A A A C
email
Retornando 305 resultados para a tag '9ªcre'

Quinta-feira, 15/06/2017

Interações na Pré Escola: faz-de-conta no EDI M. O. Arthur Nory

Tags: 9ªcre, pre, escola, letramento.

 

O EDI M. O. Arthur Nory, nas brincadeiras da turma da Pré Escola EI 51, construiu um “mercadinho”. Através deste faz-de-conta, as crianças aprenderam brincando, conheceram regras e questões de convivência social.

A criança está em processo de desenvolvimento. Dessa forma, a Educação Infantil atua a fim de desenvolvolvê-la na sua integralidade. O professor deve pensar e oportunizar diariamente brincadeiras que contribuam para o desenvolvimento e aprendizado das crianças, contextualizando-as com vivências e experiências das mesmas. 

 

  

 

 


Sabe-se que as crianças se desenvolvem e aprendem a partir das interações (com seus pares, adultos e materias) e das brincadeiras. O brincar permite o desenvolvimento de diversas habilidades e conhecimentos, pois a criança aprende brincando. Desse modo, as brincadeiras preisam estar presentes no planejamento e devem ser oportunizadas durante a rotina na Educação Infantil. “Assim, garantir na Educação Infantil um espaço de brincar é assegurar uma educação numa perspectiva criadora e que respeita a criança e seus modos de estar no mundo. Brincar é uma atividade que se aprende na relação com o outro e que sofre contínuas mudanças ao longo do tempo.” (OCEI, pag. 17)
 

Para começar a brincadeira...

Foi enviado aos responsáveis um bilhete, pedindo para que contribuíssem, enviando embalagens de alimentos, produtos de limpeza, higiene, entre outros. Assim que receberam as embalagens, a turma começou o processo de preparação do nosso mercado. No primeiro momento foi informado à turma, que nosso mercadinho, seria organizado em três espaços (categorias): alimentos, higiene pessoal e limpeza e demarcamos estes espaços nas prateleiras (plaquinhas). Nesta etapa, foi escolhido pela turma, o nome do nosso mercadinho: Mercadinho dos Amigos.

No segundo momento, começamos a preparar os “produtos” para o mercado, com a colocação dos preços. Foram escolhidos somente preços simples, iguais às cédulas em circulação em nosso país (Real). Ex: R$ 2,00 / R$ 5,00 / R$10,00 / R$20,00 / R$ 50,00 / R$ 100,00.

 

Em seguida, começamos o processo de separação dos nossos “produtos” de acordo com as categorias pré-estabelecidas, organizando-os nos seus respectivos lugares.

Nesta etapa, foi explorada a Linguagem Oral e Escrita. Através das embalagens, trabalhamos com a Matemática, com formas geométricas, quantidades, noções de grandeza, comparando o tamanho das embalagens, identificando os numerais presentes nos rótulos e seu respectivo valor, comparando produtos de marcas diferentes (mais caro/barato). Além disso, foi possível avaliar o conhecimento da turma acerca da utilização dos produtos apresentados, no cotidiano (para alimentação, limpeza ou higiene). Não esquecendo do tema “Sustentabilidade”, pois os “clientes” sempre levam suas sacolas/bolsas. 

Assim que todos os produtos já estavam com seus preços e em seus lugares, foi delimitado um espaço que seria onde ficaria o “caixa”, onde as compras seriam pagas. Foram distribuídas cédulas para as crianças comprarem os produtos e a brincadeira começou!

Além de brincadeira, o mercadinho também foi fundamental para abordar temas como Alimentação Saudável e Higiene. Vale lembrar que ele ainda está em “construção”, pois as crianças continuam trazendo embalagens de casa. Importante ressaltar que essa atitude tão simples faz com que as crianças se sintam parte integrante e fundamental não somente do nosso “mercadinho”, mas também da nossa turma!  

 

Do mercadinho ao alfabeto de rótulos

 

 

A construção do alfabeto de rótulos se deu como uma sequência do trabalho com o mercadinho. Dessa forma, foram utilizados rótulos de embalgens trazidas pelas crianças para o mercadinho e construímos o alfabeto de rótulos, identificando as letras iniciais de cada palavra e relacionando-as com o alfabeto (Ex.: A: Ana Maria, N: Ninho, etc.). Também comparando letras iniciais dos rótulos com as iniciais dos nomes das crianças da turma, observamos a composição dos produtos informada nas embalagens.

 


“Lembramos que a apropriação da linguagem escrita não pode se dar de maneira descontextualizada para a criança ou de maneira impositiva e arbitrária, pois nossas crianças vivem numa sociedade letrada e percebem a leitura e a escrita em diferentes situações de seu dia a dia, o que torna a leitura e a escrita atividades de seu cotidiano. Devemos, portanto, considerar essas experiências ao planejarmos as ações pedagógicas, para que as situações de aprendizagem sejam significativas e contextualizadas.” (Orientações ao Professor de Pré-Escola I e II, pag. 10)

 

Parabéns à professora Isabele e toda a turma da EI 51!

 

DADOS DA UNIDADE:

EDI Medalhista Olímpico Arthur Nory O. Mariano

Est. do Goiabal, S/N, Inhoaíba

Diretora: Mônica

 


 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 01/06/2017

Escola Municipal Almirante Frontin: 50 anos de trabalho, dedicação e união

Tags: 9ªcre, 50anos.

"Se não se pode fazer tudo o que se deve, deve-se fazer tudo o que se pode."

Almirante Frontin

 

A cerimônia de comemoração de 50 anos da Escola Municipal Almirante Frontin contou com a participação efetiva da Marinha do Brasil e pode mostrar os valores trabalhados aos seus alunos no cotidiano, tais como: O Amor, a Solidariedade, a Honestidade, a Determinação, a Fé, a Força, a Superação, o Respeito e a Honra. Esse resgate contribui para a história das pessoas, pode transformar vidas e ajuda na reconstrução dos valores na sociedade. Usando como bandeira a célebre frase de seu patrono, a Comunidade Escolar segue seu ideal, dedicada em fazer sua parte para a construção de um mundo melhor.

 

 

(Composição da mesa da direta para a esquerda: Atual Diretora Adjunta Alessandra Vasconcelos, Ex-diretora Maria Jeneci Magalhães, Comandante Monteiro (CIAMPA), Coordenador da 9ª CRE Profº José Mauro da Silva, Gerente de Educação da 9ª CRE Prfª Rita Simone, Ex-diretora Gilza Sgarbi e adjunta Prª Maria Clara Bastos)


A Escola Municipal Almirante Frontin tem como missão formar jovens autônomos, solidários e competentes, gestores de seus Projetos de Vida. Possui uma história de sucesso construída dia após dia com trabalho, prazer e união.

 

 

(Pelotão da bandeira)

 

Localizada em Campo Grande, no Bairro Pedra Angular, à Rua Nova Aliança, s/nº, a E.M.A.F. foi construída, no final da década de 60, para atender aos moradores do loteamento dos terrenos situados nas proximidades da Igreja de Sant'Ana, em ambos os lados das Estradas das Capoeiras e da Posse. Foi inaugurada em 21 de abril de 1967, tendo como Patrono o Almirante Pedro Max Fernando da Frontin, que prestou relevantes serviços à Marinha de Guerra do Brasil por mais de cinquenta anos.

 

(Banda da CIAGA)

 

"Resgatando Valores, Construindo Vidas." Um P.P.P. que revela a intencionalidade da escola, que acredita que através do resgate de valores pode-se encontrar o caminho para a construção de uma cultura de Paz. 
 

(Equipe docente com a direção antiga e atual e o Comandante da CIAGA)

Dados da unidade:

E.M. Almirante Frontin

R. Nova Aliança, S/N

Telefone: 3394-1613

Diretoras: Beatriz e Alessandra

 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 18/05/2017

Leitura por toda parte: chegou a FLID - Feira Literária do Doutel!

Tags: 9ªcre, feira, literaria, sala, leitura.

 

A leitura faz a gente viajar por muitos lugares e com diferentes personagens. Agora, imagine viver tudo isso no mesmo lugar?! Os alunos do CIEP Armindo Marcílio Doutel de Andrade viveram diversas aventuras literárias, de 02 a 05 de maio, na FLID - Feira Literária do Doutel, organizada pela Coordenadora Pedagógica Audrei com toda a equipe Doutel.

 

 

Teatro, sussurros literários, roda de conversa com autor, dentre outros, mobilizaram crianças, professores e a comunidade escolar. Através de diferentes leituras: com "A professora muita maluquinha" passando pela Turma da Mônica ou Gang´s Monica, até à "Menina Bonita do laço de fita". Alunos autores, atores e leitores se faz assim: com alegria, envolvimento e muito protagonismo. 

 

 

FLID 2017 - 1º Dia - Peça Teatral
Peça Teatral: KABÁ DAREBU, baseada no livro de Daniel Munduruku, encenada pelos alunos da Classe Especial e alunos do terceiro, quarto e quinto ano. Professores: Márcia Christine, Isabel Cristina e Erick.
Apoio: Família Doutel. 

 

 

FLID 2017 - 1º Dia - Sussurros Literários
Alunos do Projeto Voando Alto nas Asas da Leitura oferecem graciosos sussurros a alunos, professores e funcionários. 

 

 

 

FLID 2017 - 1º Dia - Encontro com o Autor
O prof. Carlos Eduardo de Souza, autor do livro "A evolução econômica e populacional de Campo Grande", nos deu a honra de um agradável e bem informado encontro em nossa FLID. Gratidão

 

 

FLID 2017 - 2º Dia - Uma professora muito maluquinha - Preparativos...
"Dona Cati" ou "tia" Catia Portela?
  

FLID 2017 - 2º Dia - PIBID/FEUC

Contação de história: Menina bonita do laço de fita, com alunos do PIBID-FEUC enriquecendo ainda mais a FLID. 

 

FLID 2017 - 2º Dia - PEJA - Poesias de Manoel de Barros-Turma 191

 

FLID 2017 - 2º Dia - Quadrinhos, sim!!! Os alunos traduziram e pintaram uns quadrinhos da "Monica's gang".

 

Parabéns a equipe Doutel pelo trabalho de qualidade construído e partilhado por todos.

 

DADOS DA ESCOLA

09.18.510 CIEP Armindo Marcílio Doutel de Andrade

Rua Flavio Fraga , s/n, Campo Grande

Telefone: 3394-3527

Diretor: Pedro J. Baptista

 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 04/05/2017

Conquistas e desafios no 6º ano Experimental

Tags: 9ªcre, sexto, ano, experimental, formação, professores, desafios, ensino, fundamental.

 

Na sala de aula da turma de 6º ano experimental do Ensino Fundamental na Escola Municipal George Washington os alunos encontram na professora Camila Gaspar, a regente de todas as disciplinas. Com organização pedagógica e integração das áreas de conhecimento, os alunos iniciam uma nova etapa educacional com poucas mudanças na estrutura, como nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Na fala da professora, os desafios e conquistas, de ser professor nesta modalidade.

 

“Ser professor do 6º ano experimental é um desafio, pois ”dar conta” de ensinar cinco disciplinas, sendo especialista em uma, exige planejamento e dedicação.”  Prof. Camila Gaspar.

 

(O PLANETA TERRA - movimentos de rotação e translação, estações do ano, inclinação do eixo)

 

A professora conta que, para trabalhar no sexto ano experimental, teve que refinar suas habilidades de combinar conteúdos, pois as disciplinas se relacionam entre si o que a tornou uma profissional mais versátil. O planejamento é pensado de forma que se aproveite a ligação entre os conteúdos das cinco disciplinas, dando ênfase as habilidades a serem adquiridas, trabalhando de forma interdisciplinar, numa visão menos fragmentada do conhecimento com aplicabilidade no dia a dia. Segundo a professora:


“As aulas são pensadas para facilitar a compreensão de como o mundo funciona, através do conhecimento de forma articulada, com práticas que tornam o conteúdo significativo no seu cotidiano e o motive a ser protagonista do processo de aprendizagem.”

 

PRODUZINDO TEXTO SOBRE A CAMPANHA “AQUI MOSQUITO NÃO SE CRIA”

 

A professora afirma a importância da participação nos encontros oferecidos pela Gerência de Educação da 9ª CRE, com a oportunidade de aprendizado através de um programa de formação específico para o professor de sexto ano experimental. Considera ainda fundamental a relação de parceria com a direção da unidade escolar, com a garantia de seu planejamento, incentivo e apoio de subprojetos e atividades específicos do sexto ano experimental.

 

CONSTRUINDO MAPAS MENTAIS

 

A LITOSFERA (TIPOS DE SOLO)

 

Para o professor Mario Sergio Mangabeira, responsável pelos encontros de formação dos professores do 6º ano experimental, na 9ª CRE: “Cada professor tem seu papel. Todos são importantes e contribuem decisivamente para a aprendizagem. É preciso conhecer, valorizar e levar em conta o potencial de cada colega! Há professores que são bons de organizar o material a ser usado, há os que são ótimos no uso das tecnologias, os que têm mais habilidades em determinada área de estudo... Se cada um colocar à serviço da equipe os seus melhores talentos, todos saem ganhando.”

A diversidade dos encontros contribui para a troca entre os pares com a equipe de acompanhamento, inclusive com experiências coletivas de formação. Em março aconteceu o planejamento pedagógico em conjunto com os professores novos divididos por quatro Polos de Planejamento no âmbito da 9@ CRE.

 

Polo de Planejamento na E. M. PRI Yolis da Silva. Dinamizadora: Professora Camila Jordino ( E.M 09.18.031 George Washington)

 

Polo de Planejamento na E.M PRI Professor Antonio Boaventura . Dinamizadora : Professora Sandra Manso

 

Polo de Planejamento na E.M PRI Dulce Araujo. Dinamizadora: Professora Andreia Nascimento ( E.M 09.18.044 Ernesto Nazareth)

 

Polo de Planejamento na E.M PRI Dalva Lazaroni . Dinamizadora: Professora Joyce Werneck (E.M 09.18.041 Antonia Vargas Cuquejo Cuquejo)

 

"Os professores trocaram experiências sobre o projeto, opções de planejamento e dicas para trabalhar de maneira articulada as disciplinas. Foram encontros menos teóricos e mais práticos", relata a professora Joyce Werneck, dinamizadora de um dos pólos de planejamento.



Parabenizamos os professores do Sexto Ano Experimental das unidades da 9ª CRE pela dedicação e compromisso com a educação de nossos alunos.

 


   
           



Yammer Share