A A A C
email

Quarta-feira, 29/03/2017

Ação do Dia da Mulher: Intervenção Poética – Posso ler pra você?

Tags: 3ªcre, mulher, poesia.

   

   A idéia de criar o Dia da Mulher surgiu no início do século XX nos Estados Unidos e na Europa no contexto das lutas femininas por melhores condições de vida e trabalho e pelo direito ao voto. Na Escola Muncipal Fancisco Jobim essa data não poderia passar em branco e nada melhor do que homenagear com leituras e poesias...

 

 

A equipe de direção, coordenação e sala de leitura da Escola Municipal 03.13.021 Francisco Jobim decidiu comemorar o Dia Internacional da Mulher de uma forma diferente. Resolveram criar um projeto que envolvesse todos os alunos da escola demonstrando que a valorização da mulher parte do reconhecimento do seu trabalho em suas diferentes esferas de atuação.

Surgiu então o Projeto Ação do Dia da Mulher: Intervenção Poética – Posso ler pra você?

 

 

A ideia de criar esse projeto envolvendo história, música e literatura teve como ponto de partida o estudo sobre o surgimento, no início do século XX nos Estados Unidos e na Europa do Dia internacional da Mulher. A criação desse dia de valorização da mulher se deu num contexto conturbado das lutas femininas por melhores condições de vida e trabalho e principalmente pelo direito de voto.

Vale ressaltar que muitos anos se passaram e as lutas continuam. Direitos foram conquistados, mas ainda há muito o que se fazer, e discutir e conscientizar faz parte desse processo. Porém, foi discutido que, mesmo diante de tantas batalhas diárias, a mulher não deveria perder a sua feminilidade. 

 

 

Então os alunos e professores da E. M. Francisco Jobim, com a orientação das professoras Tatiana Coutinho da Sala de Leitura Christina Caiazzo e com a supervisão da Coordenadora Pedagógica Marcelle Borges, prepararam uma ação para homenagear as mulheres no seu dia. Selecionaram poemas e promoveram a leitura pelos corredores e demais espaços da escola presenteando todas as mulheres que passavam.

A leitura dos poemas e músicas (quase uma serenata) com a temática feminina, acompanhada da entrega de flores de origami, despertou muita emoção nas mulheres. Essa pequena gentileza ainda corrobora para a sensibilização dos meninos, além de proporcionar aos mesmos um maior conhecimento do universo feminino.

 

 

A parte da “serenata” contou com a generosa colaboração do professor de música André Aragão e com a participação da professora de inglês Francelise, que realizaram um pequeno sarau no horário de saída do primeiro turno e de entrada do segundo turno, cantando músicas com a temática feminina. O sucesso foi absoluto e a atmosfera de respeito, admiração e homenagem, embalada pela poesia e pela música, envolveu toda a escola. 

 

 

Vale o registro: O Dia Internacional da Mulher, comemorado no dia 08 de Março, nos leva à história de lutas pela valorização da mulher, do reconhecimento dos seus direitos e de seu importante papel na sociedade.

Esse dia está relacionado aos movimentos feministas que buscavam mais dignidade para as mulheres, tentando promover uma vida mais justa e igualitária. As meninas de hoje serão as mulheres de amanhã, portanto também precisam ser homenageadas e, principalmente, conhecer seus direitos (um dos mais importantes é o direito à educação).

 

 

Parabéns à Escola Municipal Francisco Jobim pelo projeto que, com certeza, promoveu de forma ludica e agradável a aprendizagem de todos os alunos sobre esse importante tema.

 

Comemore! No ano que vem, dia 8 de março, organize uma festa em sua escola para festejar o Dia Internacional das Mulheres também! 

 

 


   
           



Yammer Share

Quarta-feira, 29/03/2017

Artigo do Secretário - Ler, escrever, calcular

Tags: artigos, secretário, educação.

 

Ler, escrever, calcular

 

César Benjamin

Folha de S. Paulo, 6 de fevereiro de 2010

 

Não devem passar despercebidos dois artigos publicados nesta Folha nos últimos dias. Em “Repetência e alfabetização”, de 27 de janeiro, João Batista Araújo e Oliveira apresentou resultados de um teste aplicado em 338 mil alunos do segundo ao quinto ano em 350 municípios brasileiros espalhados por 25 estados, uma amostra excepcionalmente representativa. Nada menos de 70% dos alunos avaliados foram considerados analfabetos, independentemente da série em que estavam, e 50% dos estudantes do quinto ano foram classificados assim.

 

ACESSE AQUI O TEXTO NA ÍNTEGRA


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 28/03/2017

Saberes e Sabores

Tags: 2ªcre, alfabetizacao, alimentação, saudável.

 

Partindo do pressuposto de que a escola é um espaço propício para promover atitudes favoráveis a práticas de boa saúde, formação de valores e hábitos saudáveis, o projeto “Saberes e Sabores” surge como artifício a contribuir para a conscientização dos alunos nas escolhas que envolvem sua alimentação.

 

A professora Neadel Kovalski, da Escola Municipal Maria Leopoldina, enviou ao portal Rioeduca o relato do projeto “Saberes e Sabores” desenvolvido com as turmas de primeiro ano, que tem como objetivo principal incentivar hábitos de vida saudável.

A professora nos conta que a alimentação dos alunos foi observada durante os meses que antecederam o projeto. Foi visto que os lanches enviados pelas famílias, em sua maioria, eram industrializados (salgadinhos, biscoitos recheados, refrigerantes, biscoitos com corante, frituras...) e no almoço oferecido pela escola, muitas crianças escolhiam arroz, feijão e proteína, deixando de lado os legumes, verduras e frutas.

 

Visita ao hortifruti.

 

Acreditando que a escola exerce um papel importante junto às famílias propiciando a promoção de valores, hábitos saudáveis e aprendizagens significativas, a equipe pedagógica considerou uma boa forma de agregar a alfabetização o incentivo a mudanças de hábitos saudáveis e reeducação alimentar de forma lúdica, prazerosa e educativa.

Durante o projeto os alunos tiveram acesso a diversos tipos de atividades como: leitura de diferentes tipos de textos e livros, pesquisas, produção de saladas de frutas, conheceram a pirâmide alimentar, visitaram um hortifruti e, inclusive, produziram um pequeno livro sobre alimentação saudável. É importante ressaltar que o projeto foi desenvolvido de forma interdisciplinar e com a participação de toda a comunidade escolar.

 

Horta na escola.


Esperava-se que ao final fosse possível perceber a amplitude do projeto nas famílias, “ajudando” com os trabalhos de casa, pesquisas, aula aberta e passeios. A repercussão foi muito boa. Inclusive com parceria, participando no envio de lanches saudáveis para a festa e a preocupação com o lanche das crianças. O relato e agradecimentos após a apresentação feita como culminância foi o retorno concreto.

 

Livro de receitas produzido pelos alunos.

 

O projeto “Saberes e Sabores” foi desenvolvido de forma transversal e interdisciplinar promovendo a construção de conhecimento crítico, estimulando a alfabetização (o uso da função social da leitura e escrita) e o viver mais saudável hoje e no futuro.

 

Encerramento do projeto "Saberes e Sabores"

 

Partindo do pressuposto que uma ação desta natureza não se desenvolve plenamente tendo como alvo somente os alunos, o desejo foi que toda comunidade escolar (professores, alunos, funcionários e os responsáveis dos alunos) participasse direta ou indiretamente objetivando a construção de um conhecimento que estimule a busca de um viver saudável hoje e no futuro, foi parcialmente alcançada. As “Tias” da Cozinha (merendeiras) participaram com interesse e carinho das atividades relacionadas à horta, reaproveitamento de alimentos e na confecção de lanche saudável, além do famoso e carinhoso estímulo na hora do almoço para que os pratos estivessem sempre coloridos.

Agradecimentos a professora Neadel Kovalski por compartilhar conosco este projeto de estímulo aos hábitos saudáveis e parabéns a toda comunidade escolar pela participação e sucesso do trabalho.

O contato da professora Neadel Kovalski é sra.naedel@gmail.com

 

Divulgue também o trabalho de sua escola no portal Rioeduca.

Entre em contato com o representante de sua CRE.

 

Renata Carvalho - Professora da Rede e representante do portal Rioeduca na 2ª CRE

renata.carvalho@rioeduca.net

 

 


   
           



Yammer Share

Terça-feira, 28/03/2017

PEJA de mãos unidas no combate ao Mosquito

Tags: 11ªcre, aedes, mosquito, peja.

Neste início de ano letivo a E. M. Rodrigo Otávio, da 11ª CRE, se organizou para combater o tão temido Mosquito transmissor de doenças como: Dengue, Zika e Chikungunya. E os alunos do PEJA não podiam ficar de fora. De mãos unidas trabalharam juntos. CONFIRA!

 

No dia seguinte das professoras terem realizado uma aula inaugural sobre o projeto "Aqui Mosquito não se Cria" os alunos e professores do PEJA elaboraram um mural utilizando as mãos, com o seguinte título: "PEJA de mãos unidas no combate ao mosquito".

 

Alunos do PEJA confeccionando mural com as professoras

 

Já no auditório em dois momentos, iniciando com um funk, houve uma explanação da equipe de Ciências sobre as causas, consequências e formas de combate das arboviroses, utilizando mídias. Houve um debate sobre o assunto e posteriormente em sala de aula os professores deram continuidade com rodas de conversas.

 

Palestra sobre consequências e formas de combate das arboviroses

 

A turma 191 do PEJA I - Bloco II, da professora Maria Angélica, fez uma caminhada no entorno da escola procurando o foco do mosquito.

Um aluno da Professora Graça, do Peja I bloco I – Turma 171, recebeu uma visita do agente de combate ao mosquito. O mesmo relatou que foi encontrada uma lata com larvas de mosquitos em casa. A partir daí houve outros relatos falando da importância de acabar com os focos em casa e na vizinhança. Foi elaborada uma poesia coletiva a partir desse relato. Surgiram dúvidas e na aula seguinte solicitou a participação do professor da área de Ciências para esclarecimentos mais aprofundados.

 

Relato do aluno João, do PEJA I/Bloco II - Turma 191 (Alfabetização)

 

A professora de Ciências do Peja II Bloco II desenvolveu atividades em sala de aula com jogos para identificar em figuras os possíveis focos de mosquitos. Depois a turma se dirigiu ao laboratório com a professora e com material reciclado (Pets) construíram Mosquitecas, armadilhas de mosquitos. Desta forma os alunos acompanharão e interromperão o ciclo reprodutivo dos mosquitos. 

 

Parabéns a todos os envolvidos! Com aulas significativas assim, iremos vencer esta luta contra as Arboviroses. Aqui mosquito não se cria!

 

Quer saber mais sobre?

Unidade Escolar: E. M. Rodrigo Otávio

Email: emotavio@rioeduca.net

Telefone: (021) 3367-7528 ou 3383-8867

 

Contato para publicações:

 


   
           



Yammer Share