A A A C
email
Todos os posts escritos por Greice Duarte (Representante Rioeduca 9ª CRE)
Retornando 14 resultados para o autor 'Greice Duarte (Representante Rioeduca 9ª CRE)'

Quinta-feira, 06/09/2018

"Ver, mexer e sentir!" Exposição interativa no EDI Ataulfo Alves

Tags: 9ªcre, educação infantil, 9cre.

 

A Exposição interativa “VER, MEXER e SENTIR!” aconteceu no EDI Ataulfo Alves, no terceiro Bimestre com a amostra do Projeto Anual “Não me leve ao pé da letra, essa história não tem pé nem cabeça!”

 

 

 

Com o objetivo de transformar a escola num lugar encantado e rico em oportunidades sensoriais, o EDI Ataulfo Alves planejou a 1ª EXPO VER, MEXER e SENTIR, na qual, a interatividade é a base do momento oferecido.

Dessa forma, cada cantinho da unidade se transformou em um espaço parecido com galerias de artes com exposições de atividades que evidenciavam os e talentos das crianças.

 

 

 

 

A proposta partiu do grupo de professores e com ela as crianças ficaram mais participativas e a oralidade foi desenvolvida em todas as salas de aula, com a ajuda do simbólico do mundo do faz de conta. Com fantasias, teatrinhos, contos e encantos foram construídas vivências significativas para as infâncias presente ali, favorecendo, também, a formação da identidade.

 

 

As crianças do EDI Ataulfo em experiências de interação durante a exposição

 

 

A Exposição interativa ocorreu no dia 29/06/2018 de 9h às 12h e de 13:30h às 16:30h. A duração foi somente de um dia, porém a sua preparação durou aproximadamente 4 meses (de março até junho).Toda a unidade esteve envolvida com a proposta, direção, educadores, profissionais de apoio, pais e alunos. Todos colaboraram com as construções dos cenários e com a coleta de recicláveis (caixas, caixotes, jornais, etc). No dia do evento, famílias e crianças eram convidados e toda a equipe do EDI tinha funções definidas.

 

 

        

 

 

No dia da exposição, ao chegarem a unidade escolar, as crianças e seus familiares eram recebidos por personagens vivos dos clássicos infantis. Na subida da rampa, havia a entrada de um castelo e ali começava o mundo mágico. Atravessando as portas do castelo e iniciando a subida da rampa, fitas de diferentes tecidos e texturas já convidavam aos presente a sentirem uma nova sensação.

 

 

           

 

 

Mais a frente, balões de gás criaram uma mistura de cores, assim como, ao final da rampa, muitos bichinhos de pelúcia eram dispostos para serem tocados. Vontade de apertar? De fazer o que? Múltiplos eram os desejos e as sensações. 

 

 

 

 

Já no segundo pavimento, cada corredor possuia suas descobertas e possibilidades.

 

 

     

 

O parquinho de resina virou a floresta dos Três Porquinhos com os três tipos de casa da história e com os personagens gigantes na parede. No outro lado do espaço, havia várias histórias modernas apresentadas de forma criativa, como uma linda releitura de Tarsila do Amaral, a história do guarda chuva, com o próprio representado e decorado pelos alunos.

 

 

 

 

 

O espaço que recontava a história da Branca de Neve, foi  a sensação da exposição. Na releitura a princesa Branca de Neve virava a Black de Neve, causando identificação por grande parte das crianças.

 

 

 

 

No projeto também teve a Fábula da Cigarra e da Formiga e a representação da história Jogo de Bola, retratada a partir dos  personagens de fantoche Raul e Arabela que defendiam seu gol e tinham seus movimentos controlados por cordas. 

 

 

 

 

No cantinho que apresentava o sítio do seu Lobato havia animais feitos de materiais recicláveis e um aconchegante espaço de contação de histórias sob a amendoeira da unidade, com almofadas coloridas. Tudo pensado para proporcionar o prazer em participar e o reencontro com o mundo do faz de conta. 

 

 

 

 

 

No térreo, mais oportunidades de encantamento. Fundo do mar com som, bolhas e movimento; um desafio da História de João e Maria, com pistas a seguir; e um cenário da poesia Leilão de jardim.

 

 

 

     

Sem dúvida foi um dia diferente para toda a Unidade Escolar. 

Aprende mais quem aprende com o coração. E assim foi a 1ª Exposição Interativa do EDI Ataulfo Alves. As famílias amaram e a proposta de interação foi 100% alcançada.

  

 

     

 

Parabéns à  equipe de professores pela idealização e realização da proposta.

 

 

 

Quer saber mais sobre?

Unidade Escolar: EDI Ataulfo Alves

Email: ediataulfo@rioeduca.net

Telefone: 3162-4574

 

Contato para publicações:


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 23/08/2018

Projeto "Cada continente, uma cultura diferente" na E. M. Fernando Costa

Tags: 9cre, cultura, projetos, 9ªcre.

 

A E. M. Fernando Costa realizou a apresentação final do projeto “CADA CONTINENTE UMA CULTURA DIFERENTE” com os alunos da Educação Infantil ao 6º ano, envolvendo responsáveis, professores, funcionários e parceiros.

 

 

 

A diversidade cultural tomou conta da E. M. Fernando Costa durante todo o primeiro semestre de 2018. Especialmente, no dia 15 de junho, quando ocorreu a apresentação final do projeto Cada continente, uma cultura diferente. Muito entusiasmados, alunos, pais, funcionários e outros membros da comunidade escolar viajavam por vários países representados em cada sala de aula. Foi um show de encantamento!

 

Exposição México (América do Norte) 

 


Aproveitando o grande evento que foi a Copa do Mundo, o projeto  trabalhou e explorou a diversidade cultural existente no Brasil e no mundo, proporcionando às crianças o contato com outras culturas e consequentemente, com o novo, favorecendo o desenvolvimento da tolerância ao diferente e reforçando a autoestima e identidade de cada um.

 

 

Exposição México (América do Norte) 

 


Abordando valores, respeito ao próximo e regras de convivência em suas atividades, o projeto que envolveu alunos da Educação Infantil ao 6º ano, permitiu explorar todos os eixos (natureza e sociedade, linguagem oral e escrita, artes, matemática, música e movimento).

 

 

Exposição México (América do Norte) 

 

 

As turmas estudaram e pesquisaram a cultura de cada continente, com foco em algum país específico. Depois, elaboraram trabalhos, cartazes e maquetes para expor e apresentar no dia da culminância. Os responsáveis e demais integrantes da comunidade estiveram presentes nesse dia, conhecendo um pouco de cada continente ao entrar em cada uma das salas!!!

 

 

Na programação: 

 

  • Abertura: Dança
     
  • Sala 1 América do Norte 1201/1202
     
  • Sala 2 Ásia 1301/1302
     
  • Sala 3 Europa 1601/1602
     
  • Sala 4 África 1501/1502
     
  • Sala 5 América do Sul EI-51/EI-52
     
  • Sala 6 África (Foco na Nigéria) EI-41/EI-42
     
  • Sala 7 América Central 1101/1103
     
  • Sala 8 Oceania 1401/1102
     

 

Veja abaixo mais fotos dos trabalhos desenvolvidos.

 

 

Exposição Japão (Ásia):

 

Exposição Japão (Ásia)

 

 

Exposição Japão (Ásia)

 

 

Exposição Japão (Ásia)

 

 

Exposição Japão (Ásia)

 

 

Exposição Rússia (Europa):

 

 

Exposição Rússia ( Europa)

 

 

Exposição Rússia ( Europa)

 

 

Exposição África:

 

 

Animais da África

 

 

Exposição Nigéria

 

 

 

 

 

Roupas Típicas da África

 

 

Exposição África

 

 

 

 

Exposição América do Sul:

 

 

América do Sul

 

 

 Exposição América do Sul

 

 

 

 

 

Exposição Costa Rica (América Central)

 

Exposição Austrália e Oceania:

 

 

 

 

Exposição Austrália (Oceania)

 

Equipe de profissionais e direção da E. M. Fernando Costa

 

 

Visita da Supervisora Pedagógica Patrícia

 

 

Professor Voluntário Roberto 

 

O Projeto envolveu a todos, como pode-se observar nos depoimentos: 

 

“O projeto foi maravilhoso na E.M. Fernando Costa. Nossos alunos foram levados a um passeio pelos continentes, aprenderam e ensinaram um pouco mais sobre alguns países do mundo. Tudo lindo! Feito com seriedade, competência, capricho e com a participação de todos: professores, alunos e responsáveis.” Professora Marilene (1301 e professora de sala de leitura)

 

 

“Hoje foi dia de Feira Cultural na E. M. Fernando Costa e vou lhes contar uma coisa: a cada ano que passa me orgulho ainda mais dessa escola e do corpo docente que integra ela. Parabéns a todos os professores, alunos e demais funcionários que se envolveram neste projeto nos apresentando uma feira linda e de muita qualidade. Mais uma vez vocês nos provaram o quanto “o saber” é importante não só para as crianças, mas também para nós, pais e responsáveis. Passeamos pelos continentes e conhecemos a cultura e os hábitos de cada um deles. Ficou tudo lindo e vocês merecem toda nossa gratidão e respeito pelo trabalho inovador durante todos esses anos em que estamos juntos. A parceria alunos, responsáveis e escola está cada vez mais fortalecida. Mais uma vez, parabéns, pelo projeto que ficou maravilhoso!" Monique (Responsável pelo aluno Vinicius da Cruz da turma 1501)

 

 

“E. M. Fernando Costa mostrou mais uma vez o seu comprometimento com o a educação. Alunos, pais, professores e funcionários totalmente integrados! Faço parte de uma equipe maravilhosa!” Professora Lara (Ed. Física)

 

 

Parabéns à E. M. Fernando Costa por essa linda viagem de ensinamento e aprendizagens! 

 


Quer saber mais sobre este projeto? Faça contato:
Escola Municipal Fernando Costa
Endereço: Rua José Albano S/N Inhoaíba, Rio de Janeiro – RJ, 23073-720
Telefone: (21) 3394-6825
Responsável: VIVIANE MADALENY / DIRETOR IV

 

 

 


 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 09/08/2018

Projeto "Entre imagens e palavras", turma 1202 e a professora Denise Barreto

Tags: 9cre, alfabetização, escrita, experiência.

 

Entre imagens e palavras, é o título do projeto idealizado pela Professora Denise Barreto de Resende, professora da turma 1202, do CIEP Francisco Cavalcante Pontes de Miranda.

 

 

 

A professora Denise Barreto de Resende é regente da turma 1202 no CIEP Francisco Cavalcante Pontes de Miranda, da 9ª CRE. Apesar de ter experiência com todos os anos do Ensino Fundamental I, são os três primeiros anos que a encantam, já que nesta fase as crianças estão em processo de alfabetização (no seu sentido mais amplo).

 

O trabalho desenvolvido no 1º semestre com a turma do 2º ano envolveu a oralidade, produção de texto e análise da língua: princípios que organizam o trabalho pedagógico na alfabetização. E, teve por objetivo:

 

  • Valorizar a leitura de imagens como forma de conhecimento e fruição;
     
  • Desenvolver a expressão oral das crianças sobre a leitura que fazem das imagens;
     
  • Reconhecer e produzir uma sequência narrativa, por meio de imagens, que tenha princípio, meio e fim; 
     
  • Construir a escrita adequada ao leitor e aos objetivos da comunicação.
     


Com o foco na aprendizagem de seus alunos, a Profª Denise elabora atividades que os levem a desenvolver a oralidade, a refletir sobre a escrita e a se perceberem como protagonistas de sua prática.
 

RELATO DA PROFESSORA:

 


"Início do ano, momento de diagnose e organização do planejamento. Enquanto planejamos e replanejamos, chega o momento das primeiras Avaliações Bimestrais. A prova de Alfabetização Escrita tem uma maneira própria de ser aplicada, pois apesar de ser padronizada, as estratégias para sua aplicação são individuais, podendo ser realizada em pequenos grupos, com a turma toda, individualmente na mesa da professora. A última questão costuma ser uma produção textual a partir de imagens (histórias em sequência). Ouço de um aluno a seguinte afirmação: “Não quero escrever nada, esta história não tem graça.” Disponho para a turma a questão da prova. Incentivo os alunos a construírem a história oralmente. Muitas sugestões aparecem. Pergunto para eles se gostaram. Alguns dizem que sim, outros que não. Contudo, o que fazer para que este aluno se motive a escrever? Proponho então uma atividade: Que tal produzirmos nossas próprias histórias e serão vocês os personagens? “Tia, a gente vai ficar no lugar do tatu e do macaco?”, “Pessoal, vamos fazer! A gente vai ficar famoso!”. Depois de rirmos um pouco com as afirmações de Guilherme, combinamos a atividade para depois das provas."


"Considero imprescindível planejar atividades significativas, escolhidas por serem de interesse do grupo. Os Cadernos Pedagógicos, os Descritores, as Orientações são suportes que pretendem nos nortear. Contudo, em meu trabalho, não se encerram em si mesmos, tornam-se pontos de partida para uma aprendizagem do aluno visto como sujeito. Para isto, é preciso dar voz a ele, compreender que cada um tem o seu tempo, entender que as crianças chegam com muitos saberes e ao longo do percurso adquirem outros saberes também relevantes para sua vida em sociedade."

 


Desenvolvimento:

A proposta inicial foi criar histórias em sequência. Os alunos seriam os personagens e as imagens seriam produzidas através de fotografias. O trabalho foi dividido em etapas, são elas: 

 

1. Organização dos grupos


Para cada atividade, analiso como esta será organizada: individualmente, duplas ou grupos..


2. Temas das histórias...


É comum elencar temas para histórias. Desta vez, a proposta era escolher os lugares onde ela aconteceria com o objetivo de ampliar o olhar para outros espaços.Foram escolhidos a sala de aula, sala de leitura, pátio, refeitório, parquinho e horta.

 

3. Sorteio 

Cada grupo escolheu o aluno que iria sortear o lugar.

 

4. Pensando na história...

- Tia, a nossa história vai ser no pátio. Mas o que a gente pode fazer?
- O que vocês costumam fazer no pátio?
- A gente faz fila, brinca de roda...
- Então, escolhe uma dessas e comece a história por aí. O que acha?
- Isso! Já tenho uma ideia...
Cada grupo foi pensando e produzindo oralmente o roteiro de suas criações.

 

5. Hora de fotografar.


Foram produzidas histórias de acordo com o que as crianças planejaram. Eles se organizavam nos espaços e a professora tirava as fotos. 

 

 

 

 

  

 

 

Fotos de um grupo de crianças registrados no lugar escolhido: o parque

 

 

  

 

 

 

 

  

Outro grupo de crianças no espaço do parque

 


6. Apresentação


Depois que as fotos estavam organizadas, foi pedido aos alunos que se apresentassem para a turma, assim todos poderiam conhecer as histórias. Cada grupo se organizou da maneira que achou melhor. Veja aqui esta experiência em vídeo. 

 

7. Hora de escrever...

Que momento intenso, rico! Todos falando ao mesmo tempo, discutindo. Nesta hora, foram provacadas algumas reflexões: Como se escreve? Que letra usar? É igual? Diferente? 

Clique aqui para ver algumas escritas espontâneas. 

 

8. Revisão e reescrita


Hora de olhar para o texto e fazer a análise da língua. Este é um momento necessário que faz parte do processo. Por que esta letra e não outra? Muitas repetições? ÃO ou AM?
 É considerável compreender que cada grupo tem sua especificidade e por isso, a forma de fazer as mediações podem e devem variar.

 

9. Publicação e leitura

Com os textos revisados, organizamos os cartazes e aproveitamos para fazermos a leitura em voz alta. Cada grupo elegeu seu leitor.

Video com as histórias: clique aqui para assistir!

 

10. Desafio: Fazer uma história coletiva utilizando as mesmas fotos.


As tempestades de ideias foram surgindo. E, eu como professora fui a escriba. As poucos, o texto foi se desenhando e ao final houve uma votação para o nome da história.

 

 

Texto coletivo elaborado com as crianças em forma de desafio

 

 

Para a professora Denise, o espaço que se constrói em sala de aula precisa ser pensado como um lugar em que as crianças se movimentem com autonomia, que promova diferentes possibilidades de articulações de sentidos, revelando e constituindo conceitos. Dentro desta perspectiva, o professor é o mediador, o facilitador do processo de aprendizagem.

 

Esta posição, assumida pelo docente, se constitui a partir de um trabalho que favorece o estudo da linguagem como forma de interação no contexto escolar. Além disso, as relações que se fazem em sala de aula, com suas duplas, nas rodas de conversa, nas interações uns com os outros, são importantes para compreendermos o crescimento dos alunos individualmente e entre seus pares. Assim, todas as etapas da atividade envolveram um tipo de aprendizado e de troca. 

 

Os estudantes tiveram a oportunidade de desenvolver a oralidade através das histórias, enxergar-se capazes de produzir um texto com autonomia (escrita espontânea), perceber que há necessidade de reescrita e revisão do próprio texto, além de aprender a se respeitar em seus grupos.

 

"Pude avaliar constantemente cada um de meus alunos, através das frequentes interações que eu promovia, nas quais eles expressavam sua compreensão do que estava sendo proposto, além de trazerem contribuições para o (re)planejamento da continuidade das atividades em sequência didática. Percebi também como foram significativas as atividades coletivas, pois houve um reflexo nas atividades individuais. Enfim, levamos três semanas para realizarmos esta atividade. Enfrentamos os desafios do dia a dia da sala de aula, contamos com a parceria de outros professores, compartilhamos nossos saberes com outros pares, nos orgulhamos do trabalho realizado! Apesar de todas as dificuldades que enfrentamos, é possível promover uma aprendizagem significativa, repleta de sentidos, dando vez e voz ao seu aluno." Prof. Denise Barreto

 

Parabéns à professora Denise e a Turma 1202 pelas experiências vivenciadas com a escrita de forma significativa! 

 

Quer saber mais, entre em contato:

CIEP Francisco Cavalcante Pontes de Miranda

Endereço: Estr. Moriçaba, S/N - Campo Grande, Rio de Janeiro - RJ, 23016-620

Telefone: (21) 3364-1620

Profa Denise Barreto de Resende

E-mail: deniseresende@rioeduca.net
 


 


 


   
           



Yammer Share

Sábado, 04/08/2018

Pelo Brasil, o EDI Arthur Nory vestiu a camisa da igualdade, paz e união!

Tags: 9ªcre, edi, projeto, copa do mundo.

 

No EDI Medalhista Olímpico Arthur Nory Oyakawa Mariano toda comunidade escolar foi envolvida com as crianças da creche e pré escola no sub Projeto "Pelo Brasil eu visto a camisa da igualdade da paz e da união. Essa também é nossa paixão!”

 

 

 

Idealizado pela gestão da U.E e elaborado junto a equipe pedagógica, o sub Projeto "Pelo Brasil eu visto a camisa da igualdade da paz e da união. Essa também é nossa paixão!” foi desenvolvido no período de 18 de junho a 21 de junho de 2018 com o objetivo promover e estimular o processo de ensino aprendizagem de maneira lúdica, conhecendo os países participantes da copa do mundo 2018 no que tange a cultura, costumes, suas bandeiras, cores e significados. Promovendo a interação das famílias junto a escola, trazendo experiências ricas e significativas de convivência, respeito, cooperação, superação e amizade.

O projeto foi iniciado dentro das atividades de rotina das crianças, como roda de conversa e contações de histórias, falando sobre o futebol e o grande evento mundial desse esporte, a copa do mundo.

Depois foi realizado a confecção das bandeiras dos países participantes, dando destaque as cores usadas e seus significados, associando suas cores a objetos, alimentos entre outros que fazem parte do nosso cotidiano.

 

 

 

A escrita também fez parte da criação de camisas de time feitas de papel com seus respectivos nomes, reprodução do nome de países associados as bandeiras, e enfeites para distribuir as torcidas.

 

 

 

 

O ponto alto do projeto se deu com a Copinha Nory, onde os pais e responsáveis foram convidados a comporem a torcida das turmas respectivas a seus filhos e juntos vestirem a camisa verde ou amarela conforme o time composto pelas turmas do mesmo segmento.

 

 

 

 

Família e escola juntos vivenciando experiências ricas e significativas de convivência, respeito, cooperação, superação e amizade. Aliados a aquisição de conhecimento e a pluralidade cultural representados nesse evento e na exposição de todos os trabalhos desenvolvidos. 

 

 

 

 

Além de estimular o sentimento de patriotismo que certamente é despertado durante esse que é um dos maiores eventos esportivos já conhecidos, a copa do mundo.

 

 

 

 

A comunidade escolar participante avaliou como uma atividade prazerosa e muito dinâmica que certamente ficará registrada na memória afetiva das crianças e de todos envolvidos nessa seleção campeã Arthur Nory.

 

Quer saber mais sobre este projeto, entre em contato:

EDI Medalhista Olímpico Arthur Nory Oyakawa Mariano

Endereço: Rua do Goiabal S/N Inhoaíba, Rio de Janeiro _RJ

Telefone: (21) 3161 - 4094

 

Contato para publicações:

 

 


   
           



Yammer Share