A A A C
email
Retornando 286 resultados para a tag '2ªcre'

Terça-feira, 19/12/2017

Inclusão: Dentro e Fora dos Espaços Escolares

Tags: 2ªcre, educação especial, inclusão.

 

Os alunos da Escola Municipal Noel Rosa visitaram o AquaRio e a equipe pedagógica organizou-se para que um aluno da Educação Especial também pudesse participar das atividades propostas neste dia juntamente com sua turma e demais participantes.

 

A professora Claudia Togashi, regente da Sala de Recursos da E. M. Noel Rosa, enviou ao portal Rioeduca um relato sobre a experiência do trabalho realizado nas Salas de Recursos que dão suporte aos alunos da Educação Especial.

No dia 27 de setembro de 2017, as turmas 1.202 e 1.402 da Escola Noel Rosa foram visitar o AquaRio, localizado na Zona Portuária da cidade. Buscando promover cada vez mais o processo de inclusão de pessoas que fazem parte do público-alvo da Educação Especial, não somente no espaço escolar, mas também em outros espaços sociais, a escola se organizou para que um aluno com diagnóstico de Transtornos Globais do Desenvolvimento (TGD) da turma 1.202 pudesse participar também deste dia diferente e animado.

 

Visita ao AquaRio

 

Com a parceria da família de da sua rede de apoio (professora do Atendimento Educacional Especializado (AEE) e uma voluntária da Educação Especial), o aluno participou de todas as atividades propostas para aquele dia, juntamente com seus colegas da turma e da escola, a professora da turma e a direção escolar.

A professora do AEE confeccionou para a excursão uma prancha de Comunicação Alternativa e Ampliada (CAA) temática desenvolvida especialmente com vocabulários possíveis para serem utilizados na visita. A Comunicação Alternativa e Ampliada é uma importante ferramenta para oferecer aos indivíduos que possuem dificuldades de oralização a possibilidade de comunicar-se com seus pares. É usada para favorecer a comunicação dessas pessoas, como foi o caso do aluno com TGD.

 

Professora da turma e aluno usando a prancha  temática de Comunicação Alternativa e Ampliada.

 

Ressalta-se que o Atendimento Educacional Especializado é, de acordo com o MEC, “um serviço da educação especial que identifica, elabora, e organiza recursos pedagógicos e de acessibilidade, que eliminem as barreiras para a plena participação dos alunos, considerando suas necessidades específicas" (SEESP/MEC, 2008). Os professores de AEE atuam nas diversas Salas de Recursos disponibilizadas pela rede municipal de ensino, oferecendo suporte no processo de inclusão dos alunos público-alvo da educação especial matriculados na rede regular de ensino.

Prancha de Comunicação Alternativa e Ampliada.

 

Com o uso da prancha temática de Comunicação Alternativa e Ampliada, o aluno conseguiu expressar suas vontades e desejos, mostrando que queria ver o tubarão e o peixe palhaço (referindo-se ao personagem Nemo, do filme de animação).

É importante promover mais espaços inclusivos para que não somente a pessoa com deficiências e TGD possa permear por todas as esferas sociais, mas também para que todos ao seu redor aprendam outros e/ou novos mecanismos ou recursos que existem, a fim de facilitar a vida desses indivíduos na sociedade. A participação no evento fora dos muros da escola garantiu não somente o desenvolvimento das questões sociais e comunicativas, como também favoreceu a possibilidade de mais um espaço de aprendizagem garantida para todos os alunos e profissionais envolvidos!

Agradecemos à professora Claudia Togashi por compartilhar conosco esta atividade de inclusão de alunos especiais e desejamos sucesso a toda equipe da unidade escolar.

 

O contato da unidade escolar é: emnoelrolsa@rioeduca.net

 

Divulgue também o trabalho de sua escola no portal Rioeduca.

Entre em contato com o representante de sua CRE.

 

 

Renata Carvalho - Professora da Rede e representante do portal Rioeduca na 2ª CRE

renata.carvalho@rioeduca.net
 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 12/12/2017

Área Verde da E. M. Camilo Castelo Branco Transforma-se em Sala de Aula

Tags: 2ªcre, literatura, meioambiente.

 

A área verde da E. M. Camilo Castelo Branco é uma grande e rica sala de aula. Nela alunos aprendem História, Matemática, Ciências, Geografia, Literatura e cuidados com o Meio Ambiente.

 


O texto abaixo foi enviado pela professora Jenny Iglesias, regente da unidade escolar, que nos conta sobre a proposta de ter uma horta colaborativa na escola.

Vizinha do imponente Jardim Botânico, a escola tem uma grande área verde, com canteiros de uma horta, muitos jardins, árvores nativas da Mata Atlântica e uma vegetação que atrai muitos animais e, por isso, a equipe pedagógica apostou no seu potencial para incluir no currículo um assunto essencial: a Educação Ambiental.

Este espaço privilegiado recebe a visita de alunos e professores que estudam e aprendem sobre a importância de preservar o meio ambiente e de torná-lo sustentável. Nesta sala de aula ao ar livre fica mais fácil entender sobre o clima na Terra, a erosão do solo, o crescimento dos vegetais, a decomposição de matérias orgânicas que se transformarão em adubo e tantos outros assuntos que escutamos e lemos nos livros didáticos.

 

Professor Roberto, de História, cuida da área verde e usa este espaço como sala de aula para ensinar arqueologia.

 

Através de algumas parcerias, a escola complementa o estudo de Ciências e de Geografia a partir de projetos como o do Ciclo Orgânico, idealizado e coordenado por Lucas Chiabi, que utiliza a escola como ponto de coleta e compostagem de material orgânico recolhido nas residências do entorno. Em troca, alunos e professores da Camilo veem de perto o processo de decomposição de restos orgânicos até a obtenção do adubo.

 

O material é recolhido nas residências em bicicletas que não poluem e ainda incentivam a diminuição de veículos na cidade.

 

Parte deste adubo é utilizado em outro projeto desenvolvido desde agosto deste ano pela profissional Renata Carijó, coordenadora do projeto socioambiental Carpe, que revitalizou os canteiros de uma horta desativada há tempos. Duas turmas de 6º ano participam desta atividade cujo objetivo é a produção de alimentos livres de agrotóxicos que complementarão a merenda escolar.

Cerca de 60 alunos fazem a manutenção dos canteiros, o plantio de alimentos orgânicos, regam as mudas sempre e aguardam ansiosos a primeira colheita de hortaliças, legumes e ervas medicinais, tudo sob a supervisão de Renata, que realiza este trabalho de forma voluntária e tem uma ajuda de custo para a compra de mudas e sementes de ex-alunos da escola.

A Matemática teve destaque no início do processo de revitalização da horta, pois os alunos aprenderam a calcular a área e o perímetro de cada canteiro para distribuir harmoniosamente as mudas. Entre centímetros e metros, os alunos usaram as unidades de medidas para chegar aos resultados! Assim, também se aprende matemática!

 

Renata Carijó, no centro, ensina como plantar as mudas de hortaliças.

 

No dia do plantio, Renata e Lucas na orientação dos alunos.

 

Também a Literatura é mais que fundamental neste projeto pedagógico que tem o apoio da Direção, da Coordenação, dos professores, dos funcionários e dos alunos da Escola Municipal Camilo Castelo Branco. Nas rodas de leitura, os alunos estão lendo um clássico de Monteiro Lobato: A Reforma da Natureza. A obra dialoga com o trabalho feito na horta e com a própria área verde da escola, fazendo-nos refletir sobre a realidade e a ficção, faz de conta e verdade. O que podemos modificar na natureza para melhorar nossas vidas? Esta é uma questão que o livro nos apresenta.

 

Parte da turma 1602 lendo na sala de leitura com a professora Jenny.

 

Ainda se desenvolvem ações em relação ao paisagismo da área e à preservação de espécies nativas da Mata Atlântica. A próxima meta é montar um pequeno orquidário na escola para estudo e ornamento desta bela planta, com a ajuda dos professores. Também conta-se com a parceria do setor de Educação Ambiental do Jardim Botânico e da Fundação Parques e Jardins, que auxiliam no plantio e na doação de mudas, e da Comlurb que faz a limpeza mensal do espaço.

É importante ressaltar que, aos poucos, toda a comunidade escolar se apropria deste espaço público e compreende que é possível preservá-lo e torná-lo mais sustentável!

 

Agradecemos à professora Jenny Iglesias por compartilhar conosco este projeto de integração do Meio Ambiente com o currículo escolar e desejamos sucesso a toda equipe da Escola Camilo Castelo Branco.

O contato da unidade escolar é: emcbranco@rioeduca.net

 

 

Divulgue também o trabalho de sua escola no portal Rioeduca.

Entre em contato com o representante de sua CRE.

 

 

Renata Carvalho - Professora da Rede e representante do portal Rioeduca na 2ª CRE

renata.carvalho@rioeduca.net

 

 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 05/12/2017

A Leitura e a Escrita das Crianças na Ciência, na Arte e na Vida

Tags: 2ªcre, alfabetizacao, literatura.

 

A V Semana de Alfabetização na Escola Municipal Afrânio Peixoto trouxe aos alunos ricas experiências pedagógicas. Os educandos participaram de atividades que envolveram Artes, Literatura e Ciência.

 

A V Semana de Alfabetização na Escola Municipal Afrânio Peixoto foi marcada por encontros culturais, artísticos, de vida e de conhecimento.

Nela, a escola recebeu a visita do Astrônomo Sherman, que trabalha no Planetário da Gávea; do teatro realizado pela CET-Rio, com posterior oficina de desenho com as crianças e capacitação com as professoras; da contação da história de Sylvia Orthof “UXA, ora fada, ora bruxa”; de atividades com artes plásticas (desenho, pintura, massinha e outros), feitos em sala de aula com as professoras; da construção de dois murais coletivos intitulados “Este é o Meu Jardim” e “A Leitura e a Escrita das Crianças na Ciência, na Arte e na Vida”; do Sarau de Poesias com o Programa Novo Mais Educação; e de um grande lanche literário.

No dia da visita do Astrônomo Sherman as crianças puderam observar elementos do Universo, do nosso planeta e participar de um jogo onde elas puderam ser as peças e fazer os movimentos da Terra (Rotação e Translação/Revolução), em seguida a este jogo começou uma palestra onde utilizava da observação de imagens para trazer mais informações sobre os planetas, as estrelas entre outras informações sobre o universo. Por fim, o Astrônomo respondeu às perguntas que as crianças fizeram.


Foi um momento de muito entusiasmo, cultura e aprendizagem!

 

Visita do Astrônomo Sherman.

 

O teatro apresentado pela CET-Rio com o título “A Caminho da Escola” foi a representação da linguagem cênica para os alunos que puderam experienciar esse momento lúdico onde houve a possibilidade de criar e recriar significados do cotidiano do trânsito que está sempre presente em nossa vida e por meio da atividade atentar para a grande importância do conhecimento da linguagem simbólica.

 

Teatro "A Caminho da Escola"

 

A contação da história de Sylvia Orthof intitulada “Uxa, ora fada, ora bruxa” foi feita por um membro da equipe da escola e fala sobre as diversas facetas. Por vezes, somos bondosos e, em outros momentos, nos transformamos em bruxas e/ou bruxos e fazemos algumas maldades.

Trazer para o cotidiano escolar de forma lúdica esse dualismo que cada sujeito possui dentro de si, colabora para torná-lo potente em produzir mudanças em seu cotidiano. “Uxa, ora fada, ora bruxa” nos convida a pensar, agir, se divertir e criar novas formas de viver. 


A fada/bruxa trouxe muita alegria para a escola!!!

 

Contação da história de Sylvia Orthof intitulada “Uxa, ora fada, ora bruxa”.

 

O desenho, a pintura, entre outras expressões plásticas fizeram parte da Semana de Alfabetização e as crianças criaram e recriaram cenas de seus cotidianos, ressignificando os mesmos, contando suas histórias e ideias, enfim, expondo sua arte pelo espaço escolar.

 

Oficina de desenho e pintura.

 

Os dois murais do térreo da escola foram eleitos para contemplarem a Semana de Alfabetização. O mural intitulado “Este é o Meu Jardim” buscou trazer a idéia das crianças em seu cotidiano e o mural “A Leitura e a Escrita das Crianças na Ciência, na Arte e na Vida” trouxe alguns momentos vivenciados na Semana de Alfabetização na unidade escolar.

 

Murais do pátio da escola.

 

A escola realizou, junto ao Programa Novo Mais Educação, um Sarau de Poesias onde o mediador Claudio recitou suas poesias e de outros autores. Por fim, as crianças que quiseram puderam recitar poesias, ou contar uma história ou ainda contar algo de suas próprias vidas.

 

Sarau de Poesias

 

A unidade escolar encerrou a Semana de Alfabetização com um grande lanche literário, onde as crianças escolheram livros para ler, contar e se confraternizar com os amigos, saindo da escola com um conto clássico de lembrança pela semana.

Foi um momento mágico de interação com os amigos e de encontro com a literatura. Foi também uma semana onde a alfabetização e a escola como um todo se permitiu conhecer, criar, recriar e levar esses momentos para a vida.

 

Lanche literário.

 

Agradecemos à equipe pedagógica da Escola Afrânio Peixoto por compartilhar conosco as atividades da Semana de Alfatização e desejamos sucesso!

O contato da unidade escolar é: emafraniop@rioeduca.net

 

Divulgue também o trabalho de sua escola no portal Rioeduca.

Entre em contato com o representante de sua CRE.

 

Renata Carvalho - Professora da Rede e representante do portal Rioeduca na 2ª CRE

renata.carvalho@rioeduca.net
 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 21/11/2017

Mural Interativo: Poção Mágica da Cuca

Tags: 2ªcre, literatura, educaçãoinfantil.

 

Os alunos do EDI Irmã Margarita Alarcón estão estudando as regiões brasileiras e conhecendo o folclore do nosso país.

 

O projeto anual do EDI Irmã Margarita Alarcón tem como tema “O Encanto de Cada Canto Brasileiro” e a equipe pedagógica compartilhou conosco uma atividade muito interessante realizada com os pequeninos. O projeto é dividido entre as regiões brasileiras, cuja ideia foi traduzida em poema:

 

“Canto cada canto brasileiro
Em meu recanto florido
De margaridas nascidas
Em meu jardim preferido

Canto prosas, versos
Canto ritmos diversos
Canto a magia
Canto a alegria
Canto a imaginação
Em minha escola que se chama
Margarita Alarcón”

Danusa Massafferri

 

O objetivo do projeto anual é apresentar a cultura brasileira contada, cantada e vivida pela criança, buscando significados na realidade da escola, da família e da sociedade. Este projeto busca desenvolver as aptidões individuais e coletivas de forma alegre e lúdica, através das experiências trazidas pelas histórias, cantigas populares, lendas, em diversos contextos, materializados nas diferentes áreas do conhecimento: linguagem oral e escrita, Matemática, Ciências Sociais e Naturais e Artes. Novas descobertas vão surgindo sobre os alimentos, animais, meio ambiente, folclore, brincadeiras, danças, artesanato, pintores e escritores dos vários cantos do Brasil.

 

Mural Interativo construído durante a atividade.

 

A partir do mês de setembro foi a vez de trabalhar as descobertas da Região Sudeste. Em meio ao rico folclore da região, mergulhar nas histórias do Saci e da Cuca, brincando com as lendas que se tornaram personagens do “Sítio do Picapau Amarelo”, do autor/escritor paulista Monteiro Lobato.

Na história de Monteiro Lobato, a Cuca prepara uma poção mágica para transformar a Narizinho em pedra. A turma EI 32, das professores Kellen e Danusa, fez uma poção para transformar as crianças do M2. A Poção Mágica da Cuca tornou-se um mural interativo para que todas as turmas da escola pudessem participar.

O objetivo era desenvolver uma atividade que reunisse Arte, Matemática, Linguagem e muita imaginação. A atividade teve duração de duas semanas e incluiu:

1º) Rodas de conversas sobre o autor da história (Monteiro Lobato). Após as conversas as professoras, junto com os alunos, listaram os ingredientes da poção da Cuca: sapos, lagartixas, baratas, morcegos, abelhas e pó de pirlimpimpim;


2º) Pintura do caldeirão;


3º) Cada dia foi confeccionado um dos ingredientes (sapo, lagartixa, abelha, morcego e barata) da poção usando uma técnica diferente (pintura a dedo, pintura com pincel, colagem, etc);


4º) A turma brincou de pique-pega da Cuca no pátio. O pegador usava uma peruca amarela (feita de papel crepom) e quem fosse pego viraria pedra, se agachando e colocando as mãos sobre a cabeça;


5º) A dramatização da Poção da Cuca foi feita com a participação das crianças. No mural interativo foram colocados sacos plásticos com os insetos da poção ao lado da receita. As professoras leram a receita e chamaram os alunos para colocarem os ingredientes no caldeirão, realizando a contagem coletivamente;


6º) A turma foi chamada em grupos para mexer os ingredientes;


7º) A professora pediu para a turma falar a palavra mágica PIRLIMPIMPIM, colocando as mãos em direção ao caldeirão, vibrando para a mágica dar certo;


8º) Todos viram pedra ao final da atividade.

A sequência de fotos abaixo mostra como a atividade foi realizada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cada turma fez sua participação com muita música e animação: berçário, maternal 1, 2 e pré-1 e pré-2. Todos se divertiram muito! A turma EI 32 está muito motivada com o aprendizado da Matemática. Assim a equipe pedagógica deu segmento as atividades relacionadas a essa área do conhecimento aproveitando para introduzir os numerais 1, 2 e 3 em atividades de colagem, trazendo também novas produções literárias onde os números estejam inseridos.

 

Alunos participando da atividade.

 

Parabéns a toda equipe do EDI Irmã Margarita Alarcón por realizar atividades que integrem cultura e conhecimento matemático. Agradecemos por compartilhar conosco o trabalho de vocês e desejamos sucesso.

O contato do EDI Irmã Margarita Alarcón é: edialarcon@rioeduca.net

 

Divulgue também o trabalho de sua escola no portal Rioeduca.

Entre em contato com o representante de sua CRE.

 

 

Renata Carvalho - Professora da Rede e representante do portal Rioeduca na 2ª CRE

renata.carvalho@rioeduca.net

 


 


   
           



Yammer Share