A A A C
email
Retornando 38 resultados para o mês de 'Dezembro de 2016'

Sexta-feira, 30/12/2016

Seu Voto Tem Valor

Tags: 4ªcre.

 

Uma escola democrática define-se pela participação de seus alunos e professores no trabalho, na convivência e nas atividades de integração. Uma escola democrática possibilita a participação e o envolvimento baseados no exercício da palavra e no compromisso da ação.

 

"Nada é impossível de mudar. Desconfiai do mais trivial, na aparência singelo. E examinai, sobretudo, o que parece habitual."  Bertolt Brecht 

 

A escola deve estar  voltada para a realização da prática pessoal e social, contextualizada nas dimensões espacial e temporal. Para tal, a Escola Municipal Odilon de Andrade, durante o segundo semestre, desenvolveu o Projeto "Seu Voto Tem Valor" junto aos seus alunos e comunidade escolar como um todo.

Breve relato sobre o projeto

"A Educação deve contribuir para a preparação de indivíduos aptos a exercer sua cidadania dentro dos princípios democráticos que norteiam o Brasil e estão previstos em nossa Constituição.

Aproveitando o clima eleitoral da Cidade, a E. M. Odilon de Andrade organizou para o segundo semestre um projeto voltado para a cidadania e para a importância da participação nos processos democráticos de nosso país.

 

Todas as turmas do 6º ao 9º anos se dedicaram a pesquisar temas propostos pelos professores (cada turma teve um orientador) e montar uma exposição dos resultados no dia da culminância. Paralelo ao trabalho de pesquisa, duas turmas do 8º ano e duas turmas do 9º ano desenvolveram, cada uma, um partido político fictício para concorrer a uma eleição na imaginária cidade de “Odilândia”, cuja votação foi realizada no dia da culminância.

A comunidade escolar teve, então, a oportunidade de conhecer as funções de um prefeito, de seu vice e dos vereadores, além do funcionamento de uma Prefeitura, suas Secretarias e Câmara de Vereadores.

As professoras de inglês e francês apresentaram com suas turmas os sistemas eleitorais estadunidense e francês; nas aulas de geografia foi criada uma maquete de “Odilândia” com seus problemas urbanos; um dicionário de termos políticos foi produzido nas aulas de português; uma galeria de personalidades políticas brasileiras – tais como Carlota Pereira de Queiroz (primeira deputada federal eleita), Getúlio Vargas, JK, Barão de Mauá etc – foi a proposta das aulas de história; charges foram apresentadas nas aulas de Artes; uma turma do 9º ano fez as vezes do TRE, montou as urnas, imprimiu cédulas, cuidaram das zonas eleitorais e apuraram os votos.

Os quatro partidos políticos apresentaram seus candidatos e propostas, teve um concorrido debate organizado pela Sala de Leitura, exibiram planos de governo e, claro, disputaram os votos: afinal, era preciso convencer o eleitorado."

Texto enviado pela Professora Jaqueline Segadilha - Coordenadora Pedagógica da UE

 

Parabéns a todos os envolvidos por contribuirem para a ampliação do conhecimento dos jovens sobre o processo eleitoral, a participação política e as responsabilidades das esferas legislativa e executiva.

 

E. M. ODILON DE ANDRADE - 04.10.022
RUA ITAPÉ, S/Nº - OLARIA - RIO DE JANEIRO / RJ
CEP 21.071-440
TEL.: (21) 3209-5514 

 


   
           



Yammer Share

Postado por Ana Accioly Ver Comentários (1)

Quinta-feira, 29/12/2016

E. M. Jorge Jabour visita o Centro Cultural Banco do Brasil

Tags: 8ªcre, artes visuais.

 

Os alunos da Escola Municipal Jorge Jabour visitaram a exposição de Mondrian, no Centro Cultural Banco do Brasil. A experiência, além de muito prazerosa, provocou curiosidade e encantamento aos presentes.

 

Alunos da E.M. Jorge Jabour atentos às orientações dos monitores do CCBB

 

A Arte é sem dúvida a primeira forma de expressão do homem. Desde a era primitiva há relatos de que faziam-se desenhos e pinturas nas cavernas que representavam cenas do cotidiano.

Essas pinturas eram feitas usando elementos da natureza, não só pinturas, mas também esculturas em barro, ossos e pedras.

Para o desenvolvimento da expressão e da criatividade, o contato com as Artes se torna fundamental.

Nas escolas da Prefeitura do Rio de Janeiro os alunos desde os anos iniciais têm aulas de Artes Visuais. É a oportunidade do contato com a expressão através das cores, texturas e formas.

 

 

Curiosidade e encantamento definem os alunos da E.M. Jorge Jabour nessa imagem

 

No dia 21 de novembro os alunos da Escola Municipal Jorge Jabour foram conhecer, apreciar e aprender com as obras do pintor Piet Mondrian, que estão expostas no Centro Cultural Banco do Brasil.

A exposição é um panorama que apresenta pinturas, desenhos de arquitetura, maquetes, mobiliário, documentários, publicações de época e fotografias de artistas do movimento da vanguarda moderna holandesa, conhecido como De Stijl (O Estilo), iniciado como revista em 1917.

Esses artistas elaboravam um tipo de arte total, usando cores primárias para criar obras sem restrições, claras e limpas.

A exposição mostra o percurso de Mondrian da figuração à abstração.

 

 

 

"Tenham a certeza que nossos alunos das turmas 1403, 1404 e 1503 amaram a visita ao Centro Cultural Banco do Brasil. O nosso agradecimento à Diretora Adjunta, professora Jennifer e às professoras Simone Rosário, (professora responsável), Tania Fadel (professora de Artes) e Vanessa (professora de Inglês)"

                                                                            Coordenação Pedagógica - professora Cristina Almeida

 

 

Os monitores do Centro Cultural que acompanharam as turmas na visita à exposição puderam responder as perguntas, fazer comentários e estimular ainda mais a curiosidade dos alunos.

A Arte e a História estão intimamente ligadas. Essa aula passeio ao CCBB, tendo como objetivo o conhecimento de obras do século passado, contribui para que o aluno compreenda que nosso conjunto de experiências sociais, econômicas e culturais são influenciados pelo tempo e pelo espaço. Certamente esse dia especial ficará na memória dos alunos participantes.

 

 

 

Mais fotos da Aula Passeio na página da escola no Facebook.

 

Email da escola: emjjabour@rioeduca.net

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 28/12/2016

Orquestra em Movimento

Tags: 7ªcre, projetos.

 

 

Alunos da Escola Municipal Dom Pedro I participaram em novembro de uma experiênica única: assisitir a Orquestra Sinfônica Brasileira na Cidade das Artes.

 

A Escola Municipal Dom Pedro I participou do Projeto “Link Up A Orquestra em Movimento”, assim definido como “...um programa de formação musical desenvolvido pelo Weill Music Institute do Carnegie Hall. A iniciativa convida alunos e professores do Ensino Fundamental a explorarem o repertório orquestral ao longo de todo o ano: os alunos cantam e tocam flauta doce, aprendendo conceitos musicais básicos e compondo as suas próprias músicas.” (http://www.osb.com.br).

 

   Alunos aguardando o início do espetáculo.

 

A professora de Música, Simone Cruz, preenchia os pré-requisitos e logo se mostrou entusiasmada. Após participar de workshops e das orientações sobre o desenvolvimento do trabalho, iniciou-se o seu grande desafio, assim relatado por ela:

No início fiquei muito preocupada com a responsabilidade que me foi confiada: preparar 44 alunos para tocar com a Orquestra Sinfônica Brasileira. Mas quando vi o material, fiquei admirada! Livro para o professor e um para o aluno, acompanhados de um CD, DVD e as flautas. Os alunos também ficaram muito surpresos.

 

Alunos assistindo ao espetáculo na Cidade das Artes.

 

 

 Alunos cantando e fazendo o movimento do Trenzinho do Caipira.

 

A turma do 6º ano nunca tinha estudado música e era difícil a concentração na sala de aula. Decidi preparar também os alunos do sétimo ano aproveitando o material maravilhoso. O desafio maior além da concentração em sala de aula com 40 alunos foi trabalhar com repertórios desconhecidos deles.

 

  Apresentação de dança durante o espetáculo.

 

A solução foi contar uma história antes de ouvir a música: no Danúbio Azul falei sobre a valsa da Cinderela com o príncipe, no Noturno sobre o filme Sonho de uma Noite de Verão, no Trenzinho do Caipira pedi que imaginassem os sons que poderiam ouvir da Maria Fumaça e assim consegui a atenção de todos e dar sentido para as músicas tão distantes do cotidiano deles. Preparei quatro turmas com o material e ofereci a oportunidade para todos.

Durante as aulas os alunos começaram a ter mais concentração, melhoraram a disciplina e demonstraram alegria para tocar o instrumento. Alguns professores da escola perguntavam como eu conseguia ensinar flauta para eles? Eu dizia que a sala de música ajudava bastante. Na verdade quando fazemos algo com muito amor o resultado é maior do que o esperado…

 

Alunos aplaudindo o término da apresentação.

 

Os alunos ficaram muito ansiosos no dia do espetáculo porque nunca tinham assistido uma orquestra antes, não conheciam a Cidade das Artes e tinham que fazer o melhor possível.

 

    Turma reunida e a professora Simone.

 

O resultado foi incrível! Os alunos ficaram muito emocionados, felizes e disseram que iriam assistir a todos os concertos da OSB (Orquestra Sinfônica Brasileira). “Isso foi um sonho!” (disse David), "Quando vai ser o próximo?” (disse Yan), "Eu chorei! Foi show!” (disse Willian)”.

 

Parabéns à todos os envolvidos pelo trabalho realizado!

 

 

Contato da E.M. Dom Pedro I:

emdpedro@rioeduca.net

Contato para publicações:

robertavitagliano@rioeduca.net

 

 

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 28/12/2016

O Cinema visita a aula de Matemática

Tags: matemática, cinema.

 

 

As aulas de Matemática, em grande parte das escolas, tem um caráter mais formal, ou seja, os professores não arriscam muito em inovações. A técnica é bem parecida: exposição do conteúdo, listas de exercícios e provas. A questão é como unir a Matemática e o cinema? Temos alguns filmes famosos como por exemplo: Uma mente brilhante (2001), Gênio Indomável (1997), O jogo da imitação (2014) e Rain Man (1988), este último com ênfase no autismo e também o inesquecível desenho da Disney Donald no País da Matemágica. Outros filmes não biográficos tais como Matrix, Tron, Jurassic Park e outros em que a Matemática existente não está tão evidente, mas pode ser extraída mediante uma análise mais aprofundada. No entanto, a questão principal é verificar se eles se enquadram em nossa proposta didática.

Para poder escolher filmes adequados à proposta tem que se ter em foco quais as utilidades do filme. Conforme Cortês (2010, p.69) “[...] o critério essencial da escolha deste ou daquele filme é pautado pelas finalidades pedagógicas que balizam a organização de seu plano de ensino [...]”. No caso específico das aulas de Matemática nossos estudos indicam que os filmes podem ter um caráter contextualizador, servindo para introduzir ou desenvolver o conteúdo, apresentar um problema matemático em sua trama que necessite de conhecimentos específicos para sua resolução (que nesse caso teria ligação com o conteúdo em desenvolvimento) ou instigassem a curiosidade para fatos matemáticos e também podem ser úteis para uma revisão da matéria. Uma ajuda valiosa é encontrada em NAPOLITANO (2005, p.19): 

Algumas perguntas básicas ajudam a orientar a escolha e a abordagem dos filmes: a) Qual o objetivo didático-pedagógico geral da atividade? b) Qual o objetivo didático-pedagógico específico do filme? c) O filme é adequado a faixa etária e escolar do público-alvo? d) O filme pode e deve ser exibido na integra ou a atividade se desenvolverá em torno de algumas cenas? e) O público-alvo já assistiu a algum filme semelhante?

Para ilustrar as ideias e inspirar novas aplicações trazemos na sequência alguns exemplos que presenciamos durante a nossa pesquisa de mestrado desenvolvida junto ao grupo de professores em formação. 

 

Na prática

Estes estudantes tiveram que produzir propostas de aula com a utilização de filmes de ficção associados à resolução de problemas. Para embasar esse inicio foram realizadas duas palestras sobre o uso do cinema em sala de aula e resolução de problemas e cinco oficinas nas quais foram exibidos os filmes Matrix (1999), O Cubo (1997) e um episódio da série Numb3rs. Os licenciandos foram organizados em grupos, e então elaboraram suas propostas didáticas de utilização de filmes de ficção associados à Resolução de Problemas Matemáticos (Silva, 2014) . Os filmes escolhidos pelos futuros professores foram: “A corrente do bem” (2000), “Casino Royale” (2006), “A Fantástica Fábrica de Chocolate” (2005) e dois episódios da série Numb3rs. 

 

Sugestões para futuros projetos

Com o intuito de inspirar a criação de outras aulas deixamos algumas sugestões. Na relação abaixo, algumas exemplos de filmes que podem ser utilizados com exibição completa ou apenas um trecho que ilustre o que queremos, e algumas possíveis aplicações ao plano de aula. 

Filmes de ficção-científica: Star Wars (1977, 1980, 1983, 1999, 2002, 2005 e 2015), Star trek (2009,2013), Eu robô (2004). Discussão dos conceitos envolvidos no filme, problemas envolvendo conceitos de física, comparações com a realidade e também como tema de pesquisa em relação aos avanços da ciência. 

Filmes de ficção-fantástica: 2012 Terremoto: A Falha de San Andreas (2015), Everest (2015). Trabalhar com dados estatísticos, gráficos, probabilidades, uso do computador (planilhas eletrônicas). Filme como contextualizador. 

Filmes épicos: Êxodo: Deuses e Reis (2014), Gladiador (2000), Alexandria (2009). Conceitos de geometria, história da Matemática, traçar linha do tempo para fazer um paralelo do que estava ocorrendo no mundo nesse período, pesquisa sobre a construção dos efeitos do filme. 

Filmes relativos a esportes: Invictus (2009), O Homem que Mudou o Jogo (2012), Rush - No Limite da Emoção (2013). Probabilidades, gráficos (construção, leitura e análise), tabelas. Pesquisa sobre a Matemática envolvida nos esportes, quais e como são feitos os cálculos realizados nos esportes retratados nas produções. 

Filmes de ação: Velozes e furiosos (vários filmes, 2003), Missão impossível (vários filmes, 1996), Corações de ferro (2014). Explorar o uso de tabela, gráficos, comparações entre veículos (velocidade, dimensões, conversões de unidades), pesquisa sobre o uso do GPS, baseado nos países visitados nos filmes e com ajuda de programas como Google Earth, ângulos de lançamento de projéteis, estudo da balística. 

 

Algumas considerações (não finais)

A lista acima não esgota as possibilidades, novas produções surgem a todo o momento, devemos continuar assistindo e verificando quais são passiveis de serem utilizadas na escola. Dessa maneira podemos construir um catálogo com as obras que iremos utilizar. Outro cuidado importante é a dosagem, não devemos incluir mais que um filme completo por ano para que a atividade não se torne repetitiva.

Algumas mudanças precisam de tempo para ocorrer, tanto para os alunos como para os professores. Obviamente que as propostas não são fáceis de executar, no entanto o retorno que podemos ter em sala de aula nos convida à tentativa. 

 

Referências

CÔRTES, Helena Sporleder. O uso pedagógico do cinema: estratégias para explorar e avaliar filmes em sala de aula. In: GRILLO, Marlene Correro; GESSINGER,Rosana Maria ; FREITAS, Ana Lúcia Souza de ... [et al.] organizadoras. Por que falar ainda em avaliação? [recurso eletrônico] – Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010. Disponível em: http://www.pucrs.br/orgaos/edipucrs/

NAPOLITANO, M. (2005). Como usar o cinema na sala de aula. 2 ed. São Paulo: Contexto.

SILVA, Leandro Millis da. A FICÇÃO E O ENSINO DA MATEMÁTICA: análise do interesse de estudantes em resolver problemas. Dissertação de Mestrado. 2014. 207 f. Dissertação (Mestrado em ensino de Ciências e Matemática) – Faculdade de Física, PUCRS, Porto Alegre, 2014.

 

________________________________________________________________________________________

 

Nome: Leandro Millis da Silva

Formação acadêmica: Mestre em Educação em Ciências e Matemática pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PUCRS (2014), Especialista em Educação Matemática (2006) e Licenciatura em Ciências - habilitação: Matemática (2004) pela Universidade Luterana do Brasil ULBRA.

Tel. (051) 8588 2719 / 9854 09 12/ WhatsApp 9843 2121
http://goo.gl/Z7iC4S
https://twitter.com/ProfMillis
https://www.facebook.com/prof.millis

 

 

 

 

 

 

 

 

 


   
           



Yammer Share