A A A C
email
Blog destinado a grandes especialistas da Educação. Você também pode participar. Veja como.

Quinta-feira, 19/07/2018

Fica a Dica: O Brasil que a Creche Municipal Vovó Benta Quer

Tags: blogrioeducadores, educopédia, mídias, especialistas, educação infantil, creches, edis, professores de educação infantil.

Fica a Dica: O Brasil que a Creche Municipal Vovó Benta Quer

 

A Creche Municipal Vovó Benta está localizada em Nova Sepetiba, Zona Oeste do Rio de Janeiro. A palavra Creche já é um nome doce, agora quando falamos Vovó Benta aí então que a doçura toma conta! Assim, você pode imaginar que as #DICAS que a equipe enviou para a #GITE (Gerência de Inovação e Tecnologia Educacional) irão tornar esses breves minutos de leitura uma delícia!

 

O meses de junho e julho foram aquecidos pelo tema Copa do Mundo. Os pequenos das turmas dos maternais também torciam para ver a rede balançar com as bolas dos nossos artilheiros. Deste modo, a equipe não perdeu tempo e aproveitou o interesse da criançada para emplacar uma goleada, no entanto, fazendo o gol muito mais valioso: O Cuidado com o Meio Ambiente.

 

O Brasil que Eu Quero
Goleada de Valores

 

 

A turma do maternal EI-31 participou de rodas de conversas, ouviu histórias interessantes e realizaram atividades que incentivaram os pequenos a refletirem acerca da construção de um mundo melhor para viverem. Em entrevista com a equipe da creche, foi pontuado que o território no entorno da instituição, ainda precisa de um olhar mais cuidadoso, e ninguém melhor que as crianças para se tornarem multiplicadoras do que aprendem. Segundo a gestora Cristiane, o momento da Copa foi a ocasião perfeita para conversar sobre o que seria um Gol de Placa para a Comunidade! 

 

  O Brasil que Eu Quero
 Um por todos e todos pelo planeta!

 

 

 


Os Educadores das turmas EI-32 e EI-33 observaram o comportamento da turma e concluíram que  apresentar às crianças experiências que provam que o meio ambiente é vivo, precisa de carinho, proteção e cuidados seria uma vivência significativa. As crianças arregalaram os olhinhos quando souberam que até mesmo cada um deles era responsável pelo cuidado com o planeta.

 

A Creche acredita que as crianças, mesmo com pouca idade, são capazes de compreender a Educação Ambiental se esta for ensinada de forma lúdica e criativa. Muito mais do que conscientizar sobre o lixo, reciclagem e datas comemorativas, é necessário provocar situações que possibilitem a Comunidade Escolar analisar mais profundamente o planeta que habitamos, afinal, somos seres integrados e integrantes da natureza.

 

Cada atividade teve seus objetivos baseados nas Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil (DCNEI, Resolução CNE/CEB nº 5/2009): “a criança como sujeito histórico e de direitos, que, nas interações, relações e práticas cotidianas que vivencia, constrói sua identidade pessoal e coletiva, brinca, imagina, fantasia, deseja, aprende, observa, experimenta, narra, questiona e constrói sentidos sobre a natureza e a sociedade, produzindo cultura” (BRASIL, 2009).

 

Os objetivos da Creche com o projeto foram : Propiciar o desenvolvimento de virtudes indispensáveis à formação humana e atividades relacionais; favorecer o cuidado com o outro e regras de convivência; resgatar os valores e virtudes de cada aluno, ensinando-os através do teatro e da ludicidade lições valiosas para a vida; explorar as possibilidades expressivas do próprio movimento, utilizando gestos diversos e o ritmo corporal nas suas brincadeiras, danças, jogos, dramatizações e demais situações de interação; demonstrar atitudes de respeito para com o colega, utilizando sempre as palavrinhas mágicas;

 

   Fica a Dica:

 

A equipe da Creche deixa algumas #DICAS para os professores que desejarem desenvolver o tema com suas turmas:

• Sensibilizar os alunos sobre a importância da preservação do Meio Ambiente, identificando as situações que causam danos, como: poluição sonora, poluição, desmatamento, queimadas extinção de animais e outros;
• Solicitar aos pequenos colaboração no cuidado com a creche (não jogar lixo no chão, evitar barulho excessivo);
• Realizar atividades ao ar livre, de observação sobre a importância do ar e das árvores para todos os seres vivos;
• Realizar atividades lúdicas que façam os alunos reconhecerem os elementos prejudiciais a natureza.
 • Criar com as crianças atividades que envolvam as cinco cores básicas aos lixos correspondentes. (Verde= vidro, Amarelo=metal; Azul= papel; Vermelho= plástico; Marrom= orgânico).
• Utilizar os brinquedos confeccionados com material reciclado em sala de aula nos momentos lúdicos a eles proporcionado;


A Creche Vovó Benta mostrou que criança brinca, mas também pode aprender sobre os cuidados com nosso planeta.

 

Agora, é a sua vez de enviar o projeto de sua unidade e compartilhar #DICAS que serão postadas e multiplicadas nas redes sociais.

 

 

   Envie também sua #DICA sobre suas atividades e projetos

 

 







 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 18/07/2018

Fica a Dica: Livro A colcha de retalhos

Tags: fica a dica, livros, retalhos.

 

Livro: A colcha de retalhos

 


O livro dessa semana é “A colcha de retalhos”, de Conceil Corrêa da Silva e Nye Ribeiro Silva, com ilustrações de Semíramis Paterno.


No mês de julho se comemora o dia dos avós e, para celebrar essa data, vamos mergulhar nessa maravilhosa história.


Felipe costumava ir nos finais de semana para casa da vovó, e como se não bastasse todas as gostosuras que ela sabia cozinhar, bolo de chocolate, balas de coco, pão de queijo, vovó ainda sabia contar histórias, sempre dando vozes aos personagens dos livros. Lá não tinha hora para comer, hora para brincar e nem hora para dormir.


Um belo dia, Felipe encontrou sua avó envolvida em uma porção de pedaços de tecido, espalhados pelo chão, perto de sua máquina de costura. Quando sua avó lhe explicou que estava construindo uma colcha de retalhos, logo se prontificou a ajudar separando os retalhos, os de bolinhas, os de xadrez, os de florzinhas...

 

“- Olha esse pano listrado, é daquele pijama que você fez para mim quando a gente passou aqueles dias no sítio, lembra?
- É mesmo, Felipe, estou me lembrando. Que férias gostosas! Andamos a cavalo, chupamos jabuticaba... As jabuticabeiras estavam carregadinhas!”

 

E, assim, começaram a lembrar das histórias de cada pequeno pedaço de pano. Lembranças antigas, lembranças recentes, lembranças alegres e aquelas capazes de fazer chorar.


Esse livro nos permite explorar a importância da família e como ela se apresenta na formação do indivíduo, desempenhando um papel importante na educação formal e informal. No convívio familiar aprendemos a respeitar, formar vínculos, adquirir responsabilidades.


Cada um de nós carrega experiências, aprendizagens e memórias que refletirão em nossa jornada.


Através das memórias, alegres ou tristes, construímos nossa história, nossos valores, nossa identidade.


Através das memórias podemos trabalhar sentimentos como saudade, angústia, frustração e felicidade.


Através das memórias conhecemos um pouco de tudo e de todos que nos cercam, somos parte de uma comunidade, de uma escola, de uma família e não devemos ficar só, mas, a cima de tudo, conhecemos a fundo aquilo que está dentro de nós.


Que tal criarmos com nossos alunos uma colcha de memórias, ops, de retalhos?


Ah! Algumas pessoas afirmam que a palavra saudade é singular e única, substantivo abstrato que só existe na língua portuguesa. Será? Vamos envolver outras disciplinas, pesquisar a origem da palavra, ver as traduções que podemos encontrar e decifrar esse dilema.


Termino hoje com uma passagem da obra “A Saudade Brasileira”, do poeta da Academia Brasileira de Letras, Osvaldo Orico (1900-1981): “Nenhuma palavra traduz satisfatoriamente o amálgama de sentimentos que é a saudade. Seria preciso nos outros países a elaboração de um conceito que também amalgamasse um mundo de sentimentos em apenas um termo”. 

 

Fica a Dica! 


Conto com sua participação, professor(a). Mande também suas dicas e sugestões e vamos explorar o mundo literário!
Até a próxima semana!

 


 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 16/07/2018

Fica a Dica: Trilha Sonora

Tags: dicas, trilha sonora, educação musical.

 

Fica a Dica: Trilha Sonora

 

 

Olá! Estamos aqui com o “Fica a Dica” em mais uma semana!! smiley

Hoje vamos falar sobre trilha sonora. Todas as vezes que estamos assistindo ao nosso seriado favorito, filme, novela, etc., estamos sempre percebendo que essas produções envolvem sons. Sons esses que criam um clima de acordo com a cena que está sendo representada.

Uma determinada música pode representar uma cena de suspense, canções mais "suaves" retratam climas românticos, músicas “animadas” propiciam outras passagens. A música, como já dito em publicações anteriores, está ao nosso redor. E, hoje, focaremos onde ela é imprescindível: nas produções televisivas, teatrais, cinematográficas, de games, entre outras.

Trabalhar com a percepção ou criação dessas “trilhas” em sala é sempre um trabalho prazeroso e que desperta emoções. São atividades que envolvem a sensibilidade, nas quais os alunos podem refletir e colocar sua carga emocional nas cenas criadas/imaginadas.

Podemos explorar, assim, a criatividade, a sensibilidade, a percepção, a composição, entre outros.

De acordo com o Dicionário Informal, Trilha Sonora significa “em inglês: soundtrack, uma narrativa em som de filme, novela e seriados”. (https://www.dicionarioinformal.com.br/trilha+sonora/

A trilha sonora acompanha e reforça a mensagem que está sendo passada através de determinadas imagens. Além de novelas, séries, filmes, as trilhas sonoras também estão presentes em jogos de videogames, tão consumidos por nossos alunos. É parte essencial dessas produções, onde intensificam cada momento particular representado.

Podemos trabalhar a percepção dessas canções, que ilustram determinadas cenas.

 

Como sugestões de atividades:

• Que tal se os alunos ouvissem essas canções e produzissem desenhos ou histórias que retratassem tais momentos? Ele pode, ao ouvir as canções selecionadas, imaginar e criar cenas que se encaixem com determinados trechos da música, intensificando, suavizando, reforçando ideias, criando “ambientes”, de acordo com a sua percepção;

• A utilização de determinados instrumentos nas músicas também é um grande fator a ser percebido e levado em consideração, pois cada um deles retrata determinada emoção, para cada cena que está sendo representada;

• Podemos selecionar algumas trilhas sonoras de filmes conhecidos e pedir aos alunos que associem sentimentos e emoções retratados naquele momento, naquela cena;

• Além desta atividade, podemos explorar também o corpo como forma de representação de canções selecionadas, imaginando e criando pequenas produções cênicas, explorando, mais uma vez, a imaginação;

• E, se possível, podemos sugerir que os mesmos criem/produzam trilhas sonoras curtas para cenas/histórias previamente selecionadas ou ainda criadas por eles próprios.

São muitas as possibilidades de atividades com este conteúdo, além da contextualização inicial do tema em si.

As atividades precisam ser ajustadas para cada nível de ensino. Podemos trabalhar este conteúdo com alunos menores até os maiores dos anos finais do ensino fundamental.

Vale ressaltar que, apesar de algumas padronizações - sons graves e intensos para retratar cenas de suspense, sons suaves para climas amenos, entre outros -, devemos considerar que cada sujeito é um sujeito e que isto vai refletir sobre cada um em sua percepção particular.

Os diferentes sujeitos envolvidos terão diferentes respostas para cada estímulo. De qualquer forma, a percepção e a criatividade serão exploradas, além das emoções envolvidas no trabalho.

Temos muitas trilhas sonoras de filmes/jogos/novelas bastante conhecidas. Ao ouvir, conseguimos associar a música a algum registro anterior porque faz-nos remeter a uma memória afetiva, que determinado momento possa ter criado.

O trabalho de percepção do som, associado às nossas emoções, é sempre relevante para que nossa compreensão musical e artística seja ampliada.

Como ilustração da dica da semana, deixo aqui, como exemplo, uma das músicas da trilha sonora de “Sim City” – série de jogos de simulação na qual o jogador constrói e administra uma cidade (https://pt.wikipedia.org/wiki/SimCity):

 

 

Fica a Dica!! 

E aí, gostou da dica da semana?! Sugira, escreva pra gente!! Aguardamos suas sugestões!! wink

 


 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 05/07/2018

Fica a Dica: ZOOando no Parque da Alegria

Tags: blogrioeducadores, educopédia, mídias, especialistas, educação infantil, creches, edis, professores de educação infantil.

 

ZOOando no Parque da Alegria

 

 

Hoje temos mais um dia de #DICAS para educadores de Educação Infantil! 


O relato de hoje foi realizado no Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) Parque da Alegria, localizado no Caju e que atende em tempo integral e parcial, crianças do Berçário, Maternal I e Maternal II.

Para quem ainda não conhece, o Caju é um bairro da Zona Portuária da cidade do Rio de Janeiro e tem um significado especial na história brasileira. Ele foi cenário constante dos banhos medicinais de Dom João VI e se tornou um glamoroso e nobre balneário frequentado pela elite portuguesa. Nos dias de hoje, quem passa pelo bairro não imagina que as águas das praias do Caju eram tão límpidas e que uma delas era conhecida como Praia Formosa. Atualmente,  as adversidades presentes no bairro transformaram-se em idéias para modificar o ambiente e encantar os pequenos e  grandes das famílias do EDI Parque da Alegria. 


No primeiro semestre, as educadoras e crianças dedicaram-se a temática "Eu e o Mundo Animal", no qual foi abordado o Reino Animal. As crianças conviveram com diversas manifestações artísticas, experiências diversificadas e vivenciaram formas de expressão e linguagens, como pinturas, modelagens, colagens, teatro e música. Tudo devidamente registrado em fotos e portfólios das turmas.


Para cada história de um bichinho, as educadoras ouviam indagações sobre o que eles faziam, comiam e onde viviam. Os pequenos traduziam em palavras, movimentos e expressões o interesse provocado pelo tema. Os responsáveis, por sua vez, materializavam a satisfação, revelando-se inspirados e participativos. As educadoras orgulhosas dos resultados se empenhavam ainda mais no planejamento e nos detalhes.

 

Bicho pra Cá, Bicho pra Lá, O EDI Parque da Alegria está em todo lugar!

 

 

O sucesso do projeto superou as expectativas. A meninada brincou com as fantasias, explorou novos conhecimentos e participou ativamente das propostas apresentadas. No prosseguimento desta jornada encantadora, os alunos perceberam as diferenças e riquezas das espécies que compõem o Reino Animal e suas peculiaridades. Os educadores investiram tempo e cuidado no estímulo à pesquisa dos miudinhos e os encorajaram a apreciar um pouco do ciclo de vida de alguns animais.

As crianças caminharam pela unidade à procura de seres vivos. Encontraram insetos e  bichinhos diferentes. Seguiram o caminho feito pelas formiguinhas e imaginaram mil e uma histórias para a vida de cada uma delas.


O EDI instigou ainda mais, pois juntos construíram terrários e aquários dentro das salas. Experiência para morar na memória de cada criança por toda a vida! Todas as manhãs ao entrar nas salas, queriam observar, perguntar e olhar com aqueles olhinhos de quem reconhece as coisas mais doces dessa vida. Como é bom ser criança e descobrir as mais singelas belezas que os adultos esquecem de admirar!


A comunidade apoiou o projeto e o Zoo do Parque até mesmo subdividiu os espaços da Unidade em três ambientes: "Animais que voam, animais que habitam na água e animais que vivem na terra". Cada espaço recriou para a comunidade escolar o habitat dos animais. As crianças curtiram e os pais se emocionaram com tanta dedicação, afinal, a cada dia, seus filhos contavam uma aventura diferente que haviam descoberto sobre o reino animal.

 


 

A professora de Educação Infantil Rosangela Chagas relatou: “Simplesmente perfeito! Imagine seu aluno narrando o fantástico mundo marinho para os adultos e falando das intervenções que o homem faz na natureza. Simplesmente maravilhoso!"


O diretor adjunto,  professor Bento, também deixou registrada a honra de participar de um projeto tão significativo: “Quem é que já viu, tocou, imitou ou até mesmo cuidou de um jabuti? As crianças vivenciaram e experimentaram todas essas alegrias! Foram dias de grandes aprendizados!”

 

Fica a #DICA para projeto sobre o Reino Animal para crianças pequenas:


 > Utilizar materiais recicláveis, revelando a importância do meio ambiente e conservação da natureza;
> Contação de Histórias envolvendo fantoches e teatro;
> Fantasias de animais;
> Construção de terrários;
> Observação dos animais do ambiente da instituição.

 

Curtiu as #DICAS do Projeto do EDI PARQUE DA ALEGRIA? 

 

Envie também sua #DICA sobre suas atividades e projetos! 

 


   
           



Yammer Share