A A A C
email
Retornando 13 resultados para a tag 'fica a dica'

Segunda-feira, 07/01/2019

Vale a Pena Ler de Novo: Fica a Dica - Qualidades do Som

Tags: dicas, qualidades do som, educação musical, fica a dica.

 

Fica a Dica: Qualidades do Som

 

Olá!! smiley


Aqui estamos mais uma semana! Vamos começar hoje com uma pergunta: você conhece a plataforma de aulas digitais chamada Educopédia?


É um recurso educacional aberto, com conteúdo de várias disciplinas, cursos extras, incluindo games, entre outros. As aulas sempre começam com a revisão da aula anterior, com um desafio. Logo após, é apresentado o conteúdo da aula atual (começando com uma pergunta-chave), sempre ilustrada com áudios, vídeos, imagens. Quizzes também são inseridos em momentos específicos da aula e, ao final, o aluno será capaz de realizar uma síntese do conteúdo estudado.


Vale dizer que qualquer pessoa pode entrar nessa plataforma. É só fazer um pequeno cadastro e logar como visitante. Quem é professor da nossa rede municipal, tem acesso através do e-mail institucional Rioeduca, porém, entrar como visitante ou com e-mail institucional, não fará diferença no resultado final, pois o conteúdo acessado será o mesmo. Se tiver dificuldade de acesso com o seu e-mail Rioeduca, clique aqui.

 

Hoje, escolhi algumas aulas da Educopédia para falarmos sobre as qualidades do som. Nessas aulas, temos disponíveis vídeos e áudios que ilustram o tema trabalhado em sala e, com isso, acaba por deixar as aulas mais atraentes e nossos alunos mais motivados pela maneira objetiva e diferente de explicitar os conteúdos.


Após o login, ao clicar em sexto ano (que é o ano escolhido para essa dica), na aba “Educação Musical” você vai encontrar relacionados todos os conteúdos da disciplina, separados por bimestres.

 

 

 


Escolhi para falar, nesse momento, sobre as aulas números 2, 3, 4 e 5, do sexto ano, que correspondem às aulas sobre altura, intensidade, duração e timbre, respectivamente: as Qualidades do Som.

 

Ao entrar na plataforma e visualizar essas aulas, você só precisará clicar nas pastas correspondentes aos Planos de Aula e/ou Apresentações. Os arquivos serão baixados para o seu dispositivo e estarão prontos para serem utilizados, como também para serem modificados, caso seja necessário e pertinente.

 


 

Falando especificamente sobre essas qualidades:


Altura corresponde à nossa capacidade de distinguir sons graves, médios e agudos, produzidos pela vibração das ondas sonoras;

Intensidade: à distinção de sons fortes e fracos, associados, na execução musical, aos sinais de dinâmica e intensidade;

Duração: ao tempo que a vibração sonora é percebida pelos nossos ouvidos, refere-se à distinção de sons longos e curtos. É um elemento importante para a interpretação e escrita musical. São utilizadas figuras de som e silêncio para a representação das durações e, consequentemente, do ritmo musical;

Timbre: é a característica do som que nos permite distinguir sons de mesma frequência, refere-se também à nossa capacidade de distinguir a fonte de determinado som. Cada instrumento, voz, ruído, tem propriedades diferentes e é o que faz com que cada som seja diferente do outro e, mesmo de longe, podemos identificar que tipo de som está sendo produzido.

 

Classificar os sons quanto a esses elementos característicos nos ajuda a ampliar a percepção sonora (sons musicais, sons da natureza, ruídos, vozes), a melhorar a capacidade de escuta dos sons que nos rodeiam (no ambiente próximo ou distante), e de perceber detalhes sonoros que antes não conseguíamos ouvir e distinguir. É um bom exercício para aumentar também a capacidade de concentração dos nossos alunos.

 

Para saber mais sobre a Educopédia, clique aqui.

 

Fica a Dica! 


E aí, o que achou da nossa dica? Estamos esperando suas sugestões!!! Conte-nos como foi sua experiência ao usar a Educopédia! wink

 


 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 25/10/2018

Fica a Dica: Dia do Professor é Todo Dia!

Tags: fica a dica, educação infantil, 8ªcre.

 Fica a Dica: Dia do Professor é Todo Dia!

 

Como descrever em detalhes o que é ser um Professor de Educação Infantil?

 

Professor é professor, não importa para que idade leciona. No entanto, cada idade demanda uma especificidade. Hoje, dia do Fica a Dica - Educação Infantil, não poderíamos deixar de homenagear os Educadores de Creches, EDIs e Pré-Escola de nossa imensa rede no mês em que celebramos o Dia do Mestre

 

No dicionário consta que  a palavra professor significa: "Indivíduo que ensina, ministra disciplinas, matérias, numa escola ou universidade." Porém, não podemos mensurar ou significar o Professor apenas com palavras frias, destituídas de profundidade e sensibilidade. Ser Professor é muito mais!

 

 

 

 

Você até pode pensar em Professor como um profissional que necessita ter conhecimento e competência para instruir, e está correto, mas ainda assim ele é muito mais! Para exemplificar, e apenas para iniciarr a descrição, sabemos que todas as demais profissões que existem só se tornam possíveis, pois em primeiro lugar houve um professor.

 

O Professor de Educação Infantil 

 

 

 

Como não se emocionar quando falamos no profissional que escolhe trabalhar com o Cuidar e Educar de crianças de 6 meses a 4 anos e 11 meses? Há professores que acompanham o bebê, antes mesmo que ele diga as primeiras palavras e dê os primeiros passos. Em muitos casos, é o docente que registra esse momento e compartilha com a família.

 

A rotina do Educador de pequeninos é bem intensa e repleta de surpresas! Os olhos precisam de atenção redobrada, pois a criança está em plena descoberta do mundo, buscando desafios, conhecendo limites, reconhecendo no outro (adulto ou colega) suas diferenças e aprendendo a respeita-las. Está dando os primeiros passos não só no aprender a caminhar, mas na vida!

 

As redes sociais das instituições de Educação Infantil comprovam a excelêcia e maestria dos gestores, professores e educadores em suas atividades. . A criatividade nunca cessa, ao contrário, se multiplica e o sorriso no rosto  de cada criança é a prova real que a missão da Educação está sendo cumprida.

 

A Surpreendente Rotina da Educação Infantil 

 

Desde as primeiras horas da manhã, é o professor  quem acolhe o pequeno, ainda com sono, às vezes chorando. Logo após, a rodinha de conversa começa, mas antes tem o desjejum! 

 

A famosa roda de conversa é para falar e ouvir as novidades, momento essencial para o  desenvolvimento da linguagem e integração entre  alunos. Neste período,  aprendem a escutar o que o amigo conta. Também é a hora  de falar sobre o clima, apropriar-se cada vez mais de sua identidade (chamadinha) e surpreender a todos com suas histórias reais. As crianças pequenas tem muito para conversar e gostam de se expressar! Nesse universo infantil há espaço para cantigas de roda, sons de passarinho, sapo, pato, gato, cachorro e leão! E tem a Hora do Conto, instantes eternos em que podem deixar fluir  toda a imaginação!

 

 

 

 

Professor de Educação Infantil incentiva o cuidado com o meio ambiente, ensina que lixo se coloca na lixeira, e que regar as plantas é importante para que  elas continuem vivas. Professor de Educação Infantil é o adulto que brinca de carrinho e boneca, que trabalha sentado no chão, que desenha deitado, que brinca de catar folhas caídas no pátio e com elas faz mágicas e artes. O Professor de Educação Infantil é fada, bruxa, Capitão Gancho. Sabe se transformar em Saci e Chapeuzinho Vermelho. Desenha o céu e em nave espacial  viaja com seus alunos para lua e depois caem no chão, e sem machucar o joelho!

 

Professor de Educação Infantil fica cansado sim, e muito! Há dias em que parece que nem vai dar conta, mas  logo se reanima. Ele reconhece em suas ações a importância no desenvolvimento integral da criança, de modo que esta aprenda brincando e interagindo. As lições e alegrias vivenciadas na primeira infância são levadas por toda a vida.

 

 

Professor de Educação Infantil sabe a alegria de receber um abraço verdadeiro de uma criança e o valor que tem ouvir "eu te amo".

 

Nosso #ficaadica é que você Professor de Educação Infantil se orgulhe cada vez mais da profissão que escolheu, que perceba o quanto sua vida é importante para a construção de uma sociedade melhor e mais feliz.

 

 

 

Professor, você é nota mil e merece todo respeito, não só em outubro, mas todos os dias do ano!

Parabéns, suas ações transformam o mundo!

 

 

Envie sua experiência para: ruteferreira@rioeduca.net

 

 

Estamos aguardando!

Curta e Compartilhe!!!


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 08/10/2018

Fica a Dica - Instrumentos de Sopro

Tags: fica a dica, educação musical, instrumentos de sopro.

 

 

Fica a Dica: Instrumentos de Sopro

 

 

Olá!

Estamos aqui, mais uma vez, trazendo dicas sobre Educação Musical. Começamos, há algumas semanas, falando sobre os instrumentos musicais e suas famílias. Falamos dos instrumentos de percussão, dos instrumentos de cordas e hoje, vamos falar sobre os instrumentos de sopro.


Esses instrumentos, como o próprio nome já diz, tem seus sons produzidos pelo sopro, pela vibração de uma coluna de ar dentro do corpo do instrumento.
 

“Os instrumentos de sopro surgiram quando os homens primitivos sopraram ossos e bambus e descobriram que podiam emitir sons similares ao cantar dos pássaros. Em geral, são formados por um tubo, sendo o som produzido pela passagem de ar em seu interior. Quanto maior e mais largo é o tubo, mais grave é o som que produz. Pertencem a esta família as madeiras, instrumentos originalmente construídos em madeira, e os metais.” (https://bit.ly/2ODXW33)

 

Como todos os outros instrumentos, os maiores emitem sons mais graves; enquanto os menores, sons mais agudos. Eles se dividem em madeiras e metais. Para alguns autores, por considerarem essa uma classificação eurocêntrica, preferem classificá-los baseado apenas no meio produtor de som: embocadura, palhetas simples, duplas e livres, arestas, etc.


Se nos atentarmos à classificação entre madeiras e metais, podemos dizer que os instrumentos de sopro de madeira são assim classificados quando o som é produzido pela vibração direta dos lábios do executante sobre um bocal ou sobre uma palheta simples ou dupla.
 

Os instrumentos de sopro de metais são os que produzem o som pela vibração direta dos lábios do executante sobre um bocal de metal.


Outros autores discordam dessa afirmação e consideram que essa classificação se dá de acordo com a forma como as notas são executadas. Nas madeiras, abrindo e fechando orifícios existentes no corpo do instrumento; enquanto nos metais, os sons saem pela campânula. (https://bit.ly/2q5JW3g).

Apesar de alguns instrumentos serem classificados como sendo do grupo das madeiras (flautas, clarineta, oboé, entre outros), não necessariamente eles são construídos com esse material. Como vimos, não é o material utilizado que vai classificá-lo como um ou outro, mas, sim, a forma pela qual o som é produzido. 


Os instrumentos de sopro de metal apresentam uma sonoridade muito potente. Exemplos: a trompa, o trompete, o trombone e a tuba, que fazem parte de orquestras, assim como de bandas.


O número de instrumentos de sopro é bastante extenso. E, para a sua execução, há muitas técnicas por detrás, como a técnica da surdina (“ao serem encaixadas na campânula do instrumento, criam uma obstrução à saída do ar e, ao absorver algumas frequências, tornam o som abafado” - https://bit.ly/1QrGqYb) e a respiração circular (“Uma das técnicas mais difíceis de dominar. O músico armazena na boca e libera lentamente o ar, sem interromper o sopro, ao mesmo tempo que inspira pelo nariz”. - https://bit.ly/1QrGqYb). Existem outras técnicas, mas aqui citei apenas essas duas.

 

A embocadura (“Uso dos músculos faciais e dos lábios contra uma boquilha ou bocal de um instrumento de sopro. A embocadura apropriada permite ao instrumentista tocar o instrumento na sua completa extensão, a manter o som limpo e a evitar possíveis danos aos seus próprios músculos” - https://bit.ly/2CXAtn2), o controle do sopro, a intensidade são aspectos trabalhados ao se estudar a execução desses instrumentos.


Temos muitos exemplos de instrumentos de sopro. Nossos alunos, inclusive, conhecem muitos deles, como a flauta doce, a flauta transversa, o saxofone, o trombone, a gaita, e muitos outros.
 

A flauta doce é muito utilizada em algumas escolas, pois é um instrumento funcional na musicalização de crianças e adolescentes e também por ser um instrumento de maior facilidade de aquisição, fácil de ser transportado, implicando, assim, na sua utilização na iniciação musical.

 

“Por ser um instrumento de sopro e de emissão simples, funciona como a extensão da própria voz. Até um bebê, se bem estimulado, pode tirar som da flauta doce. Já nas primeiras lições, a criança obtém um resultado imediato, conseguindo tocar pequenas músicas com duas ou três notas. Tocando e cantando as canções do repertório, o aluno vai ajustando a afinação, trabalhando a respiração, vivenciando o fraseado musical e desenvolvendo a percepção auditiva.” (https://bit.ly/2Cu1SvI)

 

A flauta doce é assim chamada por causa do seu som suave e aveludado. Apresenta-se de variados tamanhos e, consequentemente, com extensões de altura variadas.

 

“A flauta doce mais conhecida é a flauta soprano, que tem uma sonoridade aguda. Na verdade, pertence a uma família que conta ainda com as flautas contralto, tenor e baixo, maiores e de som mais grave. É o quarteto de flautas-doce, com formação semelhante à família das cordas: violino, viola, violoncelo e contrabaixo.” (https://bit.ly/2Cu1SvI)

 

Enfocando na utilização da flauta doce, deixo aqui, como sugestão, uma aula do Portal do Professor do MEC que inclui atividades com a flauta e execução de percussão com copos (https://bit.ly/2PQxtff)

De acordo com os autores, com essa aula, os alunos serão capazes de: 

1) Desenvolver a percepção rítmica através da percussão com copos de plástico;
2) Desenvolver a percepção melódica através da prática instrumental com a flauta-doce;
3) Desenvolver habilidades para tocar a flauta-doce e os copos de plástico;
4) Tocar as notas musicais SOL-LÁ-SI-DÓ-RÉ na flauta-doce através da execução da música “When the saints go marching in” e dos exercícios propostos;
5) Executar arranjo para flauta-doce e percussão com copos de plástico.

 

A utilização dos copos nesses arranjos musicais traz também à tona a questão da reutilização e o aproveitamento de materiais como objetos de produção sonora em locais onde não há instrumentos musicais disponíveis.


Os autores trazem também nessa aula, além da partitura tradicional, uma partitura adaptada, com recursos gráficos idealizados por eles, para alunos que ainda não leem as notas na pauta tradicional de cinco linhas (pentagrama).


Acredito que essa aula seja bastante pertinente e pode ser uma grande aliada em trabalhos musicais, tanto da flauta doce quanto da percussão.

Além disso, você poderá trabalhar a percepção sonora, a leitura de partituras, o tocar em conjunto, a concentração. O trabalho prático com instrumentos ou vocal propicia esses aspectos.


Deixo aqui, também, um vídeo demonstrativo de alguns instrumentos de sopro para ilustrar esse relato:

 

 

E aí, gostaram da nossa dica da semana? Estamos sempre aguardando sugestões. Escreva pra gente!! smiley

 

Fica a Dica!! 

 



 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 26/09/2018

Fica a Dica: Romeu e Julieta

Tags: fica a dica, livro, romeu, julieta.

 

Fica a Dica: Romeu e Julieta

 

 

 

O fica a dica dessa semana vai contar a história de Romeu e Julieta. Mas calma aí! Não é a famosa tragédia criada por William Shakespeare, essa história é um pouco diferente.


O livro, Romeu e Julieta, é da autora Ruth Rocha, com ilustrações de Mariana Massarani.


Num passado distante, havia um reino colorido e repleto de floras, muito lindo para cheirar e ver, mas aqueles que viviam ali não podiam se conhecer, já que tudo era separado por cores.


“O que era BRANCO morava junto com o que era BRANCO. Todas as flores BRANCAS no mesmo canteiro. As borboletas BRANCAS só visitavam o canteiro BRANCO.”


No canteiro AMARELO vivia uma linda família de borboletas amarelas e sua filha se chamava Julieta.


Julieta já sabia voar e sempre que tentava voar para o canteiro AZUL sua mãe a impedia, cada borboleta no seu canteiro, ela dizia. Isso deixava Julieta muito triste.


Romeu era uma borboleta azul e morava com sua família no canteiro de Miosótis. Ele borboleteava por todo o lugar, mas seu pai sempre o alertava do perigo de voar nos outros canteiros, lugar de borboleta AZUL é no canteiro AZUL, sempre foi assim, dizia ele.


Um belo dia de primavera seu amigo Ventinho convidou ele para dar uma volta no canteiro das margaridas, lá era muito bonito e ele tinha uma amiga que se chamava Julieta, que era muito boazinha. Romeu ficou receoso no início, mas acabou cedendo.


Assim começou a amizade de Romeu e Julieta.


Os três voaram sem rumo, brincando entre as flores e acabaram entrando na floresta. Lá viram coisas que nunca imaginavam, plantas diferentes, bichos de todos os tamanhos e até uma família fazendo piquenique. Mas no meio de toda essa aventura acabaram sumindo dentro da floresta.


Seus pais preocupados, não ousavam atravessar o limite dos seus canteiros.


A noite caiu e Romeu, Julieta e ventinho, assustados, cansados e com frio, não encontravam o caminho para casa.


“Será que ninguém vem nos busca?”, perguntava Julieta.


Como terminará essa aventura?


Será que essa narrativa vai acabar em tragédia como a original? Ou os personagens homônimos dessa história terão um final feliz?


Esse livro nos permite trabalhar e explorar diversos assuntos. Contextualizar autores e obras, produzindo um final para essa história; Pensar a diversidade como forma de agregar valores; Falar dos seres vivos e do meio ambiente que nos cerca; Reconhecer as estações do ano e apresentar as características da primavera.


Que tal encher nosso ambiente de cores e flores?


Termino hoje com uma poesia de Vinicius de Moraes.


AS BORBOLETAS


Brancas
Azuis
Amarelas
E pretas
Brincam
Na luz
As belas
Borboletas.

Borboletas brancas
São alegres e francas.

Borboletas azuis
Gostam muito de luz.

As amarelinhas
São tão bonitinhas!

E as pretas, então...
Oh, que escuridão!

 

Fica a Dica! 


Conto com sua participação, professor(a). Mande também suas dicas e sugestões e vamos explorar o mundo literário!
Até a próxima semana!


 
 


   
           



Yammer Share