário parcial em unidades escolares que oferecem EJA diurno: no 1º turno, das 7h30min às 11h30min, e, no 2º turno, das 13h às 17h, sendo 4 (quatro) horas de trabalho escolar diário, incluído o período destinado à refeição.

III. ensino semipresencial nas unidades exclusivas de EJA (CEJA – Centro de Educação de Jovens e Adultos e CREJA – Centro Municipal de Referência de Educação de Jovens e Adultos): 2 (duas) horas diárias presenciais de trabalho escolar, de segunda a sexta-feira, em qualquer um dos turnos oferecidos.

IV. ensino a distância nas unidades exclusivas de EJA (CEJA – Centro Municipal de Educação de Jovens e Adultos e CREJA – Centro Municipal de Referência de Educação de Jovens e Adultos): organizada pelos blocos de aprendizagem, de acordo com as Orientações Curriculares da EJA.

 

DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

Art. 18º A Educação Especial, na perspectiva da Educação Inclusiva, atende a crianças, adolescentes e adultos com deficiência, transtorno global do desenvolvimento e altas habilidades / superdotação, nas turmas do ensino regular, com a oferta do Atendimento Educacional Especializado (AEE).

§ 1º Entende-se por Atendimento Educacional Especializado (AEE) o atendimento das Salas de Recursos Multifuncionais.

§ 2º Os alunos público-alvo da Educação Especial também poderão ser atendidos em Classes Especiais e Escolas Especiais.

§ 3º A inserção dos alunos, em quaisquer das formas de atendimento, necessitará de avaliação técnica conjunta das equipes da E/CRE/GED e E/SUBE/IHA, considerando para enturmação a faixa etária e a proximidade residencial. A avaliação deverá assegurar os encaminhamentos quanto às redes de apoio.

Art. 19º Os alunos da Rede Pública Municipal de Ensino internados em Hospital conveniado com a SME receberão Atendimento Pedagógico Hospitalar enquanto lá permanecerem, mantendo seu vínculo com a Unidade Escolar em que estão matriculados.

Art. 20º Os alunos da Rede Pública Municipal de Ensino, quando impossibilitados de comparecer por longo período às aulas pelos motivos previstos no Decreto nº 1.044, de 21 de outubro de 1969, na Lei Federal nº 6.202, de 17 de abril de 1975, e na Resolução CNE/CEB nº 02, de 11 de setembro de 2001, poderão receber Atendimento Pedagógico Domiciliar após avaliação da E/CRE/GED e do E/SUBE/IHA.

Parágrafo único. Para a solicitação desse atendimento, o responsável deverá apresentar laudo médico emitido por unidade de saúde governamental ou particular, com a descrição da situação do aluno e a previsão do período de afastamen

Art. 21º Os alunos público-alvo da Educação Especial deverão ser matriculados:

I. na Educação Infantil modalidade Creche, se criança de 6 (seis) meses a 3 (três) anos e 11 (onze) meses, e na modalidade Pré-escola, se de 4 (quatro) anos a 5 (cinco) anos e 11 (onze) meses;

II. no Ensino Fundamental, no Primário e no Ginásio, se na faixa etária dos 6 (seis) aos 16 (dezesseis) anos.

Parágrafo único. Para os alunos com 17 (dezessete) anos completos ou mais, deverá ser observado o contido no § 5º do Artigo 14.

Art. 22º As Escolas Especiais e as Classes Especiais funcionarão em horário parcial, acompanhando a jornada escolar prevista para o nível ou modalidade de ensino a que atendem.


DA ORGANIZAÇÃO DE TURMAS

Art. 23º A organização das turmas, bem como o quantitativo e a numeração, obedecerão aos critérios estabelecidos no Anexo III.

§ 1º Não poderá ser aberta uma nova turma enquanto o quantitativo estabelecido para cada ano de escolaridade não houver sido totalmente preenchido.

§ 2º Ao decorrer do ano letivo, se a disponibilidade de vagas de um determinado ano de escolaridade for igual ou superior à capacidade de alunos por turma daquele grupamento, estabelecida no Anexo III desta Resolução, as turmas poderão ser otimizadas, após estudos da E/CRE/GED e da Assessoria de Ação Integradora da E/CRE.

§ 3º É de responsabilidade do diretor da unidade escolar monitorar continuamente o quantitativo de alunos em cada ano de escolaridade e informar à Assessoria de Ação Integradora da E/CRE quando houver redução conforme descrição do § 2º.

§ 4º A abertura de uma nova turma ao longo do ano ou qualquer outra mudança dependerá de avaliação conjunta e autorização da Coordenadoria Regional de Educação - E/CRE e validação da Subsecretaria de Ensino – E/SUBE e Subsecretaria de Gestão – E/SUBG.

§ 5º No caso das escolas de horário parcial que atendem Primário ou Ginásio, deverá ser assegurada a oferta de atendimento de um mesmo ano de escolaridade em ambos os turnos de funcionamento da unidade escolar desde que a unidade possua, para aquele ano de escolaridade, quantitativo superior a 1 (uma) turma.

§ 6º As unidades escolares que possuem turmas de Primário e de Ginásio poderão organizar os anos de escolaridade nos turnos de modo a melhor atender à comunidade escolar.

 

DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 24º A Matriz Curricular deverá ser organizada no Quadro de Horário da unidade escolar, preferencialmente, agrupando-se sempre que possível, 2 (dois) a 2 (dois) os tempos das áreas do conhecimento.

Parágrafo Único A junção de 3 (três) tempos consecutivos da mesma disciplina deverá ser evitada.

Art. 25º Deverá ser assegurado o cumprimento da carga horária mínima anual de oitocentas horas, distribuídas por um mínimo de duzentos dias de efetivo trabalho escolar, conforme o Artigo 24 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

Art. 26º Os casos omissos serão resolvidos pela Subsecretaria de Ensino – E/SUBE e pela Subsecretaria de Gestão – E/SUBG.

Art. 27º Ficam revogadas as resoluções em contrário, em especial a Resolução SME Nº 1178, de 02 de fevereiro de 2012, e a Resolução SME Nº 1.317, de 28 de outubro de 2014.

Art. 28º Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação.

 

Rio de Janeiro, 24 de outubro de 2016.


 REGINA HELENA DINIZ BOMENY
Secretária Municipal de Educação

(*) Omitida no Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro | Poder Executivo | Ano XXX | Nº 149 | Terça-feira, 25 de Outubro de 2016

 

 

ANEXO I - ROTINA DA EDUCAÇÃO INFANTIL

 

ANEXO II - MATRIZ CURRICULAR PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

 

ANEXO III - CRITÉRIOS PARA ORGANIZAÇÃO DE TURMAS


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 27/10/2016

RESOLUÇÃO SME 1428 - Matrícula e Enturmação

Tags: do, sme, resolução, matrícula.

 

 

(*) RESOLUÇÃO SME Nº 1441 , DE 23 DE NOVEMBRO DE 2016 (PUBLICADA NO DO DE 25/11/2016)

Dispõe sobre a alteração do calendário de matrículas de que trata o Anexo I da Resolução SME Nº 1428 de 24 de outubro de 2016.

A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela legislação em vigor,

RESOLVE:

Art.1º Fica alterado o item 2, do Anexo I, do Regulamento que acompanha a Resolução SME Nº 1.428 de 24 de outubro de 2016, que passa a vigorar na forma que acompanha este ATO.

Art. 2º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.

 

Rio de Janeiro, 23 de novembro de 2016

REGINA HELENA DINIZ BOMENY
Secretária Municipal de Educação

(*) Omitido no DO Rio de 24/11/2016

 

__________________________________________________________________________________________________________

 

RESOLUÇÃO SME Nº 1428, DE 24 DE OUTUBRO DE 2016. (*)

DIÁRIO OFICIAL 26 de outubro de 2016


Aprova Regulamento com diretrizes para matrícula e enturmação de alunos nas Unidades Escolares da Educação Infantil – modalidades Creche e Pré–Escola, Ensino Fundamental, Educação de Jovens e Adultos e Educação Especial da Rede Pública do Sistema Municipal de Ensino, e dá outras providências.

 (*) Omitida no Diário Oficial do Município do Rio de Janeiro | Poder Executivo | Ano XXX | Nº 149 | Terça-feira, 25 de Outubro de 2016

 

A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, no uso das atribuições que lhes são conferidas pela legislação em vigor,

CONSIDERANDO o disposto no art. 11, inciso III, da Lei n.º 9.394/96, que atribui aos Municípios a incumbência de baixar normas complementares para o seu Sistema de Ensino;

CONSIDERANDO as disposições constantes do art. 30 da lei n.º 9.394/96;

CONSIDERANDO o art. 32 da Lei n.º 9.394/96, com a nova redação dada pela Lei Federal n.º 11.274/2006, recomendando que o início do Ensino Fundamental seja aos 6 (seis) anos de idade;

CONSIDERANDO a Resolução CNE/CEB n.º 6, de 20 de outubro de 2010, que estabelece o último dia de março como data-base para o cálculo da idade dos alunos, com vista ao ingresso na Pré-escola e no Ensino Fundamental,

RESOLVE:

Art. 1º A realização da matrícula em todas as suas fases, para o ano de 2017, nas unidades de Educação Infantil – modalidades Creche e Pré–Escola, Ensino Fundamental, Educação de Jovens e Adultos e Educação Especial, da Rede Pública do Sistema Municipal de Ensino da cidade do Rio de Janeiro, como também a enturmação dos alunos dar-se-ão em consonância com as disposições constantes desta Resolução.

Art. 2º Para os fins previstos no art. 1º, fica aprovado o Regulamento que acompanha a presente Resolução com as normas e procedimentos fixados pela Subsecretaria de Gestão – E/SUBG, concernentes à matrícula, e os critérios estabelecidos pela Subsecretaria de Ensino – E/SUBE, relativos à enturmação de alunos.

Art. 3º As inscrições e matrículas para o ano de 2017 serão realizadas pela internet, no endereço eletrônico www.matricula.rio, de acordo com o calendário constante do Regulamento a que se refere o artigo anterior.

Art. 4.º Os casos omissos serão resolvidos pelos titulares da Subsecretaria de Gestão – E/SUBG e da Subsecretaria de Ensino – E/SUBE.

Art. 5.º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação.



Rio de Janeiro, 24 de outubro de 2016

REGINA HELENA DINIZ BOMENY
Secretária Municipal de Educação

 

 

REGULAMENTO

 

ANEXO I - QUADRO DE ENTURMAÇÃO 

(Alterado o Item 2, segundo o documento acima)

 

ANEXO II - CALENDÁRIO DE MATRÍCULAS

 

 


 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 24/10/2016

Resultado Prêmio Anual de Qualidade e Desempenho 2015

Tags: prêmio, qualidade, pda, desempenho.

 

 

 

RESOLUÇÃO SME N.º 1421 , DE 19 DE OUTUBRO DE 2016 (PUBLICAÇÃO NO DO DE 20/10/2016)

Divulga o resultado do Prêmio Anual de Qualidade referente ao ano de 2015 da Secretaria Municipal de Educação - SME

 

 

RESOLUÇÃO SME N.º 1422, DE 19 DE OUTUBRO DE 2016 (PUBLICADA NO DO DE 20/10/2016)

Divulga o resultado do Prêmio Anual de Desempenho referente ao ano de 2015 da Secretaria Municipal de Educação - SME

 

 

IMPORTANTE

Abaixo em anexo planilha referente ao Resultado do PAD 2015, publicada no DO-Rio de 20 de outubro de 2016.

Importante informar que neste arquivo estão incluídos alguns resultados a mais do que a publicação: de 5 unidades cujo índice continua em análise, porém é possível definir a premiação, em função dos valores em questão, a serem definidos (4 escolas são da 7ª CRE, e uma da 11ª CRE), e outras 3 cuja frequência na prova impede a premiação, independente do valor do índice em análise.

Os casos omissos já tratados anteriormente, de escolas novas, premiadas pelo posicionamento na respectiva CRE, ou as premiadas pelo Alfabetiza Rio também estão incluídas nesta lista.

Há ainda outras unidades em que a premiação permanece em análise, pois ou depende da definição final do índice, ou deveriam ter IDEB e não tiveram, recaindo em novos casos omissos, estes não tratados anteriormente em outras premiações, e que deverão ser tratados caso a caso.

 

RESULTADO DO PAD 2015 (.xlsx)


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 24/10/2016

Calendário das Provas Bimestrais e Avaliações Externas

Tags: calendário, provas, avaliação, externa.

 

 

Circular E/SUBE nº 53
Rio de Janeiro, 19 de outubro de 2016.

Assunto: 1. Calendário de Provas do 4º Bimestre
                          2. Orientações sobre as Avaliações Externas

 


Senhor(a) Coordenador(a) de E/CRE,
Senhor(a) Assessor de Integração da E/CRE,
Senhor(a) Gerente de Educação da E/CRE,
Senhor(a) Diretor(a) de Unidade Escolar,

 

Comunicamos o Calendário de Provas do 4º bimestre, com alterações nas datas das Provas Bimestrais, e encaminhamos orientações sobre as Avaliações Externas a serem realizadas neste período, solicitando ampla divulgação a toda a comunidade escolar.

 

 

 

Links para os documentos

 

CIRCULAR SUBE 53 PROVAS DO 4º BIMESTRE E AVALIAÇÕES EXTERNAS 2016

 

CALENDÁRIO DE PROVAS DO 4º BIM E AVALIAÇÕES EXTERNAS 2016

 

 

 


                         


   
           



Yammer Share