A A A C
email
Retornando 3 resultados para a tag 'educação'

Sexta-feira, 03/06/2016

A Importância dos Objetos de Aprendizagem para o Ensino da Geografia

Tags: educopédia, objetos de aprendizagem, tecnologia da educação.

 

 

 

 

 

 

 

A utilização de recursos digitais da plataforma Educopédia como tecnologia da educação. 

 

 

Como trabalhar conceitos e aprendizagens de uma disciplina que não se limita às quatro paredes de uma sala de aula? Ou como fazer associações, relações do mundo nas suas diversas escalas de espacialidade, do local para o global e vice-versa, se fundamentando somente em textos discutidos em sala de aula? E ainda, provocando uma argumentação, como fazer com que o Ensino da Geografia vá além de uma disciplina meramente descritiva ou de memorização de dados e conceitos? Reportando-nos ao que escreveu MORAES (1999) sobre a obra de Lacoste em relação à Geografia dos Professores: “Em primeiro lugar, mascarar a existência da “Geografia dos Estados-Maiores”, apresentando um saber inútil; assim, mascarar o valor estratégico de saber pensar o espaço, tornando-o desinteressante para a maioria das pessoas.”


A priori é fundamental a compreensão do que a Geografia significa enquanto “Ciência da Sociedade e da Natureza”. De acordo com PONTUSCHKA (2009), a Geografia “como ciência humana, pesquisa o espaço produzido pelas sociedades humanas, considerando-o como resultado do movimento de uma sociedade em suas contradições e nas relações estabelecidas entre os grupos sociais e a natureza em diversos tempos históricos.” Partindo dessa premissa, dissociar o Ensino da Geografia da relação homem-mundo a faz assumir um caráter sem qualquer relevância para a formação do educando em uma instituição educacional.


Uma questão que curiosamente podemos salientar é o caráter que a Geografia assume na Geopolítica de Geografia do “Poder”, sendo suas informações, dados e compreensão das relações no espaço sócio –econômico imprescindíveis para “fazer a guerra” em relação ao surgimento e uso das tecnologias, como diz KENSKI (2012): “desde o início dos tempos, o domínio de determinados tipos de tecnologias, assim como o domínio de certas informações, distinguem os seres humanos. Tecnologia é poder. ” O que esses saberes têm em comum, pode potencializar o processo de ensino-aprendizagem. Ainda como diz KENSKI (2012), “a educação também é um mecanismo poderoso de articulação das relações de poder, conhecimento e tecnologias. ”


E na atualidade, o meio digital proporciona essa possibilidade de trazer as discussões que perpassam por todos os níveis da sociedade, por todos os segmentos sociais (política, econômica, ambiental, etc), para dentro de uma sala de aula através de Objetos de Aprendizagem disponíveis como recursos digitais. De acordo com PONTUSCHKA (2009), “na era da globalização, em que as informações chegam de forma muito rápida por meio da televisão, do cinema, do rádio, do vídeo, do computador, o trabalho pedagógico do professor enriquecer-se-á se ele utilizar todos esses recursos para a produção de um conhecimento que ajude o aluno a compreender o mundo em que vive. ”


Um exemplo de utilização de Objetos de Aprendizagem como facilitador ou suporte para o processo de ensino-aprendizagem é a “Plataforma Virtual de Aulas Digitais da Educopédia”, onde todas as aulas de todas as disciplinas têm um repositório desses recursos digitais como vídeos, games, notícias, enfim, uma gama de recursos disponíveis como sugestões para o professor trabalhar com seus alunos não tão somente dentro da sala de aula, mas também como fonte de pesquisa e investigação para além do ambiente escolar. Mas é fato pontuar que esses chamados “Objetos de Aprendizagem” não têm um fim em si mesmos e não funcionam como passe de mágica. Cabe ao professor aproveitar ao máximo esses recursos, propondo discussões, atividades, trabalhos em grupos, análises, para que o mesmo objetive a otimização do ensino. Só a sua execução ou exibição não garantem o êxito de uma proposta pedagógica.


A seguir, um exemplo prático de utilização de um objeto de aprendizagem da Educopédia em uma aula de geografia:
 

Acesse 8ºano – Geografia

Aula nº 29: O Espaço Econômico Canadense e suas Relações com os EUA – atividade 21

 

Referências Bibliográficas:
MORAES, Antonio Carlos Robert. Geografia pequena história crítica. SP: Hucitec, 1999.
KENSKI, Vania Moreira. Educação e Tecnologias. O novo ritmo da informação.8ªed – Campinas, SP. Papirus, 2012.
PONTUSCHKA, Nídia Nacib. Para ensinar e aprender geografia/Nídia Nacib Pontuschka, Tomoko Lyda Paganelli, Núria Hanglei Cacete. - 3ªed.-SP: Cortez, 2009.

 


 

 

 

Juliana de Oliveira da Silva
Graduada em Geografia – Licenciatura - pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro – Faculdade de Formação de Professores
Professora de Geografia no Município do Rio de Janeiro.
Professora do Ensino Médio de Geografia e Sociologia no Estado do Rio de Janeiro.
Elemento da Equipe Educopédia/Rioeduca da SME/RJ.

 



 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 13/05/2015

Educação Financeira no Brasil Existe?

Tags: educação, educopedia, financeira.

 

 

É comum, ouvir falar do endividamento do brasileiro, escutar em locais públicos reclamações sobre finanças pessoais. Mas, será que o brasileiro sabe cuidar do seu dinheiro? Tenho visto muitos livros de auto ajuda sobre o tema, projetos de lei sobre Educação financeira etc.


O fato é que o brasileiro realmente tem alguns hábitos que não contribuem para sua saúde financeira e eu particularmente acredito que seja consequência da falta de uma educação para finanças.


Muitas pessoas costumam comprometer sua renda total sem levar em consideração que precisam ter uma reserva financeira para emergências, justificam que ganham mal, por isso não sobra nada para poupar, mas a verdade é que consumimos sem planejar e pensar no amanhã. Compramos em desacordo com nossa renda, nosso consumo é muitas vezes superior a nossa renda mensal. É fácil andar pela rua e ver promoções em parcelas quase infinitas, onde pessoas que ganham um determinado valor comprometem mais do que podem para saciar seu desejo de consumo.


Acredito que é urgente que as famílias e a escola reservem um tempo para ensinar as crianças a como se planejar financeiramente, pois só assim teremos pessoas mais equilibradas com suas finanças e consequentemente terão mais qualidade de vida.


Uma dica para quem quer iniciar estudos sobre o tema são aulas de Matemática Financeira da Educopédia. Veja como simples acessar: http://www.educopedia.com.br/

 

 

 

 

 

 

 

 

 


     

 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 06/04/2015

Minha Primeira Biblioteca – A novidade da Educação Infantil

Tags: educaçãoinfantil, aulas, professor.

 

 

A Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro acredita na formação de sujeitos leitores e produtores de cultura desde a Educação Infantil, que vivem e interagem em uma sociedade letrada e midiática.

 

As crianças são sujeitos sociais ativos e criativos, que observam e vivenciam práticas de leitura e de escrita a todo instante. É comum vê-las perguntando sobre fatos cotidianos, manuseando livros, utilizando aparelhos eletrônicos, entre outras ações corriqueiras. Independente da classe econômica e social de suas famílias, elas estão em contato diariamente com diversas mídias, as quais requerem diferentes usos e lógicas. Daí a sua capacidade de se apropriar de novas linguagens para descobri-los.

Partindo deste princípio e seguindo as orientações da Gerência de Educação Infantil, a equipe Educopédia/Educação Infantil busca oportunizar às crianças e aos profissionais que atuam na pré-escola uma proposta inovadora de expressão verbal (oral e escrita), utilizando as mídias digitais como ferramenta do processo educativo.

Minha Primeira Biblioteca é um curso da Educação Infantil, disponível na plataforma Educopédia, composto de 32 aulas digitais não lineares, produzidas por professores da rede municipal com experiência em turmas de Educação Infantil, podendo ser trabalhadas tanto online quanto offline.

As aulas foram organizadas a partir dos livros do projeto “Minha Primeira Biblioteca”, do Caderno de Atividades e do Caderno de Férias da Pré-Escola. Elas propõem atividades individuais, em pequenos e grande grupos, promovendo momentos riquíssimos de interação entre as crianças, entre as crianças e o computador, de criação, produção textual, leitura, brincadeiras... Enfim, as aulas digitais vem somar à prática pedagógica do professor, o trabalho com as diferentes práticas de letramento no cotidiano da Educação Infantil.

O Minha Primeira Biblioteca vem acompanhado de planos de aula com orientação, competências e habilidades, auxiliando o professor na hora do planejamento.

Veja como é fácil e divertido acessar!

O Minha Primeira Biblioteca pode ser acessado por professores, pais e crianças, no site www.educopedia.com.br e as aulas digitais podem ser baixadas seguindo o passo a passo abaixo.

Entre como visitante:
 

 

Clique em Educação Infantil:

 

 

 

Clique em Minha Primeira Biblioteca:

 

Escolha um dos planos de aula e baixe em seu computador:

 

Muitas atividades poderão ser desenvolvidas sem a conexão com a internet, bastando o professor projetá-las em telão ou quadro branco, utilizando o datashow. É possível, ainda, adaptar as propostas, usando materiais presentes no cotidiano da Educação Infantil.


A equipe Educopédia/Educação Infantil se coloca a disposição pelo email educopediaei@gmail.com para estabelecer um diálogo com você, professor! Envie elogios, sugestões, comentários, críticas! Para nós, a sua participação é fundamental!


 Chegou a hora de ousar! Mãos à obra!


 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share