A A A C
email
A Revolução Acontece: o blog da SME
Retornando 4 resultados para o mês de 'Agosto de 2014'

Quinta-feira, 14/08/2014

Favela Mundo Comemora 4 Anos

Tags: artes, .

 

FAVELA MUNDO comemora 4 anos e amplia número de vagas em novo núcleo de atividades, em Engenho de Dentro – 3ª CRE

 

ONG atende 205 crianças e adolescentes em novo endereço

Favela Mundo, ONG voltada para educação e cultura, inaugurou o novo núcleo de atividades em Engenho de Dentro no dia em que comemorou 4 anos de sua primeira aula.

O Lar Santa Bárbara e São José abriu suas portas para receber a organização. As atividades que antes aconteciam em Água Santa – a 500 metros do local atual - foram transferidas para o espaço em Engenho de Dentro, na Zona Norte. Além das aulas de desenho, inglês, ritmos afro-brasileiros, teatro e violão, desde o dia 2 de agosto tiveram início os cursos de ballet e circo, ampliando para 620 vagas oferecidas gratuitamente.

 

 

O Lar Santa Bárbara e São José foi fundado há 55 anos pela mãe Dalva, como era conhecida na região. Falecida há 14 anos, ela adotou 32 crianças moradoras de rua. 

A comemoração de 4 anos contou com a presença de alunos, familiares, professores e ex-professores da ONG, moradores de Água Santa, Engenho de Dentro, Piedade, Meier, Santa Cruz, entre outros além de representantes da SME, das escolas da região e do Eixo-Rio (ligados ao gabinete do Prefeito).

 

 

As aulas são gratuitas e acontecem diariamente, dependendo do curso escolhido. A única exigência é para os alunos menores de 18 anos, que precisam estar matriculados na escola. As atividades, lúdicas e profissionalizantes, são focadas em crianças e jovens de 6 a 18 anos.

 

Sobre a Favela Mundo

A ONG Favela Mundo foi fundada em 2010 e já atendeu mais de 900 pessoas, de 48 bairros e comunidades do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense.

Mais de 60% dos alunos têm entre seis e dez anos. “Em sua maioria, o perfil dessas crianças é de famílias monoparentais femininas. Independentemente disso, há casos de famílias desestruturadas, convivendo com violência e agressão. Por isso o trabalho com a arte se faz tão necessário”, conta Marcelo Andriotti, criador da ONG e professor de Artes da 10ª. CRE e destaque da revista VejaRio como “Carioca Nota Dez”.

 

 

Em 2013, Marcelo Andriotti representou o Favela Mundo no UNAOC-EF Summer School, em Nova York, Estados Unidos. O encontro contou com a participação dos maiores nomes da ONU. Foram mais de 140 mil inscritos do mundo todo e apenas 100 projetos selecionados. Dentre esses, Favela Mundo foi o único representante do Brasil. 

No ano anterior, a organização, em parceria com a Brigham Young University, desenvolveu o Favela Hope. A ação beneficiou os alunos, que tiveram a oportunidade de ter aulas de língua inglesa com professores da universidade americana.

Em 2014, foi o único projeto social brasileiro a ser convidado para participar do Romerías de Mayo, em Cuba. O Festival aconteceu em maio na cidade de Holguín.

 

Sobre o Marcelo Andriotti

Formado em Artes Cênicas pela UNIRIO (Interpretação e Licenciatura), Marcelo Andriotti juntou suas experiências como ator, arte-educador, produtor e caracterizador para criar a Favela Mundo baseado no tripé educação, cultura e formação.

“Nossa missão é contribuir para o desenvolvimento social e humano, utilizando a cultura, a educação, o esporte e a consciência ambiental como pilares centrais do alcance de uma cidadania plena”, comenta Marcelo Andriotti.


Serviço:
FAVELA MUNDO
Local: Lar Santa Bárbara e São José
Endereço: Rua Pernambuco, 1161 – Engenho de Dentro
Fone: 2236-4129
Site: www.favelamundo.org.br

 


 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 12/08/2014

Aprendendo Sobre as Células na Educação de Jovens e Adultos

Tags: ciencias, eja.

 

 

Os alunos da Educação de Jovens e Adultos do CIEP Samuel Wainer, 2ª CRE, estudaram as células, pesquisaram e fizeram atividades práticas sobre elas.

 

A célula é a unidade estrutural, funcional e genética de todos os seres vivos, exceto os vírus. Elas foram descobertas por Robert Hooke, em 1665, ao examinar uma fatia de cortiça, em um microscópio rudimentar. A palavra célula é derivada do latim cella que significa ”pequeno cômodo fechado”.

Os conhecimentos acima e muitos outros foram ensinados aos alunos da Turma 161 na aula sobre o conteúdo “Células”. Esses alunos demostraram um grande interesse pelo assunto durante a apresentação do conteúdo teórico pela professora e fizeram questão de anotar muitas informações apresentadas.

 

Apresentação teórica do conteúdo sobre células: alunos anotando informações que julgaram interessantes.


Com formação na área de pós-graduação em Biologia Celular e Molecular e especialista em Ensino de Ciências, a professora Lucineia que possui alguns materiais pessoais nesta área, levou para sala de aula e mostrou aos alunos uma célula animal e uma célula vegetal, ambas confeccionadas com massa de modelar.

Os alunos gostaram muito do material e puderam identificar nestes diversas estruturas que haviam aprendido durante a apresentação teórica do conteúdo.

 


Apresentação de material didático da professora: alunas observando a célula vegetal (amarela) e a célula animal (creme) e identificando estruturas aprendidas durante a apresentação teórica do conteúdo.


A professora levou também um microscópio para sala de aula e os alunos puderam, além de conhecer as principais partes de um microscópio, aprender noções básicas de microscopia e puderam, então, montar lâminas e observar células da própria bochecha. Além das lâminas montadas durante a aula, os alunos puderam observar lâminas fixadas de células da raiz de planta e protozoários (seres unicelulares).

 

Alunos observando células e seres unicelulares ao microscópio durante a atividade prática realizada na aula.

 

Para o aprimoramento do assunto estudado, a professora solicitou aos alunos que individualmente pesquisassem em livros ou na internet e fizessem um desenho de uma célula eucariótica.


O resultado desta atividade foi o recebimento de trabalhos maravilhosos como os mostrados abaixo, onde se pode observar claramente que os alunos realmente se aplicaram na realização da tarefa e deram o melhor de si, pois os desenhos ficaram caprichados.

 

Trabalho individual dos alunos: desenho de uma célula eucariótica.


Alguns trabalhos foram selecionados e um mural foi montado no corredor da escola. Foi acrescentado neste mural um conteúdo informativo para que todos que passassem por ele pudessem apreciar os trabalhos dos alunos e também pudessem obter algumas informações interessantes sobre as células.


Mural da escola montado com os trabalhos dos alunos da Turma 161 sobre o conteúdo “Célula”.


Embora seja perfeitamente possível ministrar de forma somente teórica o conteúdo “Célula”, o uso das atividades práticas proporcionadas aos alunos da Turma 161 da EJA do CIEP Samuel Wainer pela professora Lucineia promoveu uma motivação dos alunos durante a aula, despertou o interesse destes para o conteúdo e segundo as avaliações realizadas ao das atividades, pode-se observar que os alunos aprenderam muito e se mostram muito entusiasmados com as atividades realizadas.


 

Agradecimentos
A professora Lucineia agradece a toda a equipe da EJA do CIEP Samuel Wainer: a Diretora Angelica David, as diretoras adjuntas Norma Sueli Azevedo de Macedo e Antonieta Gioia Cruz da Silva, a coordenadora Pedagógica Mariene Bragança Fialho e aos professores Cristiane, Elizabeth, Daniel e Sarah, pelo carinho e apoio recebido durante o tempo em que esteve na referida unidade escolar.
 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 11/08/2014

Desafio Escola Solidária do Transforma

Tags: transforma, rio2016.

 

 

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share

Sexta-feira, 08/08/2014

Exposição de Velas Grafitadas por Alunos Colore a Área Externa da Marina da Glória

Tags: rio2016, transforma, .

 

Exposição de Velas Grafitadas por Alunos da Rede Municipal de Ensino Colore a Área Externa da Marina da Glória, Palco das Competições de Regata Internacional de Vela, primeiro evento-teste dos Jogos Rio 2016, também promove educação, arte e sustentabilidade.

 

       Cerca de 200 alunos de cinco escolas da rede municipal de ensino do Rio assinam a pintura das velas       (Foto: Rio 2016 / Delphine Moulin)

 

Enquanto a Regata Internacional de Vela, primeiro evento-teste dos Jogos Rio 2016, invade as águas da Baía de Guanabara, uma exposição de velas decoradas colore a área externa da Marina da Glória. Quem assina as obras de arte em grafite são cerca de 200 alunos de cinco escolas da rede municipal de ensino do Rio, integrantes do Tranforma, programa de Educação Rio 2016. A mostra - inspirada em temas ligados à sustentabilidade - pode ser vista até este sábado (09), quando termina a regata.


A iniciativa faz parte de uma série de ações realizadas pelo Comitê Rio 2016, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, que já incluiu o Transforma no sistema de políticas públicas da cidade.


“O primeiro evento-teste de vela está sendo um ensaio geral não apenas para os atletas, mas também para nossas ações de educação e de sustentabilidade ligadas às competições. No projeto, promovemos uma aproximação entre alunos e professores das escolas do Transforma com atletas de vela, artistas de grafite e profissionais de sustentabilidade. Esse é o verdadeiro espírito dos Jogos”, explica Mariana Behr, gerente de Educação do Comitê Rio 2016.

 

                        As velas estão expostas na área externa da Marina da Glória, no Parque do Flamengo                             (Foto: Rio 2016 / Delphine Moulin)

 

Para montar a exposição, os alunos participaram de palestras sobre história do grafite, processo criativo e a importância da água em esportes aquáticos. Assistiram ainda ao documentário “Lixo Extraordinário” e debateram com Tião Santos, protagonista do filme, o destino do lixo no Brasil e a importância da reciclagem. Após a palestra, os alunos pintaram as velas, inspirados em temas como: importância da água, ciclo de vida, escassez, preservação e esportes aquáticos.



“Nós encontramos no grafite a oportunidade de trabalhar sustentabilidade de uma forma lúdica e envolvente. A inspiração da pintura das velas veio a partir da reflexão que os alunos tiveram sobre a temática da água, lixo e reciclagem. É interessante ver que as mensagens que surgiram já mostram o quanto eles estão conscientes a respeito da importância desses temas", explica Sabrina Porcher, especialista em Engajamento para Sustentabilidade do Comitê Rio 2016.

 

                  Para realizar as pinturas, os alunos contaram com a orientação dos artistas da GaleRio                   (Foto: Rio 2016 / Delphine Moulin)

 

Nesta quarta-feira (06), cerca de 40 alunos da Escola Municipal Guimarães Rosa, na Zona Oeste da cidade, visitaram a exposição e assistiram de perto à movimentação das primeiras regatas. A escola foi a segunda colocada no desafio "Jogo Limpo", outra iniciativa do Programa de Educação Rio 2016.


“Nunca tinha visto uma competição de vela tão de perto assim, só na televisão mesmo. É muito legal. Trabalhamos muito no desafio na nossa escola e é muito bom ver que o nosso esforço valeu a pena. Hoje vamos poder relaxar e curtir a nossa recompensa”, conta a estudante Ana Caroline, uma das agentes jovens do programa.

 

                               Desenhos são inspirados no ciclo da água e nos esportes aquáticos                                    (Foto: Rio 2016 / Delphine Moulin)

 

Os professores também destacaram a importância de trazer novos esportes para a realidade dos alunos.


“Sempre tentamos apresentar novos esportes para os alunos, pois muitas vezes, os jovens ficam ligados apenas ao futebol e quase nao têm conhecimento das outras modalidades que existem. É sempre bom fazer com que eles vejam de perto e, pelas experiências que tivemos, as crianças e adolescentes são muito receptivos a essas novidades. Foi assim quando mostramos o rugby, que era totalmente novo para eles e hoje já faz parte da nossa escola. O esporte é uma ferramenta poderosa de educação e tentamos sempre desmistificá-la e torná-la acessível para todos os alunos”, afirma a diretora Jorgina Teixeira.


A exposição foi organizada em parceria com a Plataforma de Arte Urbana GaleRio, e todas as velas usadas foram doadas por atletas, como o proeiro Eduardo Penido, campeão Olímpico na classe 470 nos Jogos Moscou 1980.

 

Confira no vídeo abaixo os bastidores da ação:



 

Fonte: Rio 2016 - Notícias

 

 

                               

 

 

 


   
           



Yammer Share