A A A C
email
Blog destinado a grandes especialistas da Educação. Você também pode participar. Veja como.

Segunda-feira, 24/09/2018

Fica a Dica: Os Instrumentos de Percussão

Tags: fica a dica, educação musical, instrumentos de percussão.

 

Fica a Dica: Os Instrumentos de Percussão

 

 

Olá!


Sabemos que os instrumentos musicais são agrupados em famílias, de acordo com suas características. Temos as famílias dos instrumentos de percussão, de cordas, de sopros...


Vamos nos deter hoje na família dos instrumentos de percussão. São instrumentos fáceis de serem encontrados. Na sala de aula, para falar sobre eles, peço sempre para os alunos relatarem se conhecem alguns dessa família.


Cito para os alunos a formação das baterias das escolas de samba (uma vez que essa manifestação é mais próxima deles), que usam percussão em suas construções e, assim, eles começam a associar os instrumentos que tem características semelhantes, como na forma de produção do som, e conseguem identificar e compartilhar os que já conhecem.


Os instrumentos de percussão tem como característica o som produzido pela vibração originária do “embate”, do “choque” entre dois corpos, da agitação ou da fricção. Seja uma baqueta em um tambor, o “choque” entre duas clavas, a mão no pandeiro, a baqueta no tamborim, o chacoalhar de outros.


Eles são divididos em membranofones, idiofones e cordofones.

 

Nos membranofones, os sons são produzidos através de uma membrana, como uma pele esticada no tambor, e o som é produzido através da vibração dessa pele (Exemplos.: tambores em geral, pandeiro, tamborim, cuíca, entre outros).


Nos idiofones, os sons são produzidos a partir da vibração do corpo de todo o instrumento, por agitação, fricção, etc. (Exemplos: agogô, reco-reco, triângulo, castanholas, entre outros).


Os cordofones englobam os instrumentos que possuem corda, onde a mesma é percutida (através de um martelo ou baqueta) para a produção do som, como no caso do piano, que tem altura definida.


O instrumentista que toca esse tipo de instrumento é chamado de percussionista.


Os sons da percussão podem ser de altura indeterminada - a maioria deles e são utilizados, primordialmente, com função rítmica; e de altura determinada - como os xilofones e os tímpanos -, que podem ser utilizados com funções harmônica e melódica.

 

Vale ressaltar, também, que o tamanho do instrumento difere no resultado do seu som. Instrumentos maiores terão sons mais graves, enquanto os menores, sons mais agudos. E isso pode gerar atividades em sala de aula para a percepção de altura, mais uma propriedade do som que pode ser observada, além do timbre desses instrumentos.


Em algumas escolas, temos à nossa disposição instrumentos que fazem parte das “bandinhas rítmicas”, que podem ser utilizados com nossos pequenos para exploração e produção de sons, individual ou coletivamente, em arranjos simples para acompanhamento, ou apenas para que os mesmos os conheçam e percebam o timbre que cada um deles possui, através da exploração e da descoberta.


Não precisamos nos restringir aos instrumentos das bandinhas. Podemos também utilizar outros tipos de objetos para produzir sons percussivos, como latas, tampas, cabos de vassoura, caixas, pratos, chaves, entre outros. Materiais que iriam para o lixo e que podem ser reaproveitados, tornando-se meios de produção sonora. Podem ser feitos com materiais de sucata ou recicláveis.


Explorar os instrumentos de percussão desenvolve a percepção rítmica, explora a possibilidade de reconhecimento de timbres, amplia a percepção sonora, enfatiza a vivência das atividades coletivas, entre muitos outros benefícios. Experimentem! wink

 

 

Fica a Dica! 


Gostaram da nossa dica da semana? Escreva pra gente! Aguardamos suas sugestões! smiley

 


 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 13/09/2018

Fica a Dica: Brinquedos Não Estruturados - Aprendizado, Alegria e Imaginação !

Tags: educação infantil, creches, edis, fica a dica.

 

Fica a Dica! Brinquedos não Estruturados -

Aprendizado, Alegria e Imaginação!

 

 

 

Estamos aqui com mais uma quinta-feira de #Dicas bem legais para quem trabalha com crianças em Creches, EDIS (Espaços de Desenvolvimento Infantil ) e  até  mesmo  para as mamães que apreciam uma boa #Dica para brincar com seus pequenos.  Alguns adultos podem lembrar que quando éramos crianças tínhamos uma grande variedades de objetos para inventarmos nossos brinquedos. Quem lembra?

 A Caixa de papelão  que trouxe o eletrodoméstico que a família comprou, virava casa, fogão, geladeira…. Pequenos galhos e um barbante davam asas à um super avião! Esta lista de invenção não tem fim, pois a imaginação da criança está no auge da criatividade, na qual elementos da natureza ou sucatas podem ser transformados em bonecas, carros, dragões, foguetes e em tantos outros brinquedos que até mesmo os adultos ficam surpreendidos!

Na verdade, sabemos que nossos alunos nasceram na Era Digital! É notável o fascínio que a tecnologia exerce até mesmo sobre os bem pequenos. Eles demonstram interesse nos jogos de smartphones e tablets, mas experimente colocar próximo aos miúdos algumas caixas, sucatas, cola…. A atenção  logo se voltará visando construir seu próprio brinquedo. Um ato de criação, imaginação, autoria e alegria!

 

O que significa Brinquedos Não Estruturados ? 

 


 

Brinquedos Não Estruturados são objetos que as crianças podem brincar, mas que não estão prontos. Alguns exemplos de objetos não estruturados são garrafas pet, caixas de papelão de diversos tamanhos , gravetos, pedras, areia e tudo mais que os pequenos adoram pegar pelo caminho. Eles são os protagonistas da criação e da brincadeira . 

 

Quando damos um carrinho, boneca ou bola para uma criança, normalmente ela já sabe o que fazer e facilmente se cansa, desejando um novo brinquedo pronto. Já os brinquedos não estruturados possibilitam a criança ser criança. Cilindros, pirâmides, cubos, prismas, paralelepípedos podem se transformar em castelo, cidade, bolo de chocolate. São inúmeras possibilidades em um só brinquedo. Além disso, essa construção do brinquedo e no brincar estimula algumas funções cognitivas, pois nesse processo as crianças precisarão de organização, planejamento, flexibilidade cognitiva, criatividade, manutenção da atenção, memória e diversas outras capacidades mentais.


“A imaginação, como base de toda a atividade criadora, se manifesta por igual em todos os aspectos da vida cultural, possibilitando a criação artística, científica e técnica. Neste sentido, absolutamente tudo o que nos rodeia e que foi criado pela mão do homem, todo o mundo da cultura, em diferenciação ao mundo da natureza, tudo é produto da imaginação e da criação humana, baseados na imaginação(Vygotsky)

 

Nesse contexto, o Projeto Pedagógico Anual 2018 da Creche Municipal Sempre Vida Parque da Conquista, da 1a Coordenadoria Regional de Educação é: "Brincar é Aprender a Vida com Alegria".  

 

 


 

A Equipe da unidade não mede esforços para planejar, executar e avaliar junto aos pequenos as grandes descobertas do protagonismo. O envolvimento com a criação de brinquedos envolve também a família, que aprende como é importante deixar seu filho criar!

 


Fica a Dica de alguns materiais não estruturados para aguçar a imaginação dos pequenos:

 

Papelão;

Caixas de ovos;

Rolos de papel;

Fitas adesivas;

Retalhos;

Tinta;

Tampas;

Folhas árvores;

Galhos;

Balões;

Lã;

Pedrinhas;

Papéis … e o que a imaginação contribuir! 

 

Curtiu a #DICA da equipe da Creche Sempre Vida Parque da Conquista?

 

Então, além de aprimorar seus conecimentos a respeito da importância da brincadeira com brinquedos não estruturados na vida dos pequenos, você pode participar nos enviando  dicas, experências ou um relato sobre um projeto desenvolvido com seus alunos.

 

Estamos aguardando!

Envie sua experiência para:

ruteferreira@rioeduca.net 

 

  


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 12/09/2018

Fica a Dica: Conto A cartomante

Tags: dica, conto, cartomante.

 

Conto: A cartomante

 

 

Que tal variarmos um pouco nosso foco? A dica dessa semana é o conto de Machado de Assis, “A Cartomante”, publicado em 1884 no jornal Gazeta de Notícias do Rio de Janeiro. Este conto está disponível na Educoteca, a biblioteca da Educopédia.


“Hamlet observa a Horácio que há mais cousas no céu e na terra do que sonha a nossa filosofia. Era a mesma explicação que dava a bela Rita ao moço Camilo, numa sexta-feira de novembro de 1869, quando este ria dela, por ter ido na véspera consultar uma cartomante;”


Desesperada, com medo de que Camilo viesse a esquecer dela, Rita recorreu as previsões de uma cartomante, para acalmar seu coração apaixonado. Camilo a repreendeu, embora se sentisse lisonjeado, e jurou que lhe queria muito. Depois do encontro separaram-se, cada um seguindo seu caminho.


É aqui que o narrador apresente nossos personagens: Vilela, Camilo e Rita.


Camilo é amigo de infância de Vilela, o primeiro por não ser nada acabou no funcionalismo público, enquanto o segundo abandona a carreira de magistrado para ser advogando na Capital, casado com Rita, uma dama formosa e tonta, um pouco mais velha que ambos.


“Uniram-se os três. Convivência trouxe intimidade. Pouco depois morreu a mão de Camilo, e nesse desastre que o foi, os dois mostraram-se grandes amigos dele. Vilela cuidou do enterro, dos sufrágios e do inventário; Rita tratou especialmente do coração, e ninguém o faria melhor.”


Camilo caiu de amores por Rita, tentou lutar contra seus sentimentos, mas não resistiu. “Adeus, escrúpulos!”


Um certo dia, Camilo se depara com uma carta anônima afirmando que sua aventura com Rita era de conhecimento de todos. Com medo de uma catástrofe, começou a ir, cada vez menos, à casa de Vilela, que sentiu o sumiço súbito do amigo. Tais ações levaram Rita, desconfiada e apreensiva, a procurar a Cartomante.
As cartas continuaram chegando, mas Rita achava que de tão apaixonadas não poderiam ser advertência da virtude e sim despeito de algum pretendente, mesmo assim resolveram ser mais cautelosos.


No dia seguinte, Camilo recebeu um bilhete de Vilela: “Vem já, já, à nossa casa; preciso falar-te sem demora.” De posse dessas palavras, começou a temer pelo pior. Em seu caminho, se depara com a casa da cartomante, nunca quis tanto acreditar nas lições das cartas. Quando deu por si, a curiosidade o desespero o levou a bater na porta.


A cartomante o acalmou, declarando que não se amendrontasse, que nada aconteceria a eles e que o marido não sabia do envolvimento deles. Confiante se dirigiu para seu destino.
E que destino. Ao entrar na casa de Vilela, Camilo não pode sufocar um grito de terror...


Agora é com você, professor. Pergunte a seus alunos, como este conto termina. O que será que Camilo viu quando chegou lá?


Apresente as características de um conto, contextualize a obra e seu magnífico autor. Recrie a narrativa, faça um concurso e, porque não, publique o conto vencedor na Educoteca. Você conhece essa plataforma?


Além de outras aventuras literárias, lá você pode criar sua própria história, de forma criativa e simples, através da Máquina de Publicar. Este recurso possibilita a criação de livros digitais de forma rápida e fácil. Ela possui várias ferramentas que permitem a inserção de diferentes mídias, como textos, imagens, músicas, efeitos sonoros, histórias em quadrinhos, que podem ser originadas do banco de dados padrão da Máquina de Publicar ou criada pelo próprio autor.
 

Fica a Dica!  


Conto com sua participação, professor(a). Mande também suas dicas e sugestões e vamos explorar o mundo literário!
Até a próxima semana!


 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 10/09/2018

Fica a Dica: Música e Meio Ambiente

Tags: dicas, educação musical, meio ambiente, fica a dica.

 

Fica a Dica: Música e Meio Ambiente

 

 

Olá!


Nessa semana, vamos falar um pouco das possibilidades que temos ao trabalhar o Meio Ambiente em sala de aula, associando a disciplina de Música para esse conteúdo.


Antes de começarmos o trabalho, aliando meio ambiente e música, com os alunos (como canto de canções selecionadas, análise de letra, apreciação, interpretação, entre outros) precisamos primeiro falar sobre o tema em sala de aula. Quem sabe podemos fazer um trabalho interdisciplinar com os professores de Ciências? Tratar do uso consciente dos nossos recursos, de ecologia, problemas ambientais, preservação, escassez, soluções para tal... Podemos contextualizar esse conteúdo nos âmbitos da fauna, flora, dos rios, florestas, etc.


A música inspira muitos compositores a falar sobre a destruição do meio ambiente pelo ser humano, sobre a escassez e poluição da água, entre outros.


Esse é um importante trabalho de conscientização que pode ser realizado com os nossos alunos, através de canções selecionadas, contextualizando o tema. Para isso, temos muitas músicas no nosso cancioneiro.


Temos alguns exemplos de músicas possíveis de serem trabalhadas que podem ser encontradas neste site. Aqui você encontra, além das canções, pequena análise do que está sendo falado nas mesmas.


Podemos também trabalhar em sala de aula com reciclagem de materiais e aproveitamento de objetos (como latas, garrafas pet, copos plásticos, tampas de garrafa, etc.) e construir instrumentos musicais. É uma forma de aproveitarmos esses objetos que seriam descartados e termos a possibilidade de produzir sons com eles.


Aqui você encontra exemplos de como podemos aproveitar esses materiais. Nesse outro site, você encontra exemplos de construção de instrumentos com materiais recicláveis.


Após a elaboração desses instrumentos, podemos ensaiar com nossos alunos pequenos acompanhamentos para as canções antes analisadas e cantadas em sala e apresentar para a turma, para a escola como um todo.


Temos também uma sugestão de aula no Portal do Professor do MEC, que utiliza a música como suporte ao desenvolvimento do conteúdo aqui apresentado. Essa aula usa, além da música “Planeta Água”, jogos e vídeos, e sugere uma pesquisa para os alunos sobre sua rotina em casa e a abordagem sobre o consumo consciente da água.


Projetos sobre meio ambiente são sempre muito bem recebidos pelos alunos, responsáveis, professores, por toda a comunidade escolar. Geram trabalhos interdisciplinares, feiras e o que é mais importante: conscientização.

 

Se quiser saber mais sobre "sustentabilidade", nosso portal também tem uma grande dica pra você! É só clicar aqui!

 

Aproveite!! wink

 

 

Gostaram da nossa dica? Escreva pra gente!! smiley

 

Fica a Dica!! 

 


 


   
           



Yammer Share