A A A C
email
Retornando 319 resultados para a tag '9ªcre'

Sexta-feira, 08/12/2017

EDI Ludmila Máximo Moreira Cardoso há cinco anos de mãos dadas com a comunidade

Tags: 9ªcre, edi, literatura, diversidade.

 

 

O Espaço de Desenvolvimento Infantil Ludmila Máximo Moreira Cardoso comemorou seus cinco anos de mãos dadas com a comunidade, construindo sua história. Neste ano de 2017 realiza o Projeto Pedagógico Anual – “Era uma vez... O Reino Encantado do EDI Ludmila formando pequenos leitores”, que tem por objetivo despertar na criança e na comunidade o gosto pela leitura.

 

“A Literatura infantil é, antes de tudo, literatura, ou melhor, é arte: fenômeno de criatividade que representa o Mundo, o Homem, a Vida, através da palavra. Funde os sonhos e a vida prática; o imaginário e o real; os ideais e sua possível/impossível realização.” (Cagneti,1996, p.7)

 

A literatura infantil leva a criança à descoberta do mundo, onde sonhos e realidade se incorporam, onde a realidade e a fantasia estão intimamente ligadas, fazendo a criança viajar, descobrir e atuar num mundo mágico; podendo modificar a realidade.

“No Brasil, a literatura infantil tem início com obras pedagógicas e, sobretudo, adaptações de obras de produções portuguesas, demonstrando a dependência típica das colônias.” (Cunha, 1999, p.23)

Na transição Brasil Colônia para república é a partir das manifestações nacionalistas e regionalistas que se dá o aparecimento dos primeiros livros para crianças escritos e publicados por brasileiros.

Na comemoração dos cinco anos do EDI, as crianças experimentaram as linguagens artísticas, transitando pelas obras de autores nacionais, canções de Bia Bedran, dentre outros, considerando o projeto pedagógico em questão. Contou ainda com a participação do filho da Patronesse Ludmila, narrando a todos um pouco da história da sua mãe, homenageada na data.

 

 

 


Dentre as atividades vividas pelas crianças neste dia:

• o Berçário apresentou com muita desenvoltura e alegria “A Boneca de Lata”;

• o Maternal I cantou e dançou com a alimentação saudável, apresentando a Música “Abóbora faz melão”;

• o Maternal II levantou a platéia ao delírio com apresentação da música “Aeróbica Tropical”;

• a Pré-Escola do turno da manhã apresentou a música “Desengonçada”, que de desengonçados não tinham nada, estavam muito animados e com muita sincronia;

• a Pré-Escola do turno da tarde apresentou a música “É bom cantar”, ensinando a todos que prestar atenção é sempre muito bom.

 

CONTANDO EM VERSO E PROSA A DIVERSIDADE INDÍGENA E NEGRA

 

 

O EDI Ludmila tem discutido há tempos com seus pares a Lei 11.645/2008, que altera a Lei 9.394/1996, na qual estabelecem as Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a inclusão no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-brasileira e Indígena”. A intenção é fazer com que as questões indígenas e afro-brasileiras sejam abordadas de forma a apreciar e respeitar as diferentes culturas, propiciando a valorização da identidade e o pertencimento negro e indígena, a desconstrução de estereótipos e a quebra do preconceito que atingem também os pequenos.

Na continuidade do Projeto Pedagógico Anual, nas experiências com o “ERA UMA VEZ...”, a diversidade indígena e negra foi contada em verso e prosa em outra atividade com as crianças. O tema foi abordado a partir das obras de autores brasileiros, como Daniel Munduruku, Ana Maria Machado, Yaguarê Yamã, Claudio Fragata, Jaciana e Leandro Melquiades, Gercilga de Almeida, Kayodê, dentre outros.

O projeto culminou através de oficinas literárias com o grupo PIBID da FEUC sobre Literatura Africana e Afro-brasileira com a professora coordenadora Janice Rosane Silva Souza; oficinas indígenas com as turmas do Berçário EI-11 e EI-12 sobre plantio de hortaliças; Maternal I EI-21 com pinturas corporais indígenas e pré-escola EI-41, EI-42 e EI-51 com oficina de instrumentos indígenas pau-de-chuva; mostra de trabalhos; apresentação de Capoeira com a turma do Maternal II EI-31; Dança do Carimbó com a turma do Maternal II EI-32 e Recital de Poesia “Canção do Exílio” do autor Gonçalves Dias com a turma Pré-escolar EI-51.

Segundo a direção da unidade, "foi uma manhã muito construtiva, pois toda a comunidade escolar (professores, agentes, pais, responsáveis e nossas crianças) puderam participar das oficinas".

 

 

BIBLIOGRAFIA:

BRASIL. Lei 11.645/08 de 10 de Março de 2008. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília.
BRASIL, Lei de Diretrizes e B. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.
CAGNETI, Sueli de Souza. Livro que te quero livre. Rio de Janeiro: Nórdica, 1996.
CUNHA, Maria Antonieta Antunes. Literatura Infantil: Teoria e prática.18 ed.São Paulo: Ática,1999.

 

Quer saber mais sobre a unidade:

Espaço de Desenvolvimento Infantil Ludmila Máximo Moreira Cardoso

Endereço: R. Pedro Leão Veloso, S/N - Campo Grande, Rio de Janeiro - RJ, 23055-130

Telefone: (21) 3403-0777

 

;
 


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 30/11/2017

Projeto: Quem lê vive mais, no CIEP Lamartine Babo

Tags: 9ªcre, leitura, projeto.

 

As histórias estão presentes em nossa cultura e o hábito de contá-las e ouvi-las tem inúmeros significados: cuidado afetivo, construção da identidade, desenvolvimento da imaginação, capacidade de ouvir o outro e à se expressar. No CIEP Lamartine Babo os alunos da Professora Elaine Sardinha vivenciam o Projeto: "QUEM LÊ VIVE MAIS!". Em diversas atividades os alunos vivem a leitura de histórias, que aproxima do universo letrado e colabora para a democratização de um de nossos mais valiosos patrimônios culturais: a escrita.

 

 

A infância é o período crucial na formação do indivíduo e a leitura de suma importância no seu processo cognitivo. A professora Elaine Nascimento, do CIEP Lamartine Babo, tem como meta principal a alfabetização de seus alunos do 1º ano de escolaridade, na interação com o lúdico, através da contação e dramatização de histórias narradas por professores do 1º ano e com a participação dos alunos do 1º ano.

 

 

Pensando nisso, através deste projeto, a professora procura formar um elo entre a criança, a família e o prazer da descoberta através do mundo encantado da leitura. A professora Elaine trabalhou ainda em seu projeto com professores aposentados e responsáveis, que vieram à Unidade para contar histórias para turma e também com alunos para o desenvolvimento do hábito de ler e dramatizar histórias. O trabalho consiste também no registro de dramatizações, estimulando a atividade artística e criativa, bem como a escrita.

 

 

Objetivo Geral: Criar formas de incentivo à leitura buscando proporcionar à criança, juntamente com a família, um estreitamento entre o mundo da literatura e o seu, visando propiciar ao aluno novas descobertas na área da leitura e escrita.

Objetivos Específicos:

  • estimular o gosto pela leitura desde a infância;
     
  • promover momentos de contação de histórias;
     
  • escolher os livros para leitura, apreciar e participar das rodas de leitura.
     
  • envolver a família com a criança no mundo literário dentro e fora da escola.
     
  • interessar-se pela leitura de diferentes tipos, como fonte de prazer.
     
  • confeccionar livros de histórias;
     
  • criar peças teatrais.

 

Atividades de leitura que acontecem no CIEP Lamartine Babo:

  • Família na escola: mamães do 1º ano contando histórias para as turmas;
  • Alunos do 6º ano contando histórias para o 1 º ano;
  • Momento literário( cada aluno escolhe o seu livro para ler na sala para um colega );
  • MALETA VIAJANTE: a cada semana 4 alunos levam as maletas para casa e dentro delas têm: 1 livro (escolhido pelo aluno), 1 caderno de registros, lápis, borracha, apontador e giz de cera. As crianças fazem a leitura e o registro em casa com a ajuda dos responsáveis e na sala de aula relatam aos colegas e professores como foi a experiência. 

 

 

Parabéns à Professora Elaine e toda equipe do CIEP Lamartine Babo! 

 

QUER SABER MAIS SOBRE A UNIDADE: 

CIEP LAMARTINE BABO

Endereço: R. Campo Maior - Campo Grande, Rio de Janeiro - RJ, 23015-160
Telefone: (21) 3394-6154


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 16/11/2017

Crianças da Educação Infantil visitam a Alfabetização: Todo dia é Dia de Integração!

Tags: 9ªcre, educação, infantil, alfabetização, integração, .

 

“Oi, que tal você visitar minha escola?!”. Um convite aberto às crianças, familiares e profissionais que atuam nas unidades exclusivas de Educação Infantil, feito pelas escolas com Alfabetização, bastou para o sucesso do Dia de Integração durante a V Semana de Alfabetização. Dia de brincar, aprender e integrar Educação Infantil e Alfabetização. 

 

A iniciativa da Gerência de Educação previa uma aproximação entre as etapas e a possibilidade de um encontro pedagógico com as crianças, profissionais e famílias. Na programação da 9ª CRE, diversas unidades vivenciaram esse dia de modo a contribuir para a transição das crianças, da Pré Escola à turma do 1º ano do Ensino Fundamental.

A V Semana de Alfabetização prometia! Palestras e oficinas para professores organizadas pela Gerência de Alfabetização na Escola Paulo Freire. No nível regional, palestras para professores e exposições e oficinas nas escolas entre crianças e familiares. E, para as crianças da Pré Escola II, que irão atravessar as etapas e estarão nas escolas em 2018, havia ainda o desejo de integração.

Aproximar crianças e profissionais de outro espaço físico e também dos profissionais pode ajudar no diálogo importante para a continuidade educativa no processo de escolarização. Para as professoras Vanessa Neves e Monica Baptista (2016), "as crianças que são atendidas em uma instituição de Educação Infantil são as mesmas que frequentam o Ensino Fundamental, mas nem sempre a trajetória educacional da criança é compreendida como um contínuo. O projeto educacional deveria reconhecer as especificidades de cada etapa e, ao mesmo tempo, levar em conta as semelhanças que fazem com que todas as três etapas educativas constituam um mesmo nível de ensino." (Saiba mais aqui)

Assim, as escolas mobilizaram-se para receber as crianças pequenas. Fizeram convites, programação especial com piqueniques literários, exposição de trabalhos, peça teatral, contação de histórias, poesia em LIBRAS, vídeos, jogral, muitas atividades. Um espetáculo de criatividade e dedicação das escolas, em que Diretores, Coordenadores Pedagógicos e Professores do 1º ao 3º ano, estiveram abertos para acolher e integrar as crianças.

 

E o dia de Integração na Lycio aconteceu...

 

 

“O diálogo pertence à natureza do se humano, enquanto ser de comunicação. O diálogo sela o ato de aprender, que nunca é individual, embora tenha uma dimensão individual.”
Paulo Freire

 

"A proposta inicial era receber os alunos dos EDIs próximos, apresentando a eles o nosso espaço. Então um evento simples transformou-se num momento de afetividade, cumplicidade e brincadeira. Não podíamos deixá-los sair sem que percebessem a importância daquela visita pra nós, o significado da escola e de tudo o que ela representa. Tínhamos o desafio de apresentar a escola não como extensão de um EDI, mas um lugar onde os pequenos continuariam a viver experiências lúdicas com livros, brinquedos, música e amigos. E foi nesse formato que o Dia de Integração na Lycio aconteceu. Desde o início com a chegada dos nossos convidados até a hora de nos despedirmos, tudo foi preparado para eles, os alunos de lá que serão os alunos de cá. Não só os adultos da Lycio, mas também as crianças da Lycio perceberam que aquele momento era especial para todos. Era a hora de mostrar a nossa escola, nossas construções, nossos professores. A grande roda no final serviu para, dando as mãos, selarmos um compromisso: essa escola sempre será de todos, nós seremos felizes juntos, eu vou aprender com você e você comigo.

- Ana Cristina Possidonio, Diretora da E.M. 09.18.005 Lycio de Carvalho -

 

 

Algumas unidades que também atendem a Educação Infantil realizaram a programação entre as turmas no mesmo espaço. Outras convidaram as turmas de Pré Escola de EDIs e Creches para uma programação diferente nas escolas. As famílias foram convidadas a participar das atividades e também conheceram espaços e profis-sionais. Foram recebidos e apresentados à organização da escola e saíram felizes pensando como será em 2018. 

 

Encontro Literário: CIEP Doutel de Andrade e EDI Dom Bosco

 

“Tudo começou com a sugestão da 9ª CRE de convidar uma escola de Educação Infantil para compartilhar atividades de alfabetização na culminância da Semana de Alfabetização em setembro de 2017. Pensei no EDI Dom Bosco porque muitos alunos fazem o remanejamento da Educação Infantil para o 1º ano.
Nossos alunos ficaram super animados com a ideia de receber as crianças da escola que alguns já tinham um elo afetivo e outros por partilhar as suas atividades com alunos menores da pré-escola. Optamos por trabalhar com atividades desenvolvidas durante o ano letivo de 2017, adaptando para os pequenos convidados. Fizemos atividades como: o Sussurro Literário para pequenos utilizando letras pequenas de cantigas de roda, brincamos de roda com músicas e movimentos aprendidos nas aulas de Educação Física, leitura livre com a Cápsula da Leitura e as nossas crianças contaram histórias no projeto Voando Alto nas Asas da Leitura no Quintal do Doutel.
A partir desta união já visitamos a Feira de Ciências Dom Bosco agora em outubro e vamos colocar em prática uma ideia há muito tempo pensada: o projeto Voando Alto nas Asas da Leitura em outros Quintais ou seja no EDI Dom Bosco.”

(Audrei, Coordenadora Pedagógica do CIEP 09.18.510 Doutel de Andrade)

 


 

O que era para ser um dia de integração passou a ser vários dias. Algumas unidades permanecem integradas e continuam as atividades conjuntas. Escolas têm visitado exposições das crianças no espaço do EDI. Professores de Alfabetização tem ido conhecer os espaços que seus futuros alunos estão. Tudo isto para favorecer a passagem das crianças. Acreditamos que transitar com elas tor-nará esta passagem um prazer. 

 

 

   

 

- Visita do CIEP Doutel de Andrade à I feira de Ciências do EDI Dom Bosco -

 

É muito bom contar com a parceria e o compormisso de todas as unidades que envolveram-se na proposta do Dia de Integração na 9ª CRE.

Os alunos da Educação Infantil com certeza agradecem!

 

DADOS DAS UNIDADES:

 

Escola Municipal Lycio de Carvalho

Direção: Ana Cristina Possidônio

Coordenadora Pedagógica: Carla Brum

R. Sd. Sebastião Viana, 101-319 - Inhoaíba, Rio de Janeiro - RJ, 23063-230
Telefone: (21) 3394-1632

 

 

CIEP Armindo Marcílio Doutel de Andrade

Direção: Pedro Jerônimo

Coordenação Pedagógica: Audrei do Nascimento

Endereço: R. Flávio Fraga - Campo Grande, Rio de Janeiro - RJ, 23070-450
Telefone: (21) 2412-2989


   
           



Yammer Share

Quinta-feira, 02/11/2017

O ciclo de vida da borboleta: alfabetização e natureza no CIEP Darcy Ribeiro

Tags: 9ªcre, alfabetização, natureza, ciencias, ciep.

 

Movidos pela curiosidade, os alunos da alfabetização, observaram e investigaram lagartas e ovinhos num pé de maracujá no espaço do CIEP Darcy Ribeiro. A partir desta situação, a Professora Sandra Barros realizou o projeto "Ciclo de vida da Borboleta", integrando as diferentes disciplinas do currículo nas situações em que observaram mudanças e transformações dos elementos naturais. A experiência de sucesso na articulação das ciências com a alfabetização foi apresentada na mesa “Ensino de Ciências como elemento partícipe da alfabetização plena”, na V Semana da Alfabetização da SME, que aconteceu em setembro.

 

 

Tudo começou quando as crianças estavam com a Prof Sandra na Pré Escola e soltaram borboletas na área externa da escola, Este ano, na alfabetização, ao passarem no refeitório, elas perceberam lagartas e ovinhos num pé de maracujá. Aproveitando o momento, a professora Sandra disse que poderiam criar os ovinhos até virarem lagartas e depois borboletas. “Será que isto é possível?”, indagaram as crianças. A curiosidade foi a propulsora de uma sequência didática cheia de sentidos para as crianças que iniciam sua aventura no mundo da leitura e da escrita e puderam documentar tudo isto em livros confeccionados por eles.

 

 

Primeiro, dois ovinhos foram coletados e levados para a sala de aula. Guardados num pote, foram acomodados e tampados com um filó. A partir de então, as crianças começaram a observar diariamente o que acontecia com os mesmos. As lagartas eram alimentadas com as folhas do pé de maracujá da escola.

 


A professora Sandra relata que as crianças ficavam muito empolgadas com a experiência e cada dia era uma novidade. Por exemplo, quando viram o casulo, ficaram impressionadas.

 


Porém, algumas lagartas não viraram borboletas, o que foi uma grande decepção. As crianças sofreram e ficaram muito tristes. Conversamos bastante sobre o ciclo da vida, a partir deste fato. E compreenderam, que ainda assim devemos cuidar das lagartas.

 

Porém, outras sofreram a metamorfose e se transformaram em borboletas. E quando elas viram borboletas, os alunos vão à área externa do CIEP e as devolvem à natureza.

 

 


Essa experiência foi documentada em forma de livro confeccionado pela turma e em outras experiências bem sucedidas que alegram muito a turma quando saíram para soltar outras borboletas no espaço externo do CIEP Darcy Ribeiro. E o projeto não pára. Na apresentação da experiência ocorrida no CIEP Darcy Ribeiro, durante a V Semana de Alfabetização, a professora Sandra disse que as crianças da alfabetização continuam confeccionando livros, o último foi intitulado "Lagarta é inseto?".

 

"Ensinar Ciências pode ser uma tarefa fácil. Basta desenvolver aquilo que já é próprio nos alunos, por exemplo: vontade de conhecer, o uso da tentativa e erro na busca de solução para um problema, capacidade de compreensão de explicações científicas. Isso significa vivenciar aspectos ou características do “fazer Ciência”. A alfabetização científica, desse modo, passa a ser prazerosa, tanto para alunos quanto para professores. Os alunos, especialmente as crianças, são bons pesquisadores, curiosos, imaginativos, criativos e trabalhadores. Assim, o Ensino de Ciências na escola pode ser empolgante, dinâmico, estimulante, e permitir, tanto ao aluno quanto aos professores, explorar, compreender, atuar e transformar a sua realidade." Ciências da Natureza no Ciclo de Alfabetização - PNAIC Caderno 8, 2015, p. 105

 

O projeto da Prof. Sandra Barros com a turma 1101 mostra como pode ser significativo e empolgante aprender ciências na escola e ainda acompanhar o movimento dos alunos e seus interesses para uma alfabetização dialógica e significativa.

 

Tema: O Ciclo de vida da borboleta.

 

Problematização: Como nascem as borboletas?


Objetivo Geral: Criar condições para que os alunos venham conhecer como se dá o ciclo das borboletas e qual a sua importância para o meio ambiente.


Objetivo específico: Conhecer o processo da metamorfose.


Ações:

• Coletar dados referentes a produção das borboletas através da observação dos ovos e do casulo em sala de aula.
• Proporcionar condições de vincular o processo a linguagem oral e escrita. Observando e fazendo o registro diariamente.
• Desenvolver as habilidades relacionadas a leitura e interpretação de diferentes tipos de texto.
• Realizar trabalhos em grupos.
• Observar diariamente, todo o processo da metamorfose.
• Confecção pelos alunos de um livro sobre o ciclo da vida da borboleta.
• Produção textual sobre a experiência vivida em sala de aula.
• Leitura das histórias: Lagarta na primavera e Borboleta no verão (Susan Hood) e Dona Marta a Lagarta (Girassol)

Levantamento das hipóteses:

• O que a borboleta come?
• Onde ela vive?
• Ela nasce da lagarta?

Dúvidas provisórias:

• Há diferença entre a borboleta e a mariposa?
• Toda lagarta vira borboleta?


Metodologia:

• Roda de conversa.
• Pesquisa bibliográfica.
• Pesquisa de campo.
• Desenho livre.
• Leitura do livro confeccionado pela turma.


Habilidades a serem desenvolvidas:
• Reconhecer que tudo que se fala ou se vê pode ser registrado.
• Reconhecer a leitura como produção de significados.

• Identificar a finalidade do texto, gêneros e características.
• Utilizar a oralidade como forma de interação social.
• Coordenação motora.
• Observar as imagens e registrá-las através de desenho.
• Produzir e interpretar textos e dados.
• Contar, classificar, registrar quantidade.
• Criar histórias coletivas e individuais.
• Reconhecer-se como parte da sociedade que interage com a natureza.
• Perceber a importância da preservação da natureza e do Meio ambiente.
• Diferenciar: Insetos, espécies tipos de alimentação.

 

 

Parabéns à Prof Sandra e às crianças curiosas do CIEP Darcy Ribeiro pelos cuidados e postura científica nas experiências com o Meio Ambiente. 

 

 

SAIBA MAIS SOBRE UNIDADE, ENTRE EM CONTATO:

CIEP PROFESSOR DARCY RIBEIRO

Endereço: R. Conchas, s/n - Campo Grande, Rio de Janeiro - RJ, 23073-330

Contato: (21) 3394-3349

 

 


 


   
           



Yammer Share