A A A C
email

Terça-feira, 23/10/2018

Desafio da Puberdade em escola passado e presente

Tags: desafio da puberdade, fotos, patrimônio.

 

Desafio da Puberdade em: Escola Passado e Presente

 

 

"A memória é um dos alicerces que dá sentido à vida. Com uma instituição não é diferente. Preservar a memória institucional é manter a instituição viva e uma forma de fortalecer suas bases....Também é preciso olhar para as pessoas, pois a história institucional é uma construção que traz em si as marcas dos sujeitos que dela fazem parte."

Fundacentro

 

Convidamos todos os servidores (ativos e inativos), alunos e ex alunos da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro a participarem. Cada participante deverá enviar uma foto da unidade escolar tirada antigamente e outra foto na atualidade. Poderão ser enviadas fotos da fachada, do refeitório, pátio, turmas, sala de aula, ou seja, qualquer foto que foi tirada na unidade.

 

As fotos deverão ser enviadas digitalizadas ou em formato png ou jpeg para o e-mail: rioeduca@rioeduca.net até o dia 31/10/2018

 

Inscrição será feita via e-mail

 

A Gerência de Inovação e Tecnologia Educacional irá coletar e organizar as fotos por Coordenadoria de Educação, para exposição em local a se definir no mês de novembro em data que será divulgada em breve.

 

Ao realizar a inscrição, os participantes deverão informar por e-mail o nome completo da unidade escolar e da CRE na qual a escola faz parte, assim como o seu nome e cargo (se é ativo ou inativo, aluno ou ex aluno), e se possível relatar o ano de quando a foto foi tirada. 

 

Obs.: É possível que as fotos enviadas sofram ajustes relativos à nitidez e resolução, a fim de melhor impressão para a exposição.


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 23/10/2018

Aprendendo com a Pipa

Tags: 7ªcre, projetos.

 

O CIEP Pablo Neruda , no mês de agosto, desenvolveu atividades envolvendo o folclore brasileiro, a partir de um brinquedo bem popular , a pipa , e também apresentou aos alunos um pouco do universo cordelista.

 

Trabalhando o rico folclore brasileiro na Sala de Leitura do CIEP Pablo Neruda, as turmas de 1° e 2° anos conheceram a história do livro "A fábrica de pipas", do autor Pedro Veludo, e conheceram algumas brincadeiras e brinquedos que fazem parte da nossa cultura. A pipa foi escolhida e cada aluno fez a sua. 

 

 


Atividade de escrita a partir da história contada sobre a pipa.

                                                        

 

Após conversar, refletir e experimentar, os alunos entenderam que jogar no celular é muito bom, mas soltar pipa, jogar bola de gude, pular corda e brincar de pique com os amigos, é muito melhor. Os alunos empinaram suas pipas e elas voaram pela sala de leitura com a professora Kátia.

 

 

Brincando com a pipa feita pelos alunos.

 


Os alunos das turmas de 1° ano brincaram de caça palavras e os do 2° ano produziram seus próprios textos, é claro, falando de pipas. Os trabalhos produzidos foram voar em um painel, no qual os alunos puderam reconhecer suas produções, que, por sua vez, valorizavam e estimulavam  a leitura e as diferentes atividades que a mesma pode disparar.

 

 

Caça palavras  e outras ativdades com a pipa.

 

 

Mural com ativdades sobre a pipa.

 


Com alunos de 4º e 5 º anos, o trabalho da sala de leitura partiu para o universo dos cordelistas, onde os alunos conheceram e descobriram que o cordel  é uma forma de arte bem tradicional, uma poesia popular muito usada no Nordeste. Nesse contexto, o Cordel veio parar  no CIEP Pablo Neruda e inspirou os  alunos do 4º e 5º anos. 

 

 

Produções dos alunos.

 

 

Exposição dos trabalhos de cordel.

 

 

Informações enviadas pela coordenadora Michele Montenari

 

 

Parabéns a todos os envolvidos pelo trabalho realizado!

 

 

Contato para publicações:

robertavitagliano@rioeduca.net

 

Contato do CIEP Pablo Neruda:

ciepneruda@rioeduca.net

 

 

Contato para publicações:


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 22/10/2018

Redescobrindo os Tipos de Frases

Tags: redescobrindo, 7ªcre.

 

Cada Ponto, Uma Expressão

Redescobrindo os tipos de frases

 

Trabalhar os tipos de frases é muito importante para aperfeiçoar a leitura e a escrita. É por meio dos sinais de pontuação que demonstramos a entonação desejada na escrita, organizamos e damos fluidez a um texto. Que tal começar esse tema com uma videoaula do canal Redescobrindo?

 

 

 


Elaborado pelas professoras Lyvia Teixeira e Juliana Rebelo da Escola Municipal Desembargador Ney Palmeiro, o canal faz uma abordagem lúdica dos conteúdos da alfabetização. As videoaulas interativas apresentam jogos, dinâmicas e oportunidades de expressão corporal.

 

 

Para compreender melhor a função dos pontos é necessário perceber que temos expressões diferentes para cada intenção.

 


 

Usamos os tipos de frases todo o tempo enquanto falamos. E isso é tão natural que às vezes nem percebemos que elas estão presentes no nosso dia a dia. E nada como recursos do cotidiano das crianças para que elas possam compreender melhor os conteúdos.

 

 



 

Os jogos são excelentes estratégias para aprendizagem, por isso as crianças do segundo ano foram estimuladas a exercitar a pontuação de uma forma bem lúdica e prática.

 

 

 


E agora é hora da história ! Qualquer livro pode servir de base para essa atividade e nós escolhemos “Chapeuzinho Vermelho, uma história borbulhante”, uma releitura do conto tradicional.
E como a turma 1201 e a 1202 adoram histórias. É hora de colocar a mão na massa e escrever frases com os tipos que foram vistos nessa aula.

 

 

 

 

 

A pontuação é muito importante para nos expressarmos. A criança que aprende a pontuar amplia sua capacidade de interpretação de texto e suas possibilidades de descrever suas intenções.

 

 


Acesso o canal Redescobrindo e descubra como aprender pode ser divertido! 

 

 

Quer saber mais sobre?

Unidade Escolar: E.M. Desembargador Ney Palmeiro

E-mail: empalmeiro@rioeduca.net

Tel.: 2408-6042 / 2408-5482

 

Contato para publicações:


   
           



Yammer Share

Segunda-feira, 22/10/2018

Fica a Dica: Instrumentos de Sopro

Tags: fica a dica, educação musical, instrumentos de sopro.

 

Fica a Dica: Instrumentos de Sopro

 

 

Olá!

Estamos aqui, mais uma vez, trazendo dicas sobre Educação Musical. Começamos, há algumas semanas, falando sobre os instrumentos musicais e suas famílias. Falamos dos instrumentos de percussão, dos instrumentos de cordas e hoje, vamos falar sobre os instrumentos de sopro.


Esses instrumentos, como o próprio nome já diz, tem seus sons produzidos pelo sopro, pela vibração de uma coluna de ar dentro do corpo do instrumento.
 

“Os instrumentos de sopro surgiram quando os homens primitivos sopraram ossos e bambus e descobriram que podiam emitir sons similares ao cantar dos pássaros. Em geral, são formados por um tubo, sendo o som produzido pela passagem de ar em seu interior. Quanto maior e mais largo é o tubo, mais grave é o som que produz. Pertencem a esta família as madeiras, instrumentos originalmente construídos em madeira, e os metais.” (https://bit.ly/2ODXW33)

 

Como todos os outros instrumentos, os maiores emitem sons mais graves; enquanto os menores, sons mais agudos. Eles se dividem em madeiras e metais. Para alguns autores, por considerarem essa uma classificação eurocêntrica, preferem classificá-los baseado apenas no meio produtor de som: embocadura, palhetas simples, duplas e livres, arestas, etc.


Se nos atentarmos à classificação entre madeiras e metais, podemos dizer que os instrumentos de sopro de madeira são assim classificados quando o som é produzido pela vibração direta dos lábios do executante sobre um bocal ou sobre uma palheta simples ou dupla.
 

Os instrumentos de sopro de metais são os que produzem o som pela vibração direta dos lábios do executante sobre um bocal de metal.


Outros autores discordam dessa afirmação e consideram que essa classificação se dá de acordo com a forma como as notas são executadas. Nas madeiras, abrindo e fechando orifícios existentes no corpo do instrumento; enquanto nos metais, os sons saem pela campânula. (https://bit.ly/2q5JW3g).

Apesar de alguns instrumentos serem classificados como sendo do grupo das madeiras (flautas, clarineta, oboé, entre outros), não necessariamente eles são construídos com esse material. Como vimos, não é o material utilizado que vai classificá-lo como um ou outro, mas, sim, a forma pela qual o som é produzido. 


Os instrumentos de sopro de metal apresentam uma sonoridade muito potente. Exemplos: a trompa, o trompete, o trombone e a tuba, que fazem parte de orquestras, assim como de bandas.


O número de instrumentos de sopro é bastante extenso. E, para a sua execução, há muitas técnicas por detrás, como a técnica da surdina (“ao serem encaixadas na campânula do instrumento, criam uma obstrução à saída do ar e, ao absorver algumas frequências, tornam o som abafado” - https://bit.ly/1QrGqYb) e a respiração circular (“Uma das técnicas mais difíceis de dominar. O músico armazena na boca e libera lentamente o ar, sem interromper o sopro, ao mesmo tempo que inspira pelo nariz”. - https://bit.ly/1QrGqYb). Existem outras técnicas, mas aqui citei apenas essas duas.

 

A embocadura (“Uso dos músculos faciais e dos lábios contra uma boquilha ou bocal de um instrumento de sopro. A embocadura apropriada permite ao instrumentista tocar o instrumento na sua completa extensão, a manter o som limpo e a evitar possíveis danos aos seus próprios músculos” - https://bit.ly/2CXAtn2), o controle do sopro, a intensidade são aspectos trabalhados ao se estudar a execução desses instrumentos.


Temos muitos exemplos de instrumentos de sopro. Nossos alunos, inclusive, conhecem muitos deles, como a flauta doce, a flauta transversa, o saxofone, o trombone, a gaita, e muitos outros.
 

A flauta doce é muito utilizada em algumas escolas, pois é um instrumento funcional na musicalização de crianças e adolescentes e também por ser um instrumento de maior facilidade de aquisição, fácil de ser transportado, implicando, assim, na sua utilização na iniciação musical.

 

“Por ser um instrumento de sopro e de emissão simples, funciona como a extensão da própria voz. Até um bebê, se bem estimulado, pode tirar som da flauta doce. Já nas primeiras lições, a criança obtém um resultado imediato, conseguindo tocar pequenas músicas com duas ou três notas. Tocando e cantando as canções do repertório, o aluno vai ajustando a afinação, trabalhando a respiração, vivenciando o fraseado musical e desenvolvendo a percepção auditiva.” (https://bit.ly/2Cu1SvI)

 

A flauta doce é assim chamada por causa do seu som suave e aveludado. Apresenta-se de variados tamanhos e, consequentemente, com extensões de altura variadas.

 

“A flauta doce mais conhecida é a flauta soprano, que tem uma sonoridade aguda. Na verdade, pertence a uma família que conta ainda com as flautas contralto, tenor e baixo, maiores e de som mais grave. É o quarteto de flautas-doce, com formação semelhante à família das cordas: violino, viola, violoncelo e contrabaixo.” (https://bit.ly/2Cu1SvI)

 

Enfocando na utilização da flauta doce, deixo aqui, como sugestão, uma aula do Portal do Professor do MEC que inclui atividades com a flauta e execução de percussão com copos (https://bit.ly/2PQxtff)

De acordo com os autores, com essa aula, os alunos serão capazes de: 

1) Desenvolver a percepção rítmica através da percussão com copos de plástico;
2) Desenvolver a percepção melódica através da prática instrumental com a flauta-doce;
3) Desenvolver habilidades para tocar a flauta-doce e os copos de plástico;
4) Tocar as notas musicais SOL-LÁ-SI-DÓ-RÉ na flauta-doce através da execução da música “When the saints go marching in” e dos exercícios propostos;
5) Executar arranjo para flauta-doce e percussão com copos de plástico.

 

A utilização dos copos nesses arranjos musicais traz também à tona a questão da reutilização e o aproveitamento de materiais como objetos de produção sonora em locais onde não há instrumentos musicais disponíveis.


Os autores trazem também nessa aula, além da partitura tradicional, uma partitura adaptada, com recursos gráficos idealizados por eles, para alunos que ainda não leem as notas na pauta tradicional de cinco linhas (pentagrama).


Acredito que essa aula seja bastante pertinente e pode ser uma grande aliada em trabalhos musicais, tanto da flauta doce quanto da percussão.

Além disso, você poderá trabalhar a percepção sonora, a leitura de partituras, o tocar em conjunto, a concentração. O trabalho prático com instrumentos ou vocal propicia esses aspectos.


Deixo aqui, também, um vídeo demonstrativo de alguns instrumentos de sopro para ilustrar esse relato:

 

 

E aí, gostaram da nossa dica da semana? Estamos sempre aguardando sugestões. Escreva pra gente!! smiley

 

Fica a Dica!! 

 



 


   
           



Yammer Share